sexta-feira, 15 de novembro de 2013

De Profundis

Assisti De Profundis (2007) de Miguelanxo Prado no Telecine Touch. Achei esse filme por um acaso, zapeando, vi que essa animação começava, não sabia nada e comecei a ver. É incrível! O diretor é português, e De Profundis é uma co-produção com a Espanha. Começa com uma casa no meio do mar. E depois homens indo pescar. O dono da casa é um pintor, no início visitamos a casa onde vemos suas pinturas do mar, peixes, sereias.

Ele vive lá com sua mulher que é violoncelista. A animação parece de quadros que se movimentam. São 10 mil pinturas a óleo, belíssimos traços. Acontece uma tempestade e o barco em que está o marido afunda. A sereia acha o pintor no fundo do mar e o leva para conhecer as maravilhas do fundo do mar. 

Não há palavras, não há texto, só música e ação. Impressionante!
Beijos,
Pedrita

quinta-feira, 14 de novembro de 2013

Travessuras - Histórias para anjos e marmanjos

Terminei de ler Travessuras - Histórias para anjos e marmanjos (2010) de Gil Veloso pela Opera Prima. Vejam que capa linda, as ilustrações são de Daniel Lourenço. Na edição daqui, o laranja da capa é fluorescente, lindo demais. Belíssima edição. E as histórias? Mágicas, fantásticas, engraçadas. Adorei o texto de Gil Veloso, sempre instigando o leitor a montar quebra-cabeças com as inúmeras palavras e trocadilhos. Sem falar no rico vocabulário, tantas palavras.


São histórias de hipopótamos, patos, gatos, formigas, pintinhos, borboleta, com uma criatividade cativante. O hipopótamo que veio para o Brasil não por livre hipopótama vontade, o pintinho que gostava de gemada, o pato que soltava pum. Uma graça os contos. Amei! Dá pra achar esse livro em livrarias.

Beijos,
Pedrita

quarta-feira, 13 de novembro de 2013

Kes

Assisti Kes (1969) de Ken Loach no Telecine Cult. Kes é baseado no conto de Barry Hines. Eu sempre reluto em ver filmes com animais porque em geral eles morrem no final. Kes é muito elogiado pela crítica, está na lista dos melhores filmes de muito cineasta, criei coragem e fui ver. É triste, pesado, mas é realmente um filme magnífico, valeu o esforço, mas foi difícil me recuperar depois que terminou.

Billy Casper é nosso protagonista, ele vive uma solidão assustadora. O irmão só o maltrata, a mãe é ausente, está farta dos filhos. Vive como uma mulher solteira. Billy vive sujo, revoltado. Na escola os professores só maltratam, então os alunos fazem sempre o mesmo. Kes é daquela época em que os adultos achavam que a mão firme e a violência educavam e consertavam menores rebeldes. 

A distração do Billy é procurar ninhos na floresta. Ele acha um de um falcão, rouba um livro sobre falcões, ele já tinha sido preso antes pro furto, pega um filhote e começa a amestrá-lo. É linda a relação do Billy com o falcão e imagino o quanto deva ser difícil fazer um filme onde um garoto também precisa ter uma relação de amizade com um animal. Belíssimo filme! Billy é interpretado brilhantemente por David Bradley. Alguns outros do elenco são: Freddie Fletcher, Lynne Perrie, Colin Welland, George Speed, Bernard Atha e Brian Glover.

Beijos,
Pedrita

segunda-feira, 11 de novembro de 2013

Ponyo

Assisti Ponyo (2008) de Hayao Miyazaki no Telecine Cult. Eu adoro as animações desse diretor japonês, são mágicas, cheias de significados, originais, surpreendentes. O roteiro é do próprio diretor. Ponyo é um peixinho dourado que é achado por um garoto. Só que Ponyo tem um rosto de uma menina. Seu pai quer conseguir a menina de volta pelo risco que é saberem desse segredo.

É a sujeira do mar que faz Ponyo entrar em um vidro e o garoto salvá-la. Também é linda a relação do menino com a mãe. Ela trabalha em um asilo de idosos e Sôsuke adora todas as mulheres do asilo. A mãe é carinhosa, compreensiva, é muito bonito tudo o que ela diz para o filho, e é muito engraçada quando fica chateada quando o marido não pode vir para jantar, ele trabalha em um barco. 
A mãe de Ponyo é uma Deusa do Mar. Lembrou muito a nossa Iemanjá, só que a mãe de Ponyo é ruiva. Eu amei essa animação! Me emocionei muitas vezes!


Beijos,
Pedrita