sexta-feira, 1 de agosto de 2008

O Eclipse

Assisti O Eclipse no Teatro Jaraguá. A maravilhosa Jandira Martini interpreta a grande atriz Eleonora Duse, que eu vergonhosamente nunca tinha ouvido falar. Jandira Martini que escreveu o texto magnífico que eu tive o prazer de desfrutar. A direção é do Jô Soares. No palco ainda contracenam com a Jandira, Roney Facchini e Maurício Guilherme. É surpreendente a diferença dos dois personagens. Um é o cozinheiro do hotel e o outro um homem do comércio aficcionado pelo cinematógrafo. É o cozinheiro, o faz tudo do hotel, que Eleonora Duse está hospedada que compreende toda a alma dessa mulher.
Eleonora Duse (1858-1924), foi uma grande atriz italiana. Veio ao Brasil Eleonora Duse duas vezes, na segunda vez em 1907 para se apresentar no Teatro Lírico, no Rio de Janeiro e em São Paulo , no Teatro Santana. Jandira Martini escreveu então um encontro no hotel onde estava hospedada para falar de todos os sentimentos e vida de um artista, toda a incompreensão da arte e do teatro. O texto é magnífico.

Foto de Eleonora Duse

A atriz italiana viveu no mesmo período que a francesa Sarah Benhardt (1844 -1923), que também esteve no Brasil para representar.

Adorei os cenários de João Irênio.

Gostei demais do Teatro Jaraguá. Ele fica no Novotel, onde era o prédio de O Estado de S.Paulo e abrigou por anos o Diário Popular, no centro de São Paulo. Tudo está reformado, bem cuidado e organizado. Com ótimo estacionamento que é também do hotel.


Música do post: Respighi - Pini di Roma (“The Pines of Rome”)(879)



Beijos

Pedrita

quinta-feira, 31 de julho de 2008

Grandes Poetas, Grandes Canções

Fui ao recital Grandes Poetas, Grandes Canções no Sesc Pinheiros. Foi com músicos maravilhosos: a soprano Adélia Issa e o pianista Ricardo Ballestero. Esse repertório é belíssimo. São só composições de grandes poemas brasileiros. Foi no pequeno auditório e estava lotado! Acabei me emocionando muito!

Obra Leitura de Almeida Júnior

Me emocionei muito com Carinho Triste de Machado de Assis, musicado por Alberto Nepomuceno

No arvoredo sussurra o vendaval do outono
Deita as folhas à terra, onde não há florir
E eu contemplo sem pena esse triste abandono
Só eu as vi nascer, vejo-as só eu cair
Como a escura montanha, esguia e pavorosa
Faz, quando o sol descamba, o vale enoitecer
Esta montanha da alma, a tristeza amorosa

Também de ignota sombra enche todo o meu ser
Transforma o frio inverno a água em pedra dura
Mas torna a pedra em água um raio de verão
Vem, ó sol, vem, assume o trono teu na altura
Vê se podes fundir meu triste coração
Na platéia estava a compositora Kilza Setti, responsável por ter musicado um lindo poema de Hilda Hilst, Trova de Muito Amor para um Amado Senhor.
Retrato de Mário de Andrade por Tarsila do Amaral
A dupla ainda interpretou:
De Mário de Andrade
Oscar Lorenzo Fernandez - Toada pra Você
Camargo Guarnieri - Antianti é Tapejara

De Olavio Bilac
Alberto Nepomuceno - Numa Concha

De Ribeiro Couto
Heitor Villa-Lobos - Abril

De Cecília Meireles
Oscar Lorenzo Fernandez - Berceuse da Onda
Lina Pires De Campos - Retrato

De Vinícius de Moraes
Cláudio Santoro - Em Algum Lugar

De Carlos Drummond De Andrade
Francisco Mignone - Quadrilha
Frutuoso Viana - Toada Nº 3
Osvaldo Lacerda - Uma Nota, uma Só Mão

De Manuel Bandeira
Cesar Guerra-Peixe - Vou-me Embora pra Pasárgada
Camargo Guarnieri - O Impossível Carinho
Francisco Mignone - Dona Janaína

Foi uma noite mágica, tudo perfeito e lindo. No bis o público pediu Algum Lugar, poema de Vinícius de Moraes, musicado por Cláudio Santoro. O recital tinha ingressos baratíssimos, R$ 8,00, menos que os ingressos de cinema.
Música do post: Santoro - Paulistana no 1
e



