terça-feira, 1 de julho de 2014

Adeus, Minha Rainha

Assisti Adeus, Minha Rainha (2011) de Benôit Jacquot no Max. Vi pelo controle remoto que o próximo filme era de época, resolvi ver. Gostei muito. É sobre aquele período conturbado do reinado francês, um pouco antes da Queda da Bastilha e da decapitação da Maria Antonieta e do Rei, mas pela ótica dos empregados. Começa com uma que lia para a rainha. Cada um tinha uma função. São muito empregados e moravam muitos nobres.

Adeus, Minha Rainha é baseado no livro de Chantal Thomas que insinua que a rainha estava apaixonada por uma condessa. Era comum na época afetividades entre pessoas do mesmo sexo, mesmo que fosse só amizade, difícil saber até onde a amizade seguiu. Apesar do filme falar um pouco dessa relação, o forte do filme é a relação dos empregados naquele contexto. A protagonista é a que lê, ela não quer que a rainha saiba que ela borda, porque não quer se tornar bordadeira da rainha. Fiquei fascinada pelo livro dos bordados. Pelos corredores nobres e empregados se informam sobre tudo, sabem tudo, cochicham sobre tudo. Para conseguir informações de nobres oferecem regalias que conseguem. Trocam serviços. Gostei demais de como é realizado todo o bastidor das relações do reino. A direção de arte e a reconstituição de época é sublime.

As três atrizes principais são lindas e talentosas. Maria Antonieta é interpretada por Diane Kruger. A leitora por Léa Seydoux. A condessa por Virginie Ledoyen. O rei por Xavier Beauvois. O elenco é muito extenso: Noémie Lvovsky, Michel Robin, Julie-Marie Parmentier e Anne Benôit. Adeus, Minha Rainha ganhou César de Melhor Fotografia, Melhor Figurino, Melhor Atriz para Léa Seydoux, Melhor Adaptação e Melhor Trilha Sonora. Merecidíssimo todos.
Vou colocar um link onde estão os posts da biografia da Maria Antonieta que li e do filme da Sofia Coppola.

Beijos,
Pedrita

21 comentários:

  1. Eu vi esse filme no CCBB, eu estava gostando muito até o final. Não gosto muito quando o filme acaba de repente sem que a gente saiba ao certo o que aconteceu aos personagens.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. no final há uma narração onde a moça diz q era órfã. foi leitora da rainha. mas depois voltou ao anonimato.

      Excluir
  2. aproposito, gostei muito deste tom de vermelho.

    ResponderExcluir
  3. Puxa! eu amo esse tipo de filme. Mas não tenho TV! Eu li Maria Antonieta escrito por Stefan Zweig e gostei muitíssimo. Tem também um livro do antropólogo Norberto Elias que fala sobre os costumes da corte e toda a nobreza que vivia como parasita dentro nos castelos dos monarcas.
    Te respondi no post recente....la no blog.....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. fatima, quero ler a biografia pelo zweig. e esse do norberto.

      Excluir
  4. Oi, Pedrita!
    Esse filme promete. Além do contexto, gosto dos figurinos de época.
    big beijos

    ResponderExcluir
  5. Oi, Pedrita,

    Eu estava querendo ver este filme! Espero que ele seja reapresentado, pois gosto muito do assunto.

    Beijo

    ResponderExcluir
  6. Deve ser muito bom esse filme!!! Li que Maria Antonieta não passava de uma garota solitaria. E tem toda aquela presença na historia:os brioches.... Bjoss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. camille, eu gostei muito da biografia da maria antonieta. acho q ela foi muito mais visada pq era linda.

      Excluir
  7. Pedrita tu me induziustes a ler o Stefan Zweig, e acabei descobrindo um ensaio dele maravilhoso sobre o escritor francês Marcel Proust. Refiz o post sobre O Livro Negro, do Orhan Pamuk la no blog e te respondi sobre o Ian McEwnan... bjs.

    ResponderExcluir
  8. adorei a dica.
    Meninas tem um mega sorteio no blog,espero por vocês.Veja como participar no blog.
    http://luana-make.blogspot.com.br/2014/06/sorteio-fashion.html

    ResponderExcluir
  9. eu li a biografia da M. Antonieta e n queria mata-la nunca n deixava nunca q ela morresse acredita??? rs até q terminei o livro...amo essas coisas de época...bjo http://anaherminiapaulino.blog.uol.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. aninha, difícil pensar em uma revolução francesa que tinha os 3 pilares, igualdade, fraternidade e liberdade, mas q decapitou tanta gente.

      Excluir
  10. Não conhecia o filme, mas me interessei. Tentarei assistir.
    Sempre excelentes dicas por aqui.

    M&N | Desbrava(dores) de livros - Participe do nosso top comentarista de julho

    ResponderExcluir
  11. Eu também vi e gostei muito do filme! A Diane Kruger é linda, e não sabia que ela falava francês. Até achei que o filme foi muito curto, fiquei com vontade de ver a história se desenrolar mais a fundo.
    Beijo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. lê, eu tb não sabia que essa atriz falava francês. ah, eu gostei do time. é aquele momento.

      Excluir
  12. Vi o filme da Sofia Coppola e achei maravilhoso. Melhor que a biografia que li da Maria Antonieta.
    O filme, para mim, continua maravilhoso.
    Esse não vi.
    As vezes procuro pelo controle remoto e vejo filmes que já estão pelo caminho. As vezes assisto assim mesmo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. liliane, eu só vejo antes de começar. se já passou uma letra q for, um minuto q for, não assisto.

      Excluir

Bons comentários!