domingo, 3 de agosto de 2014

Meu Pedacinho de Chão

Assisti a novela Meu Pedacinho de Chão (2014) na TV Globo. Benedito Ruy Barbosa escreveu uma novela parecida em 1971 na TV Cultura, mas resolveu escrever outra com alguns elementos da anterior. A direção mágica ficou com Luiz Fernando Carvalho, entre os meus diretores preferidos. Que encantamento, que beleza, vou sentir muita falta desse mundo encantado.

Foi tudo lindo demais, sem ser esquemático, a novela falou de muitas questões importantes, valorizou a figura do professor, falou dos maus salários para professores e médicos, da precariedade nos sistemas de saúde. Mas encantou com a magia dos sentimentos. Aparentemente simples nos romances, foi bem a fundo na discussão da divisão de classes, na exploração entre patrões e empregados, falou de política, de analfabetismo. Começa com a professora Juliana chegando na cidade e o prefeito se aproveitando da situação para angariar votos. Três homens ficam encantados com ela. Parece que inicialmente a previsão é que a professora ia se encantar mesmo com o engenheiro agrônomo, e ela e ele seriam os protagonistas. Mas Irandhir Santos encantou o público com o Zelão e começou a ser o favorito nas redes sociais, nas enquetes. Eu e minha mãe torcíamos muito pelos dois. A Juliana foi interpretada lindamente por Bruna Linzmeyer. O interesse em fazer tudo mágico e que parecesse o mais real possível, fez com que a equipe decidisse pintar o cabelo da Bruna Linzmeyer de cor-de-rosa.
Outro casal que arrebatou a preferência do público foi a da Gina com o engenheiro agrônomo. Eu adoro esse ator, Johnny Massaro, e como ficou lindo com a caracterização do personagem. Paula Barbosa que fez uma Gina e encantou tanto conseguindo vencer a resistência do público já que ela é neta do autor. Como é linda. A personagem teve uma bela transformação e nas entrevistas adorava que muitos ainda a queriam como era no começo.

A novela teve poucos meses e poucos capítulos. O elenco foi pequeno e encantador. As crianças surpreendiam com a naturalidade das interpretações. Serelepe foi interpretado por um ator de circo, Tomás Sampaio. Uma princesa a atriz que fez a Pituca, Geytsa Garcia. Adorava também o Tuim, intepretado por Kauê Ribeiro de Sousa. Serelepe era uma criança sem pais, que vivia livre. Gostei muito que a família o adotou no final e da discussão sobre agregados e adotados. Ainda é muito comum achar famílias que tratam agregados como se fosse da família, dão tudo o que o filho legítimo tem, a mesma escola, mas qualquer problema esquecem a frase como se fosse da família e descartam a criança. Ou o que muito acontece ainda, após perder a delicadeza da criança, começar a ter atividades na fazenda ou na casa, sem tratado como empregado, mas dificilmente receber corretamente como um empregado. E passar de membro da família como funcionário. Serelepe percebe essa artimanha, foge, e acaba sendo adotado legalmente.

Juliana Paes arrasou como a Catarina. Osmar Prado também estava ótimo como o Coronel Epa. Todos os figurinos eram encantadores, misturavam objetos, plásticos. Os animais eram todos de plástico e se mexiam, uma graça as galinhas, as vaquinhas. Os figurinos da Catarina e suas inúmeros perucas eram mágicos. Ela tinha até uma peruca para ir dormir, mais próxima do cabelo natural. Os cenários também pareciam casinhas de bonecas. Muitas vezes tão pequenos que os atores precisavam se abaixar para passar nas portas. Tudo lindo demais.

Eram muitos atores que adorava. Surgiram novos atores, Cintia Dicker que intepretou a linda Milita, Gabriel Sater, filho do Almir Sater que intepretou o Viramundo. Em uma enquete foi eleito o ator mais bonito de Meu Pedacinho de Chão. Ele cantava modas de viola. Os clipes eram lindos. Todos os atores cantavam um trecho, cada um em um cenário mágico. Adorava esses momentos de canções. Letícia Almeida fez a intempestiva Rosinha, que moça bonita.