Beijos,

Pedrita

quarta-feira, 30 de julho de 2008

O Ritual da Pedra

Assisti ao filme francês O Ritual da Pedra (2006) de Guillaume Nicloux no Telecine Premium. Tive uma surpresa quando vi esse filme na programação do telecine. Vi que é com as maravilhosas Monica Bellucci e Catherine Deneuve, resolvi assistir. É um suspense, daqueles cheios de mistérios. A trama é fraca, mas eu me emocionei demais com o amor da mãe pelo filho. A Monica Bellucci simplesmente arrasa. A atuação dela é comovente. Catherine Deneuve parece que não se sentiu muito confortável em seu personagem. Como disse, a trama do suspense é bastante tola, o que emociona mesmo é a atuação da Bellucci e a beleza de relacionamento que ela tem com o filho. Acho que a atriz conseguiu se entregar ao lado dramático da sua história e alcançar um resultado emocionante. Seu personagem não tem glamour como normalmente vejo e foi outro aspecto tocante.

Vou falar detalhes do filme: Monica Bellucci interpreta uma mulher que na infância perdeu os seus pais em um acidente e foi para um orfanato. Ela se casa e tenta ter filhos, mas não consegue. Resolve adotar e é apresentada a Liu-San, um asiático que é órfão desde a nascença e já tem uns três anos de idade. O filme passa então uns anos adiante. A relação dos dois é tocante. Eles têm tanta sintonia que até seus sonhos são iguais e na mesma hora. Eles parecem se ouvir pelos pensamentos. A devoção e a luta dela para salvar se filho me emocionou demais.

O menino é uma graça, o ator é Nicolas Thau. Está no elenco também o ótimo Moritz Bleibtreu. Alguns outros do elenco são: Sami Bouajila e Elsa Zylberstein.

Música do post: Benjamin Biolay - Regarder la lumière
Benjamin Biolay é um compositor francês





Beijos, Pedrita

terça-feira, 29 de julho de 2008

Um Refúgio no Passado

Assisti Um Refúgio no Passado (2004) de Brad McGann no Telecine Cult. O filme é uma co-produção entre Nova Zelândia e Inglaterra e é baseado na obra de baseada no livro In My Father’s Den de Maurice Gee. Um fotógrafo de guerra retorna a sua cidade natal para o enterro de seu pai. Acaba ficando um tempo confuso entre suas recordações e vida futura. In My Father’s Den tem uns aspectos interessantes outros nem tanto. É um filme irregular. Até não entendi porque está no Telecine Cult. Em alguns momentos abusa um pouco da tragédia, mas é um bom filme para reflexão, tem aspectos complexos. A cidade é cheia de segredos, há pouco diálogo, muito preconceito, violência doméstica, cegueiras propositais e julgamentos sem provas. A cidade absolve e condena quem quer. Também mostra a juventude com jogos perigosos e violentos, de abuso sexual, meio sem rumo.

O jornalista é interpretado pelo maravilhoso Matthew Macfadyen. A menina que está muito bem por Emily Barclay. Alguns outros do elenco são: Miranda Otto, Colin Moy e Jodie Rimmer.
Gostei bastante da trilha sonora que é bem eclética com Patti Smith, Kiri Te Kanawa, Turin Brakes e Mazzy Star.
Música do post: Patti Smith__Dancing Barefoot



Youtube: In My Father's Den
'Bailero', a chant d'Auvergne by Joseph Canteloube, is sung by Kiri Te Kanawa, accompanied by the English Chamber Orchestra conducted by Jeffrey Tate.

Beijos,
Pedrita

segunda-feira, 28 de julho de 2008

Alfred Hitchcock Apresenta

Assisti Alfred Hitchcock Apresenta (1955) no TCM. Minha irmã comentava na casa da minha mãe a descoberta do TCM. Ela tem um pacote de tv a cabo menor e ficou muito feliz de descobrir essa canal. Fomos lá dar uma olhada e descobrimos essa preciosidade. Vimos dois episódios dessa série que foi realizada para televisão com diretores e autores diversos apresentados pr Alfred Hitchcock, todos com meia hora de duração: The Baby Sitter (1956) e The Gentleman from America (1956). Ambos trazem a direção de Robert Stevens.

The Baby Sitter traz as atrizes que adoramos: Thelma Ritter e Mary Wickes. Como diz o título desse segundo, Thelma Ritter é uma baby sitter. Sua patroa morre e ela começa a ser interrogada. É bem simpático! Esse foi o segundo que vimos e o que gostei mais.
O primeiro, The Gentleman from America, é sobre uma aposta, com John Irving, Ralph Clanton e Biff McGuire.
Música do post: Alfred Hitchcock - Psycho Theme

Beijos,
Pedrita