sexta-feira, 31 de outubro de 2008

O Ataúde do Morto-Vivo

Assisti ao filme inglês O Ataúde do Morto-Vivo (1969) de Gordon Hessler no Telecine Cult, baseado na obra de Edgar Allan Poe. Era uma noite sem opções e eu não estava muito afim de ver esse filme. Gostei, mas a base do tema é bastante preconceituoso. O filme até conserta um pouco mais pra frente, mas é um remendo mal feito. Começa em uma tribo africana, onde nativos fazem uma cerimônia "selvagem". Me incomodaram as frases sobre a África e o estigma de que os negros são selvagens e só fazem magia negra. Vem o letreiro e aí o filme vai para outro país, o "civilizado". São daqueles filmes com baixos orçamentos, poucos cenários e quase nenhum figurino. O diretor tenta inovar fazendo um recurso de câmera onde nós somos o homem olhando o que fazem com ele. Até é interessante, mas as interpretações são sofríveis.
Me diverti com as cenas externas. São poucas, mas há algumas. Nosso protagonista, o divertido Vincent Price, que já tocava piano nesse filme antes de Mr. Phibes, passeia em dias diferentes com sua amada. Quase todas as cenas são à noite, mas como a jovem "donzela" é bela, as cenas são filmadas a luz do dia para contrapor com todo o horror do filme. Então nos praticamente três dias que filmam o casal andando nos "campos", ela está com o mesmo casaco e o mesmo vestido. Idem o protagonista e todos os outros do elenco. Todo mundo usa no filme todo o mesmo figurino. Muito divertido!

Fiquei curiosa em saber porque quase todo o elenco masculino é de meia-idade. Fiquei pensando se teria a ver com o baixo orçamento. Pegar atores afastados que cobram cachês mais baixos. O engraçado é que apesar de estarem na meia-idade as moças são sempre atrizes jovens e belas que se casam com esses homens de meia idade. Mais um preconceito do filme. Como vocês vêem na foto, Christopher Lee está no elenco. Ele e o Vincent Price são os únicos atores conhecidos. Todos os outros são bem desconhecidos: Alister Williamson, Rupert Davies, Harry Baird e Peter Arne. São bem bonitas as jovens atrizes: Uta Levka, Sally Geeson e Hilary Heath.

Beijos,

Pedrita

7 comentários:

  1. Às vezes me pego rindo dos erros que encontro nos filmes hehehehe.
    A sua bonequinha está o máximo hoje! Ela já tem namorado? hehehehehe...

    ResponderExcluir
  2. Olá Pedrita!
    Ficámos mesmo curiosos àcerca deste filme, até fomos ao imbd saber mais sobre o cineasta:)
    Conhecemos os filmes do Roger Corman baseados em livros do Edgar Alam Poe, mas este é para nós uma novidade.
    Vincent Price é um exelente actor muito pouco esquecido já que passouuma vida a navegar no género de terror. Mas aqui fica uma recomendação de um filme fabuloso com ele: "Laura" de Otto Preminger em que ele nos oferece uma prsonagem digna de nota máxima. E claro há semre aquele filme a brincar com o ´terror, intitulado "O Gato Miou Três Vezes" do Jacques Tourneur uma verdaeira enciclopédia do género.
    Beijinhos e bom fim-de-semana.
    Paula e Rui Lima

    ResponderExcluir
  3. Boa Tarde Pedrita e obrigada pela visita!!!

    Acredito que você vai apreciar muito...
    Já puxei pela NET para poder ver o início e o final, meu Anjo não aguentou algumas cenas - engraçado... para filmes de ações eles são tão fortes, mas quando é algo que "as máscaras" da sociedade vai se "derretendo" - aí o assunto muda de figura - já percebi que filmes intimistas não será muito viável para nossa programação..
    Segunda tem Promoção no Cinemark para Filmes Nacionais..
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  4. Price foi um dos "ex-libris" do cinema de terror, como Boris Karloff antes, e Peter Cushing ou Christopher Lee depois.

    E foi pena ter-se dedicado em exclusivo a este género, porque era um excelente actor que poderia ter tido êxito igual em outros tipos de filmes.

    ResponderExcluir
  5. Eu acho que já vi esse filme...

    Bom fim de semana

    ResponderExcluir
  6. Li a sinopse no site do Telecine e me interessei, só que ainda não consegui assistir.

    Eu também não gostei de The King, tive que fazer um esforço para ver até o fim. Achei estranho tantos elogios para esse filme.

    ResponderExcluir
  7. aqueta, tb me divirto. a protagonista aparecia com um vestido parecido.

    paula e rui, a direção não é o melhor desse filme, talvez por isso vincent price não estivesse em sua melhor forma. eu adorei laura. o outro anotei.

    roseli, não devo conseguir ir ao cinema na segunda.

    ana maria, the king me pareceu uma farsa. há erros enormes, como uma cidade pequena não reparar que o moço saía constantemente com a menina. e não avisar o pai, que era o líder religioso da cidade. irreal.

    ResponderExcluir

Bons comentários!