quarta-feira, 23 de julho de 2014

Trevas de Luz

Terminei de ler Trevas de Luz (1998) de Richard Zimler da Companhia das Letras. Foi o blog de literatura Abrkdbra que me apresentou esse autor. Eu estava em um sebo no Estante Virtual adquirindo um livro. Aquele sebo avisou virtualmente no processo de compra que seu eu gastasse R$ 100,00 não pagaria o frete. Imagina não? A desculpa necessária que eu precisava para gastar com mais livros. Então fui nas minhas listas e nos blogs amigos ver indicações e o que o sebo tinha e me deparei com esse. Achei muito linda essa capa, a tela é Improvisação  nº 27: O Jardim do Amor II (1912) de Kandinsky. Fiquei absolutamente impactada com esse autor, já quero ler outro.

Richard Zimler tem uma história particular, apesar que todas as histórias são particulares. Ele nasceu nos Estados Unidos onde graduou-se em religiões comparadas. Depois ele se mudou para Porto onde naturalizou-se português.



Obra Quadrado de Richard Anuszkiewicz  

O estilo de Trevas da Luz é todo mágico. Um homem se separa de sua mulher de forma traumática. Ele fez tudo para ser largado por ela, mas padece profundamente. Os seus medos de infância se afloram, ele não suporta escuro e dormir sozinho. Então ele passa a procurar inquilinos para dividir o apartamento. Vem uma rapaz e uma história que não parece real começa a se formar. Esse rapaz de feições muito delicadas, que adora guardar objetos, começa a apresentar uma vida completamente diferente a esse homem.



Obra A Natureza Abomina o Vácuo de Helen Fankenthaler

Fica difícil saber se é delírio, sonho, ou se realmente está acontecendo tudo aquilo. Essa viagem no inconsciente provocou reações adversas em mim. Foi uma experiência muito estranha e fascinante na leitura dessa obra. Como o protagonista eu comecei a ter sonhos estranhos, raciocínios pouco convencionais. Só quando o protagonista começou a encontrar o seu caminho, a despertar daquele torpor maluco é que eu tive menos identificação com a obra. Mas foi uma experiência única e agradeço imensamente a minha amiga Hatima Pombo por ter me apresentado esse autor mágico.

Os pintores e o compositor são americanos. Fiquei na dúvida se escolhia artistas do país de nascimento do Richard Zimler, os Estados Unidos, ou onde ele se naturalizou, Portugal, já que na leitura da obra achava o Zimler muito mais português que americano.



Beijos,
Pedrita

terça-feira, 22 de julho de 2014

Mulheres de Cássia

Assisti ao primeiro capítulo da web série Mulheres de Cássia de Hermano Leitão no Youtube. Cada episódio trará uma psicóloga e um paciente em uma trama inspiradas nas músicas interpretadas por Cássia Eller. Nesse a psicóloga é interpretada por Wallace Becker e a paciente por Daniela Dams.

Essa paciente está muito feliz. Ela tem um relacionamento quente com o seu namorado e eles resolvem ter novas experiências. O namorado é interpretado por Vagner Falcão. O episódio está muito bem editado, alegre e ágil. São só uns 5 minutos, bem tranquilo de assistir. Espero que chegue a tv a cabo em breve. Espero que se transforme em uma série de televisão. Quando eu assisti tinham 18 visualizações, agora está com 1539.

Beijos,
Pedrita

segunda-feira, 21 de julho de 2014

O Grande Gatsby

Assisti O Grande Gatsby (2013) de Bazz Luhrmann na HBO. Eu queria muito ver esse filme, deve ser maravilhoso na telona. A direção de arte é majestosa. Os figurinos de Catherine Martin ganharam 2 Oscars e 2 Baftas, além de vários outros prêmios. Eu não li esse livro do Scott Fitzgerald, como achei que tinha lido, acabo não procurando para adquiri-lo. Vou colocar na minha lista. O diretor é australiano.

Eu gosto demais do Leonardo di Caprio, é ele que interpreta o ricaço misterioso que promove festas em sua belíssima mansão. As festas são maravilhosas, são grandes momentos do filme. A bela jovem que ele é apaixonado é interpretada pela Carey Mulligan. Tobey Maguire faz o narrador e o vizinho pobre do protagonista. Outros são: Elizabeth Debicki, Isla Fisher e Joel Edgerton.

Esse texto é muito impactante. Scott Fitzgerald é mestre em mostrar a sociedade hipócrita e fútil. O Grande Gatsby é ambientado na lei seca e nos anos 20.

Beijos,
Pedrita

sexta-feira, 18 de julho de 2014

Duo Assad

Assisti a apresentação do Duo Assad no Teatro Lauro Gomes em São Bernardo do Campo. Sempre quis ver esse duo, já conhecia de vídeos, mas queria ver uma apresentação ao vivo. É muito impactante, impressionante. Eles são magníficos. Foi uma oportunidade rara já que os dois  são brasileiros mas vivem no exterior e estão sempre em turnês pelo mundo. Dessa vez a turnê é no Brasil, esse ano são 8 cidades. O repertório é incrível:

Fantasia opus 54 de Fernando Sor (1778-1839)
Seis peças para Cravo de Jean Philippe Rameau (1683-1764)
Valses Poéticos de Enrique Granados (1867-1916)
Valsa e Corta Jaca da Suíte Retratos de Radamés Gnattali (1906-1988)                           
A Lenda do Caboclo e Alma Brasileira de Heitor Villa-Lobos (1887-1959)  
Palhaço e  Baião Malandro de Egberto Gismonti (1947)
Tahhyya Li Ossoulina de Sergio Assad (1952)
As próximas apresentações serão nas cidades de Tatuí, Dourados, Campo Grande e Niterói.  
O vídeo é um trecho desse recital que eles realizaram em Palmas, Tocantins.

Beijos,
Pedrita

terça-feira, 15 de julho de 2014

Cape Fear

Assisti Círculo do Medo (1961) de J. Lee Thompson no Telecine Cult. Eu tinha visto o Cabo do Medo posterior, gostei muito desse. Cape Fear é baseado no livro de John D,. MacDonald. É sutil, mas intenso. Robert Mitchum arrasa como o perverso e pedófilo homem. No passado o advogado viu uma mulher ser atacada pelo perverso e depõe contra esse homem. Nós acompanhamos a história 8 anos depois quando esse perverso é solto e começa a infernizar a vida da família desse advogado.

O perverso diz que estudou direito quando esteve preso, então ele sabe como se proteger e não ser preso. É insuportável ver esse homem ameaçando, mas sempre sem testemunhas, não ser visto. Cape Fear é muito bem realizado. A jovem menina é interpretada por Lori Martin, em uma época que as interpretações de crianças e adolescentes eram bem artificiais e caricatas. O cabelo dela também arrumadinho demais é bem artificial para uma adolescente. A atriz tinha 15 anos quando interpretou nesse filme. A mãe é interpretada por Polly Bergen.

O policial é interpretado por Martin Balsam. O detetive por Telly Savalas. O advogado defensor dos direitos humanos dos presos e ex-presidiários por Jack Kruschen. Uma belíssima mulher por Barrie Chase. E Edward Platt

Beijos,
Pedrita