Adorava ainda o Rodapé, com um ator que adoro, o Flávio Bauraqui: "Trabalhei, mais do que pude". A Amância, Dani Ornellas, Izidoro, Raul Barreto, o Padre Santo, outro ator que adoro, Emiliano Queiroz, "Está fica muito bem" e a Dona Tê, Inez Peixoto. Foi a estreia em novelas do Bruno Fagundes, que interpretou um médico recém-formado, a história dele não desenvolveu muito bem. Muito irreal um posto de saúde sem pacientes. Sempre em fazendas há machucados que precisam de pontos, logo inclusive ele tratou de sarampo, mas ninguém aparecia. Gostei demais que estava no elenco a atriz de O Palhaço, Teuda Bara, em um lindo personagem, uma simpática parteira e benzedeira, que ajuda todos na cidade.
Alguns outros atores conhecidos estavam no elenco: Antonio Fagundes, Rodrigo Lombardi e Ricardo Blat. Antes mesmo do Ministério Público se incomodar com as bebidas de Meu Pedacinho de Chão eu já me incomodava com o excesso de álcool e com a exposição constante de armas. A novela focava muito o público infantil, realmente não precisava tanta bebida, mas acho que bastava o Ministério Público orientar.



Beijos,
Pedrita

15 comentários:

  1. Queria ter assistido, mas não faltará oportunidade, com DVD, reprises, etc.

    ResponderExcluir
  2. Pedrita, eu assisti ao último capítulo somente no sábado. Fiquei emocionada. Foi lindo! Acho que foi uma novela muito importante para a Juliana Paes, pela primeira vez ela se libertou do papel de gostosa da vez. Fez uma personagem cômica deliciosa e muito diferente de tudo que já tinha feito. A Bruna foi um encatamento só como a professorinha Juliana. Que delicadeza e profundidade na interpretação! Zelão também! Acho que todos os atores estavam bem, até o Rodrigo Lombardi, que demorou para encontrar o tom do personagem, mas conseguiu sair do tom caricato.

    Os cenários da novela também foram encantadores. Enfim, novela perfeita! E adorei que foi uma novela com poucos personagens. Hoje em dia há gente demais nas novelas.

    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. patry, não queria perder na sexta de jeito nenhum. q bom q consegui. concordo, a juliana paes fez um personagem muito diferente dos anteriores. eu não amava os personagens do rodrigo lombardi e antonio fagundes. tb gosto de novelas curtas e com poucos personagens.

      Excluir
  3. Ola Pedrita,parabéns por ter lembrado e ter feito esta bela postagem.Que bom estares presente no dia do retorno........Adorei. Beijos SU

    ResponderExcluir
  4. Amei essa novela, Pedrita. Vi um encantamento, como as histórias que que li e imaginava na infância.
    Casa de boneca. cidade de bonecas.
    Tudo lindo, muito lindo.
    O Rodapé, ator que não conhecia, me fazia rir.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. liliane, tb adorava aquele mundo mágico. adoro o ator que fez o rodapé. tem vários posts com ele aqui no blog, com vários filmes que adorei http://mataharie007.blogspot.com.br/search/label/Fl%C3%A1vio%20Bauraqui

      Excluir
  5. Oi, Pedrita,

    Tanta gente já elogiou esta novela que eu já tinha decidido vê-la. Agora é procurar os vídeos ou DVDs da obra, rsrs.

    Beijo

    ResponderExcluir
  6. Muita gente gostou da novela, mas eu não curti
    big beijos

    ResponderExcluir
  7. Eu não consegui acompanhar por causa do horário, mas vi boa parte do último capítulo e achei bem fofo e inteligente - combinação difícil! O figurino era lindo e o cabelo rosa da Bruna m deu vontade de comer algodão doce!!!
    Beijo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lê, era bem bonita mesmo. é o melhor horário pra mim.

      Excluir
  8. pena que eu só vi os últimos capítulos, é um horário ruim pra mim, mas tb gostei mundo desse mundo encantado! Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. anamaria, pra mim é o horário ideal. foi linda mesmo.

      Excluir

Bons comentários!