terça-feira, 23 de maio de 2017

Trumbo

Assisti Trumbo (2015) de Jay Roach no TelecinePlay. Esse filme é da série "porque não quis ver antes?". Fala de vários temas de meu interesse. Trumbo foi um grande roteirista de Hollywood. Como muitos intelectuais da época, se filiou ao Partido Comunista. Só que ele vivia bem, a larga, tinha até um lago particular em sua casa. Era amigo, ajudava os amigos, mas não era militante de quebra quebra, mesmo que fosse ninguém pode ser censurado por seu pensamento. Pelo menos o filme não mostra nada de piquetes.

Era uma época em que as pessoas perseguiam livres pensadores e faziam mal as pessoas só porque elas pensavam diferente. Nenhum filme de Trumbo era comunista. Seus filmes faziam muito sucesso e eram filmes comuns de Hollywood. Trumbo integrou então o grupo dos 10 que passou a ser perseguido e preso. Quando soltos ninguém os dava trabalho porque estão na Lista Negra.

Trumbo busca então essas produtoras de filmes de baixíssima qualidade. Consegue convencer que paguem o mesmo que para os outros roteiristas, pouquíssimo e começa a escrever roteiros para aqueles filmes como Monstro do Lago. Obviamente adoram o roteiro dele e ele começa a receber inúmeros roteiros para arrumar e outros para escrever. Chama seus amigos desempregados e todos passam a escrever sob pseudônimo. Trumbo, junto com sua família, criam uma verdadeira indústria de roteiros a baciada. E tira o grupo dos 10 da miséria. Continuam em dificuldade, mas conseguem sobreviver.
Ele dá um roteiro a Ian McLellan Hunter, o roteirista quer pagar quase tudo ao Trumbo. E ganham o Oscar de Melhor Filme por A Princesa e o Plebeu. Obviamente Trumbo não pode receber, mas o boato se espalha. Trumbo escreve sob pseudônimo Areias Escaldantes e também não pode receber o Oscar de Melhor Filme.

Então Kirk Douglas o procura Trumbo para que ele adapte Spartacus e Otto Premimger para que Trumbo seja roteirista de Êxodus. O filme Trumbo é muito bem realizado, há um livro que foi baseado de Bruce Cok. Bryan Craston está incrível como Trumbo. O elenco é enorme e excelente, seguem alguns: Michael Stuhlbarg, David Maldonado, John Getz, Diane Lane, Helen Mirren, Louis C. K., Alan Tudyc, Dean O´Gorman, John Goodman. David James Elliot e Elle Fanning.
Beijos,
Pedrita

domingo, 21 de maio de 2017

Para o Outro Lado

Assisti Para o Outro Lado (2015) de Kiyoshi Kurosawa no TelecinePlay. Faz tempo que via esse filme por lá. Resolvi assistir. É muito delicado, achei o roteiro bastante feminino e agora que vi que é baseado em uma escritora japonesa que escreve livros para adolescentes, Takashi Ujita.

Uma mulher vê o seu marido em casa. Logo descobrimos que ele está morto. Os dois começam uma peregrinação, viajando por vários lugares. É muito poético e delicado. Muito interessante como o roteiro é construído. Para o Outro Lado fala muito de perdão, da dificuldade das pessoas pedirem perdão, de terem tolerância com os outros e com a diferença dos outros. Do arrependimento e da vontade de pedir perdão quando não é mais possível. É muito bonito. Está na relação dos filmes cults do TelecinePlay, mas esse está longe de ser cult. Ela é interpretada por Eri Fukatsu e ele por Tadanobu Asano.

O diretor Kiyoshi Kurosawa não tem nenhum parentesco com Akira Kurosawa. É especializado em filmes de terror que agora quero muito ver. Eu adoro o gênero, principalmente os realizados por orientais. 
Beijos,
Pedrita

sexta-feira, 19 de maio de 2017

Rodrigo Santoro no Conversa com Bial

Assisti a entrevista da Rodrigo Santoro no programa Conversa com Bial na TV Globo. Confesso que só quando chegou nesse entrevistado que me interessei. Sim, queria ver como ficou o programa, mas os entrevistados anteriores não me interessaram. Bial, sorry, está muito Jô o programa. Gostei, porque adoro o Pedro Bial como entrevistador, mas eu particularmente acho plateia algo muito antiquado, ultrapassado mesmo em programas de televisão. Particularmente odeio programas com plateias, que dirá claquetes. E a abertura não tinha piada, mas estava Jô também. Amei o cenário.

