domingo, 1 de março de 2015

Homens são de Marte e é pra lá que eu vou

Assisti Homens são de Marte e é pra lá que eu vou (2014) de Marcus Baldini no Telecine Premium. Eu não tinha muita vontade de ver esse filme, até que alguém comentou comigo que funciona. Realmente é bonitinho, bem editado, com ótimo elenco, com texto um pouco conservador. A protagonista é uma mulher imatura afetivamente, há mulheres imaturas até na terceira idade, mas o fato da protagonista ter 39 anos e ser tão infantil afetivamente, me incomoda. Homens são de Marte e é pra lá que eu vou é fruto de uma peça muito bem sucedida que ficou 9 anos em cartaz com a Mônica Martelli. Talvez na peça a protagonista fosse mais jovem.

A protagonista que faz tudo para ter um relacionamento estável e casar.  Ela é uma mulher muito bem sucedida profissionalmente, realiza festas de casamento, mas é desesperada pra casar, carente e infantil. Ela acredita em qualquer mentira que os homens lhe fazem, nem percebe que alguns só querem uma noite. Estranhei ela dormir com os homens que só queriam diversão. Homens que só querem transar tratam logo de ir embora ou despachar a mulher, de forma carinhosa e sedutora, mas eles se livram logo do compromisso de dormir que já pode caracterizar um romance.

O segundo, interpretado por Humberto Martins, eu acho que queria algo mais sério, talvez até tivesse assumido um compromisso, casar ou mesmo morar junto. A questão é que o personagem é um  aventureiro, adora ação, não para quieto e muito provavelmente adepto do relacionamento aberto e viver aventuras sexuais em grupo. A mulher pode querer ou não, mas eu acho que ele estava realmente gostando dela.

Adorei que o ator Peter Ketnath de Cinema, Aspirinas e Urubus está no elenco. O terceiro também estava feliz com o "casamento" que eles tinham. Esse personagem é o mais artificial. Em geral um amor e uma cabana, o banheiro é um buraco na terra e não no rio onde eles pescam o peixe. Muito irreal. Eles não lavaram as roupas, tudo era bonitinho e limpinho demais. Meio fake. Como toda mulher imatura, que busca algo irreal, ela faz tudo o que o homem quer. Abandona sua personalidade para agradar e fatalmente não dá certo. Mas não é o fato dela transar na primeira vez que caracteriza não dar certo, muito machista essa concepção. O filme tenta dar outra conotação, mas todo o discurso sempre leva por esse ser o erro. É bem mais complexo. São as ações continuadas dela e a visão romanceada dela, querendo um príncipe e não aceitando o homem como ele é que fazem as relações desandarem, não o fato dela transar na primeira vez.

O elenco é extenso. Os parceiros de trabalho e amizade são interpretados por Paulo Gustavo e Daniele Valente. Muitos grandes atores fazem participações: Eduardo Moscovis, Marcos Palmeira, Irene Ravache, Herson Capri, Milhem Cortaz, Ana Lúcia Torre, Cláudia Missura, Nathalia Rodrigues e Otávio Martins. Alguns outros do elenco são: José Loreto e Alejandro Claveaux. Lulu Santos também aparece como ele mesmo no filme.

Beijos,
Pedrita

8 comentários:

  1. Vi inúmeras vezes na grade do Telecine, mas nunca assistir. Deve ser divertido, mas não consigo sentar pra ver.

    ResponderExcluir
  2. Olá Pedrita,
    Gostaria de ter visto esse filme, acho a Monica Martelli engraçada.
    Ela tb participou do filme do Paulo Gustavo: Minha mãe é uma peça.
    Big Beijos
    Lulu on the Sky

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. lulu, a monica martelli é engraçada mesmo. comecei a ver minha mãe é uma peça, e larguei no início depois do exagero de piadas preconceituosas com um personagem só que não era a mãe.

      Excluir
  3. Eu também assisti o filme nesse final de semana, adorei! Ri muito. E olha, o que eu conheço de mulheres acima de 40 que são desesperadas para casar e são exatamente como essa protagonista! Então, o filme não é tão fake assim. É bem real! rsrs...
    Beijos
    Adriana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. adriana, por sorte não tenho nenhuma amiga nesse perfil.

      Excluir
  4. Eu vi e não gostei.
    Achei tão bobo.
    A gente pode até ficar ansiosa pra ter um relacionamento. Mas ficar desesperada daquele jeito, parece irreal.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. liliane, é divertido, mas não chega a ser maravilhoso. acho doente ficar atrás de um casamento daquele jeito. as mulheres lutaram muito para ficar escravas de cirurgias e maridos.

      Excluir

Bons comentários!