sábado, 14 de setembro de 2013

A Confissão da Leoa

Terminei de ler A Confissão da Leoa (2012) de Mia Couto da Companhia das Letras. Adoro esse escritor e biólogo, meus tios me presentearam com essa obra. É inspirada em uma história real. Uma aldeia em Moçambique começa a sofrer ataques de leoas. Até resolveram o que fazer, 24 mulheres são mortas. Pronto, outra obra que achei que seria difícil de ler, mas Mia Couto é fascinante. A obra é difícil, mas ele vai muito além da caça as leoas. Não é um livro sobre caça as leoas e sim sobre as relações humanas e principalmente as desumanas, não só com os animais, mas entre os seus pares, os seres humanos (?).

Obra (1987) de Alberto Chissano

Mia Couto relata por dois diários, de uma moradora da aldeia e de um caçador. E nesses olhares, mostra muito dos conflitos das regiões, dos abusos de próprios moradores da aldeia que parecem que matam mais que os leões. Muitas metáforas. É maravilhoso! As leoas parecem muito menos nocivas que os humanos. Há também um alter ego, um escritor, contrário a caça dos leões que vai a contragosto acompanhar a caçada. Mia Couto soube dessa história quando foi fazer uma matéria sobre os ataques das leoas em 2008.

O escultor também é moçambicano.




Beijos,
Pedrita

sexta-feira, 13 de setembro de 2013

A Festa da Menina Morta

Assisti A Festa da Menina Morta (2008) de Mateus Nachtergaele no Prime Box Brazil. Eu relutei muito em ver esse filme. Sabia que era difícil de assistir, sabia que tinha que ver em um dia que estava com coragem. Achei que esse dia tinha chegado. É realmente um filme difícil. A Festa da Menina Morta é sobre um Santinho. Com um raciocínio torto, o povoado de um vilarejo acredita que uma criança de 3 anos seja Santinho só porque um cachorro trouxe um vestido da Menina Morta pra ele.

A Festa da Menina Morta começa com os preparativos para a próxima festa com o Santinho já adulto. Essa família vive do dinheiro dessa adoração insana a esse rapaz. Ele é bem afeminado, agressivo, maltrata a tudo e a todos. Daniel Oliveira arrasa. Ele sustenta com a fé do povo o seu pai alcoolatra e promíscuo. O pai é interpretado por Jackson Antunes que se relaciona com qualquer mulher do vilarejo e com seu filho.

A Festa da Menina Morta mostra essa insanidade de um povo inculto, sem ter outra festa e outra atividade cultural, segue por crendices. Mesmo aqueles que não acreditam, como o irmão da Menina Morta, ele se sente coagido a pedir a benção e levar o Santinho na procissão. Parece não haver escapatória para esse povoado. Esse irmão é interpretado por Juliano Cazarré. Outra personagem é interpretada por Dira Paes. Cássia Kiss e Paulo José fazem participações. As filmagens foram realizadas no município de Barcelos no Amazonas.

Beijos,
Pedrita

quinta-feira, 12 de setembro de 2013

Trilha

Assisti ao recital do Trilha nos Concertos Schlochauer na Fellowship Community Church. O grupo traz a Regina Schlochauer no cravo e no piano, a Lourdes Batista de Carvalho na flauta e o Fabio Pellegatti no violoncelo. Todos os três são incríveis, eu amo esses instrumentos, cravo, flauta e violoncelo e o repertório foi belíssimo. Gostei muito das primeiras obras, a Sonata para flauta em Dó Maior BMV 1033 de Bach e o Trio em sol menor opus 63 para flauta, violino e violoncelo de Carl Maria von Weber. Tocaram ainda Romance de Fauré. Nesse o piano fez a parte do violino. O grupo mesclou obras mais elaboradas com outras mais conhecidas. Nas mais conhecidas interpretaram obras da ópera Carmem de Bizet, da ópera Sadko de Rimsky-Korsakov e finalizaram com Lua Branca e O Corta Jaca da Chiquinha Gonzaga. Foi um recital belíssimo e gratuito. As apresentações dos Concertos Schlochauer continuam com outros grupos todo o domingo de setembro e de graça.
A flautista do último vídeo não é a desse recital.  
Beijos,
Pedrita

quarta-feira, 11 de setembro de 2013

Cinejornal

Assisti ao Cinejornal no Canal Brasil. A apresentação é da Simone Zuccolotto. Alguns amigos blogueiros tem me perguntado como fico sabendo tão antecipadamente dos filmes que estão sendo realizados. São vários programas, muitas entrevistas principalmente no Canal Brasil. Há vários programas que falam de cultura, mas em geral é o Canal Brasil que fala mais antecipadamente. A maioria fala mais perto do lançamento do filme. O Canal Brasil fala às vezes até mesmo quando o elenco começa a ser escolhido.

Neste Simone Zuccolotto falou da estreia do filme A Casa da Mãe Joana 2 e de A Coleção Invisível. Esse último eu quero muito ver e tenho acompanhado várias matérias. É um drama com Vladimir Britcha e é o último trabalho do maravilhoso Walmor Chagas. O Cinejornal falou dos vencedores do Festival de Curtas, fiquei com vontade de ver alguns. 