Amei a entrevista. Adoro Rodrigo Santoro que falou de idiomas, filmes que atuou, vida pessoal. Vai ser lançado um filme onde ele interpreta um cubano que era professor de literatura russa e é chamado para ajudar a receber russos vítimas de Chernobyl para tratamento. É inspirado em uma história real. Rodrigo Santoro falou então desses dois momentos que esteve em Cuba, quando atuou no filme Che e agora para esse filme. Que as pessoas se reúnem em praças onde só lá é possível ter acesso a internet e que só agora começam a descobrir a internet. Rodrigo Santoro disse que não tem o green card dos Estados Unidos, e que sempre tem visto provisório. E claro, falou da espera pelo nascimento de sua filha com a bela e talentosa Mel Fronckowiak. Foi uma bela entrevista.
 
Beijos,
Pedrita

quarta-feira, 17 de maio de 2017

Julieta

Assisti Julieta (2016) de Pedro Almodóvar no TelecinePlay. Queria muito ver esse filme, adoro esse diretor. É inspirado na obra de Alice Munro.

O roteiro é incrível, fala muito de pessoas perversas e vingativas que só desejam o mal do outro, ou mesmo ter poder sobre o outro. Julgam sem a menor piedade. Ficarem bravos, se afastarem por um tempo, mas sumirem anos, é muita perversidade.

Nossa protagonista está organizando objetos, ficamos sabendo que ela vai viver em Portugal com o homem que ama. Só que ela encontra uma jovem na rua que fala sobre a filha dela, que tem três filhos e começamos a conhecer a sua história. Ela desiste de se mudar, vai para um apartamento. E começa a escrever a sua história. Tudo triste demais. Emma Suaréz faz Julieta nessa fase, a jovem é interpretada por Adriana Ugarte, Antía é interpretada por Priscilla Delgado e Branca Pérez. E Beatriz por Sara Jímenez e Michelle Jenner.

Ainda no elenco estão: Daniel Grao, Inma Cuesta, Rossy de Palma, Dario Grandinetti, Joaquim Notario e Nathalie Poza
Beijos,

Pedrita

terça-feira, 16 de maio de 2017

Maze Runner: Prova de Fogo

Assisti Maze Runner: Prova de Fogo (2015) de Wes Ball no Telecine Premium. Estava muito curiosa para saber o que acontecia com esses meninos na continuação de Maze Runner: Correr ou Morrer. A série é baseada nos livros de James Dashner. Ainda há vários para serem adaptados. Gostei muito!

Agora eles chegam em um laboratório e vão para um refeitório cheios de jovens e imunes. Também passam a dormir em beliches divididos em grupos. Periodicamente vão buscar grupos de jovens dizendo que seguirão para uma fazenda. O líder desconfia, um rapaz que está faz tempo lá se une a ele para investigarem.

Acabam descobrindo que os jovens não seguem para fazendas. São pendurados, entubados e ficam tirando líquidos deles. Nem sabemos se estão dopados, vivos. Eles conseguem fugir e ir ao deserto. Não é nada tão monstruoso como apregoam. Eles sendo imunes o deserto é menos perigoso, só que eles não sabem se todos são imunes.

Surgem então outros personagens. Claro que a série bebe em várias fontes, com muitas semelhanças de filmes de destruição do mundo, vírus, que é parecido inclusive com a doença de Walking Dead. O deserto com os Mad Max. Mas é bom mesmo assim. prende a atenção, é ágil. Muito bem feitas as cenas dos prédios desmoronando. Dylan O´Brein continua interpretando o líder. Sua parceira agora é Brenda, interpretada por Rosa Salazar. Aparece Giancarlo Esposito, Jacob Lofland, Kathryn Smith-McGlynn, Lili Taylor, Terry Dale Parks e Aidan Gillen. Continuam Patricia Clarkson, Kaya Scodelario, Thomas Brodie Sangster, Ki Wong Lee e Alexander Flores. O espírito coletivo continua. O grupo está sempre ajudando os outros e tentando salvá-los.

Beijos,
Pedrita