quarta-feira, 4 de maio de 2016

Game of Thrones - 5ª Temporada

Assisti Game of Thrones - 5ª Temporada (2015) no HBO On Demand. Eu parei há um tempo de ver essa temporada, estava incomodada com os caminhos de alguns personagens que gosto, ouvindo zoom zoom do que ia acontecer e não gostando. Mas quando começaram a anunciar a 6ª Temporada retornei a ver. É realmente incrível essa série.

Infelizmente a personagem da Kerry Ingram não está mais na série. Eu torcia que com a inteligência dela ela viesse a ser uma grande líder. Mas o insano do pai, seguindo os desatinos de uma bruxa manda a filha para a fogueira. Horror dos horrores. Esses fatores é que fazem o sucesso de Game of Thrones, não há medo de sacrificar personagens amados pelo público. A história caminha independente da popularidade dos personagens, fazendo a série ser bárbara como eram e são as relações humanas. Ainda mais no passado de guerras insanas e constantes.

Muito angustiante a prisão dos dragões, um dos motivos que me fizeram largar a série. Mas depois Targaryen tem uma reviravolta. Lannister se une a ela. Ainda não trocaram muitas informações, ela o poupou e se aconselhou pouco com ele. Emocionante a cena do dragão resgatando-a da arena. Quero que se una a ela o personagem do Ian Glen. Gosto inclusive desses atores interpretados por Emilia Clark e Peter Dinklage. Gosto também dos dois apoiadores da Targaryen, ótimos e lindos personagens interpretados por Nathalie Emmanuel e Jacob Anderson. Lindos atores e os personagens fazem um lindo casal. 

Sansa Stark está passando maus bocados. Casa com um torturador, passa a sofrer insuportáveis maus tratos. Gosto muito da reviravolta dessa personagem, o quanto ela vai se fortalecendo e a atriz é ótima, Sophie Turner. Iwan Rheon está excelente como o sádico Bolton.

Outro casal que adoro são Samwell e Gilly interpretados brilhantemente por Hannah Murray e John Bradley. Os personagens parecem que são frágeis, distantes das lutas armadas e sempre surpreendem quando precisam defender quem amam. Samwell inclusive não é só bom em armas como é inteligentíssimo.

Incrível a atualidade política de Game of Thrones. Cersei quer mais poder sempre e se alia ao que tem de pior em fanatismo religioso. Sparrow é interpretado brilhantemente por Jonathan Pryce, que personagem rico em detalhes e atualidade. Com regras violentas e preconceituosas manipula e maltrata qualquer fator que considera desvio. E como é sádico, sexualmente sádico, fingindo celibato. Assustadoras as cenas. Cersei sofre então as consequências dos seus desatinos em dando mais poder a fanáticos religiosos.

Outro destino que foi me incomodando foi o da Arya, não entendi porque ela precisa sofrer tanto. E como essa atriz, Maisie Williams, cresceu não só em tamanho, mas em interpretação. Ela se une aos sem face que parecem mais cruéis que protetores. Gosto do personagem do Jaqen interpretado pelo belo Tom Wlaschiha. Essa complexidade de Game of Thrones é que tanto fascina. As incertezas, as magias, se algo será bom ou ruim. Também gosto das misturas das tramas. Um personagem migra de um núcleo a outro, muitas vezes sem lógica, nos surpreendendo. Os posts dos episódios de Game of Thrones estão aqui

Beijos,
Pedrita

segunda-feira, 2 de maio de 2016

O Grande Lebowski

Assisti O Grande Lebowski (1998) dos Irmãos Coen no Telecine Cult. Eu tinha visto que ia passar na programação e coloquei pra gravar. É muito surreal. Um pobre Lebowski é confundido com um milionário Lebowski. Ele vai então tomar satisfação com o milionário e se envolve em tanta atrapalhada.

O pobre é tranquilão, não trabalha, joga boliche com dois amigos. Jeff Bridges é o Lebowski pobre. Um amigo é violento interpretado pelo John Goodman. O terceiro por Steve Buscemi.

Muitos grandes atores: Julianne Moore é a filha do milionário que é interpretado por David Huttleston. O assistente por Philip Seymour Hoffman. E ainda Peter Stormare, John Turturro, Mark Pellegrino, David Thewlis, Aimee Mann e Ben Gazzara.

Beijos,
Pedrita

domingo, 1 de maio de 2016

Minions

Assisti Minions (2015)  de Kile Balda e Pierre Coffin no Telecine Premium. Aguardava ansiosamente essa estreia. Perdi nos cinemas, mas vi tudo quanto é vídeo de promoção do filme. Passei o dia ansiosa aguardando a hora de começar. Amo os Minions, vivo vendo os vídeos, vou ver e rever agora cenas do filme. Eu já assistia pensando, essa vou querer ver de novo, agora essa e essa.