A apresentadora também entrevistou o Affonso BeatoDiretor de Fotografia do filme O Tempo e o Vento que em breve será lançado. Adorei essa entrevista. Essa bela fotografia com ele é da página do filme no facebook. Affonso Beato é brasileiro, foi diretor de fotografia de vários filmes e tem uma carreira internacional incrível também. Ele falou do seu trabalho com Glauber Rocha no filme O Dragão da Maldade Contra o Santo Guerreiro. Dos seus trabalhos com Almodóvar como o maravilhoso Carne Trêmula, é um dos meus preferidos do diretor e me surpreendi que também é um dos preferidos dele. E realmente, a fotografia de Carne Trêmula é surpreendente.  Ele também foi o Diretor de Fotografia do maravilhoso Água Negra de Walter Salles, eu amo esse filme e volte e meia revejo. Chegaram a mostrar umas cenas do filme, mas pelo jeito na edição da entrevista não entrou. Realmente a fotografia de Água Negra é maravilhosa. Affonso Beato falou da técnica que foi usada no filme O Tempo e o Vento. Eu adorei o programa. No próximo sábado estão anunciando uma entrevista com a Leandra Leal que adoro, espero conseguir ver.

O vídeo é com uma outra entrevista de outro programa do Cinejornal, onde Selton Mello fala de O Palhaço em fase de finalização. É uma entrevista incrível, onde ele fala de vários assuntos, inclusive sobre bilheteria.

Beijos,
Pedrita

terça-feira, 10 de setembro de 2013

Solilóquios de Shakespeare

Assisti a peça Solilóquios de Shakespeare no Teatro Maria Della Costa. Aquele projeto do filme que comentei aqui se transformou em peça de teatro. A direção é de Hermano Leitão. São vários monólogos de Shakespeare interpretados pelos atores: Claudiane Carvalho, Gabriel Monteiro, Hermano Leitão, Rogério Favoretto, Rodrigo Medeiros, Viviane Esteves, Wallace Becker, Rudy Serrati, Luana Martins, e Jally Ferrari. Na peça, vários narradores antecipam o trecho de qual obra vamos assistir. Shakespeare é sempre fascinante. 
Na foto Rodrigo Medeiros.


O texto do judeu falando da igualdade entre os homens, por sofrer preconceito, é muito atual. Belíssimo poema de Shakespeare. Ótimas interpretações, belo espetáculo. Solilóquios de Shakespeare fica em cartaz até 29 de novembro.

Na foto: Rogério Favoretto.

As fotos são de André Quintino

Beijos,
Pedrita

segunda-feira, 9 de setembro de 2013

Casas do Brasil - Habitação Ribeirinha da Amazônia

Fui a exposição Casas do Brasil Habitação Ribeirinha da Amazônia no Museu da Casa Brasileira. O espaço promove o projeto Casas do Brasil desde 2006. E essa mostra traz dois tipos de habitações ribeirinhas da Amazônia, as de palafitas e as casas flutuantes. Há fotos externas, internas, são lindas as casas e as decorações internas. Tudo muito colorido, principalmente a pintura das paredes de algumas casas. Há ainda maquetes dos modelos das casas e vi crianças fascinadas.

A curadoria é da geógrafa Sandra Lencioni e da socióloga Maria Ruth Amaral de Sampaio, as fotos de Eduardo Girão. As casas ficam na região de Nhamundá, há um mapa e vemos que é lá em cima do Brasil. Seus habitantes são na maioria de índios aculturados. Inicialmente foi povoada por retirantes da seca em 1800. Atualmente vem pessoas de várias regiões, estimulados pelos programas de apoio na região Amazônica. Há vários textos explicativos. A mostra Casas do Brasil - Habitação Ribeirinha da Amazônia fica até 15 de setembro e a visitação é gratuita.



Beijos,
Pedrita

domingo, 8 de setembro de 2013

Intocáveis

Assisti Intocáveis (2011) de Olivier Nakache e Eric Toledano no Telecine Premium. Eu tinha visto um trailer nos cinemas e queria muito ver. Só consegui agora que estreou na tv a cabo. É lindo demais! François Cluzet interpreta um tetraplégico que contrata um desajeitado ajudante interpretado por Omar Sy. Os dois arrasam. Esse rico homem contrata esse inexperiente porque ele não tinha pena das limitações do outro. Nem queria o emprego.

Muito politicamente incorreto, esse cuidador faz o seu paciente sempre ultrapassar os seus próprios limites. Ele não aceita o carro adaptado, leva em um carrão de luxo. Eles se divertem, agem. A família do ricaço fica preocupada. Intocáveis é baseada em uma história real. No final aparece o paciente e o cuidador, não é um negro enorme como no filme. Alguns outros do elenco são: Anne Le Ny, Audrey Fleurot e Absa Diatou Toure. Omar Sy ganhou César de Melhor Ator.

Beijos,
Pedrita