terça-feira, 17 de março de 2015

Quase um Século - Imagens da Memória

Terminei de ler Quase um Século - Imagens da Memória (2015) de Rodolfo Nanni da Akron. Eu conhecia um pouco desse cineasta, mas a sensação é que descobri que conhecia pouco demais. É fantástico. Rodolfo Nanni é primo de Victor Brecheret. Teve paixão inicial pela pintura, quando estudou com Anita Malfatti e fez um retrato dela. As artes plásticas o levaram a Europa, mas foi o cinema que acabou prevalecendo.

Rodolfo Nanni acabou despertando o desejo de fazer documentários para falar através do cinema do que o afligia, o que via. Fez em 1959 o documentário O Drama das Secas, muito triste na biografia ele contar como o material bruto se perdeu. 50 anos depois ele resolveu percorrer o mesmo caminho para ver como a região estava e fez o documentário O Retorno que falei aqui.

Rodolfo Nanni foi o diretor do primeiro filme infantil brasileiro, O Saci, que comentei aqui. Rodolfo Nanni foi muito próximo de outro grande diretor de cinema brasileiro, Walter Hugo Khouri, entre os meus diretores preferidos. A casa que viveu Rodolfo Nanni na rua Oscar Freire serviu de locação para o filme As Amorosas de Walter Hugo Khouri, eu não vi esse filme e quero muito ver. Foi nesse filme que Rodolfo Nanni conheceu Lilian Lemmertz e a convidou para estrelar  Cordélia, Cordélia (1971) com participação da Júlia Lemmertz, quero muito ver esse filme e os outros documentários que realizou. 

Obra Casario Parisiense (1949) de Rodolfo Nanni

O livro fala das viagens, da dificuldade de fazer cinema no Brasil. Rodolfo Nanni também conta de sua vida pessoal, de seu filho Pedro Nanni que seguiu para o cinema. Da sua segunda esposa, Anna Maria Kieffer com quem realiza projetos multidisciplinares. Alguns desses projetos comentei aqui. É fascinante ler tantos fatos incríveis, saber de tantas pessoas incríveis que Nanni conheceu, tanto contato com cultura, com pessoas que fazem cultura.

Beijos,
Pedrita

8 comentários:

  1. Não sou muito fã de biografias, mas essa parece que é bem interessante. Não conhecia esse cineasta e nem seus filmes.
    Beijos
    Adriana

    ResponderExcluir
  2. eu adoro biografias!
    eu vi O Saci que ele filmou e adorei.
    agora vou ler a biografia do Trotsky escrita por um jornalista e
    pensador cubano. O livro tem um título genial : O HOMEM QUE AMAVA CACHORROS....que bom que você descobre tantas coisas diferentes...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. fatima, eu tb adorei o saci. quero ler essa biografia do trosky.

      Excluir
  3. Oi, Pedrita,

    Eu gosto de biografias, acho que elas nos informam muito sobre as pessoas e nos ensinam sobre a vida também. O Rodolfo Nanni teve então uma vida rica e interessante, né?
    Por que você não vai querer ver o Para Sempre Alice, menina? rsrs.

    Beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. marly, é incrível conhecer vidas tão ricas de acontecimentos. não é o momento para ver esse filme.

      Excluir
  4. Adoro biografias.
    Tenho muitas aqui. E pouca ainda não li.
    Muitas gostaria de reler. Mas, cadê tempo?
    Nunca tinha escutado falar em Rodolfo Nanni. Interessante, já vi.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. liliane, eu levo os livros onde vou. tb adoro biografias.

      Excluir

Bons comentários!