Eu adorei a ideia do animador agora fazer um filme só com os Minions. Dado o sucesso, agora ele resolveu fazer um para mostrar a origem dos Minions, a criatividade é demais. Começou desde os embriões, a época dos dinossauros, Egito, Napoleão. Desde os dinossauros eles sonhavam buscar um vilão para adorar, mas desastrados sempre provocavam fatalidades com seus ídolos.

Então eles chegam em uma caverna, ficam eufóricos, até que começam a sofrer já que não tem mais ídolo para adorar e servir. Um Minion, o Kevin, resolve seguir  a missão de buscar um vilão para eles, o maior vilão do mundo, escolhe dois para seguirem com ele, o Bob e o Stuart.

As cenas são ótimas. Eles naquele idioma que não entendemos. Eles seguem primeiro para Orlando, para um festival de vilões, depois para a Inglaterra. Tudo muito engraçado. Adorei imitarem Godzilla e tantos outros filmes. Os Beatles são homenageados várias vezes. Muito legal que acaba com eles conhecendo o Malvado Favorito ainda criança, já malvado.

Beijos,
Pedrita

sábado, 30 de abril de 2016

Trinta

Assisti Trinta (2012) de Paulo Machline no TelecinePlay. Eu não tinha muita empolgação em ver esse filme apesar de admirar o Joãozinho Trinta como carnavalesco. Gostei. O filme mostra um período da vida de Joãozinho Trinta até o primeiro carnaval.

Matheus Nachtergaele está incrível como Joãozinho Trinta. Não sabia que o Trinta tinha sido bailarino do corpo de baile do Theatro Municipal do Rio de Janeiro. O filme conta que Trinta veio de São Luiz do Maranhão. A família arrumou um emprego de jornalista, mas ele prestou concurso e entrou para o corpo de baile. Logo percebeu que por ter 1,58 de altura nunca seria solista.

Trinta é convidado para nas horas vagas ajudar nos adereços do cenógrafo que era o Fernando Pamplona, também carnavalesco, interpretado por Paulo Tiephenthaler. A esposa, bailarina solista do municipal, é interpretada por Paolla Oliveira e é grande amiga de Trinta. Trinta sobe no Theatro Municipal até passar a ser cenógrafo de produções de ópera e ter seu nome em destaque nos programas. E é pelo Pamplona que Trinta chega aos barracões. Na Salgueiro, em um desentendimento do carnavalesco com o bicheiro dono da escola, Trinta é convidado a assumir as pressas a função. 

Trinta sofre então grande resistência da escola e o filme passa praticamente todo no preparo desse carnaval e nas desavenças entre Trinta e a equipe. O carnaval emprega muita gente, é uma grande produção, muita responsabilidade, expectativa. Uma mega produção. Liderar e se fazer respeitado não é uma tarefa fácil como em qualquer grande empresa. O personagem do Milhem Cortaz é o que mais tenta prejudicar Trinta, mesmo que isso venha prejudicar a escola. Fabrício Boliveira faz o auxiliar de Trinta que igualmente não acredita no carnavalesco no início. O bicheiro é interpretado por Ernani Morais. O parente de Trinta que tenta tirar o bailarino do municipal é interpretado por Marco Ricca. A mãe de Trinta por Léa Garcia. A destaque da escola que não quer participar da Salgueiro naquele ano por Mariana Nunes. O filme termina com a realização desse desfile que passa mesmo com imagens de carnavais de Joãozinho Trinta. Vários atores fazem participações: Jorge Maya, Vinícius de Oliveira, Augusto Madeira, Tatu Gabus Mendes e Marcello Melo Jr.. Lindos os figurinos de Kika Lopes.

Beijos,
Pedrita

quinta-feira, 28 de abril de 2016

Looper

Assisti Looper (2012) de Rian Johnson no HBO On Demand. Eu não conhecia esse filme, gosto de ficção científica. O começo é meio estranho, mas de repente toma um ritmo incrível e gostei demais. Surpreendente!

Nosso protagonista é um matador. Ele recebe pessoas que são problema no futuro para serem mortas. Até que chega ele mesmo do futuro para ser morto. É nesse momento que o filme dá uma grande reviravolta. Ele do futuro quer matar quem cria todo o problema no futuro que é agora uma criança. Ele do presente se refugia na casa de uma das três possíveis crianças. Ele é interpretado brilhantemente por Joseph Gordon-Levitt. A dona da fazenda é intepretada pela bela Emily Blunt, eu adoro essa atriz. Uma graça o menino que faz a criança interpretado por Pierce Gagnon.

Ele no futuro é interpretado por Bruce Willis. Paul Dano faz uma participação. Alguns outros do elenco são: Noah Segan, Piper Perabo, Qing Xu, Tracie Toms e Jeff Daniels.


Beijos,

Pedrita