quinta-feira, 26 de fevereiro de 2009

O Sacrifício

Assisti O Sacrifício (1986) de Andrei Tarkovski em DVD na casa da minha vizinha. Há anos quero ver esse filme. Sempre me fascinava uma capa de vídeo que conhecia com a árvore seca. É uma co-produção entre Suécia, Inglaterra e França. É um filme com vários olhares, que permite vários olhares, surpreendente. O que é verdade, o que é sonho, o que é ilusão. No início nosso protagonista planta uma árvore seca, a câmera está distante, não vemos o rosto do nosso personagem, só um campo extenso e ele plantando a árvore seca. Ele chama seu filho, que demora a aparecer no enquadramento. Uma menino pequeno, esse da foto do pôster. O pai fala de uma história, de uma árvore seca que precisa ser regada todos os dias para voltar a vida. E pede para o filho jurar que vai regar para sempre aquela árvore seca. Aparece então um homem em uma bicicleta pra entregar uma correspondência e eles começam a andar conversando e a câmera acompanha no mesmo take, por bastante tempo.

Depois ficamos sabendo que é aniversário desse homem. Há um aviso no rádio que ogivas poderão ser detonadas a qualquer momento. Que não há lugar seguro na Europa. Há questões estranhas, complexas, textos maravilhosos e uma infinidade de possibilidades, delírios. O que é realidade, o que é ilusão, o que é medo. Absolutamente maravilhoso! O Sacrifício também fala muito de arte e religião. É o último filme do Andrei Tarkovski. Na câmera está o filho do Bergman, Daniel.
No elenco estão: Erland Josephson, Susan Fleetwood, Allan Edwall, Guðrún Gísladóttir, Sven Wollter, Valérie Mairesse e Filippa Franzén.
O Sacrifício ganhou Bafta de Melhor Filme. E foi vencedor do Prêmio Especial do Júri e da Crítica no Festival de Cannes. A música de Johann Sebastian Bach é maravilhosa!
Youtube: Andrei Tarkovsky / The Sacrifice (Offret) / Trailer



Beijos,

Pedrita

6 comentários:

  1. Amo o cinema de Tarkóvski (gostei bastante desse filme) e senti firmeza crítica em seu comentário. Um beijo.

    ResponderExcluir
  2. Oi pedrita, parabéns pelo post ... Não somente pela forma com que trata Tarkovski, mas na observação feita sobe "O Sacrifício". A desilução do protagonista até o findar do filme começa a ser percebida (a meu ver) quando seu filho em brincadeira, pula sobre o mesmo e este o empurra, fazendo-o se machucar, ao que ele se pergunta: Deus o que está acontecendo comigo ...
    Como se trata aqui de um comentário, e não de uma dissertação; vou me limitar a fazer uma consideração breve também sobre "Stalker" e a seu tempo quem sabe, sobre "Solaris", "Nosthalgia" etcs.
    Em Stalker o que se procura na chamada pelo protagonista da "zona proibida" ? Particularmente é um mistério, ou seria a própria existência ! Em "Andrei Rubliov" temos um profundo tratamento artístico ( tanto visual como narrativo) por parte de Tarkovski ao tratar de questões existenciais. Inclusive foi lançado o livro "Andrei Rubliov - roteiro literário" pela Martins Editora. Retornando ao filme "O Sacrifício" agora em momento mais "leve", adoraria ganhar de presente o mapa que Otto deu a Alexander. BRAVO !!! belissimo post.

    bjs, bom final de semana.
    Marcos

    ResponderExcluir
  3. Olá, tudo bem? Ainda pretendo assistir Quem Quer Ser Um Milionário?.. Vivemos a era da Índia no Brasil e não posso perder essa hehe.. Bjs, Fabio www.fabiotv.zip.net

    ResponderExcluir
  4. moacy, obrigada

    marco, obrigada, tb tenho gostado muito de tarkovski. é verdd, esse momento que ele machuca o filho é muito forte. e tb no final qd o menino faz a pergunta sobre a frase bíblica.

    ResponderExcluir
  5. Assiti esse filme há uns 20 anos. Gostaria de rever. Os filmes de Tarkovski são sempre cheios de questionamentos e metáforas. Diria que não são filmes para um simples lazer.
    Denise

    ResponderExcluir

Bons comentários!