terça-feira, 14 de junho de 2011

As Melhores Coisas do Mundo

Assisti As Melhores Coisas do Mundo (2010) de Laís Bodansky no Telecine Pipoca. Eu tinha uma expectativa muito alta desse filme, eu gostei, mas não me identifiquei muito com o roteiro. Esse filme foi amplamente difundido no twitter, gosto demais do trabalho da Laís Bodansky, mas eu me perguntava em que São Paulo e em que colégio esses adolescentes conservadores vivem, não é a mesma cidade que eu. O preconceito desses jovens me assustou. Até porque eles são modernos, os pais deles pareciam modernos, mas as atitudes eram altamente conservadores. Combinaria mais se eles fossem de uma cidade pequena do interior ou de algum colégio religioso.

Também achei algumas tramas meio atropeladas. Os filhos adolescentes, um de 15 e outro de 17, só sabem da separação quando o pai está com as malas na sala. Ninguém conversou com eles antes, achei artificial. E as questões na escola sobre emails com fotos comprometedoras, desenhos, fica tudo muito atropelado. E concordo com o pai dos meninos, o melhor seria mudá-los daquela escola embora um deles já estivesse em fase do vestibular, já que é uma escola omissa e preconceituosa.  Estranhei também que tudo o que falavam do filme é que era para adolescentes, mas eu já vi vários, acho que já existe esse nicho no cinema nacional. Inclusive achei À  Deriva com um foco adolescente bem mais pertinente e realista e vi recentemente 1972 que relata adolescentes na década de 70 que são bem menos conservadores que os de As Melhores Coisas do Mundo. Os meninos são todos ótimos: Francisco Miguez, Fiuk, Maria Eugênia Cortez, Gabriel Illanes e Gabriela Rocha  Entre os adultos também estão ótimos atores: Denise Fraga, Caio Blat,  Paulo Vilhena e Zé Carlos Machado.

Beijos,

Pedrita

7 comentários:

  1. Uma interessante pesquisa sobre adolescentes foi realizada no início dos anos oitenta que me pareceu um retrato bem realista, e que perdura até hoje: 25% de integrados, 25% de conservadores, 20% de liberais, 20% de independentes e apenas 5% de contestadores. Os alunos de faculdades privadas na atualidade tem o universo cabível em shopping centers. A juventude maio de 68 é uma ficção para a literatura e o cinema. Jovens são egoístas como em qualquer faixa etária.

    ResponderExcluir
  2. Até hoje não vi esse filme
    Estou com receio, na verdade o cinema nacional é de dar receio mesmo as vezes.
    Vou repensar.
    bjo

    ResponderExcluir
  3. Embora fora do teor deste post, mas respondendo ao seu comentário informo que algumas das tradições dos festejos do Espírito Santo nos Açores também envolvem cantos acomapanhados de caixas e tambores por grupos designados de foliões e isso tem mais a ver com tradições da idade média do que de áfrica, como já falei aqui:
    http://geocrusoe.blogspot.com/2010/05/espirito-santo-nos-espalhafatos-2010.html

    ResponderExcluir
  4. Olá, tudo bem? Eu assisti ao trailer do filme e não despertou muito interesse... Talvez se eu ganhar o DVD eu assista.. Bjs, Fabio www.fabiotv.zip.net

    ResponderExcluir
  5. Pedrita, apesar do que vc disse fiquei com vontade de ver o filme, acho que infelizmente existem, sim , adolescentes conservadores e isso é tão triste porque se nessa idade já são conservadores o que se pode esperar deles? Tomara que eu esteja errada! Bjs

    ResponderExcluir
  6. enaldo e anamaria, achei o roteiro incoerente. a mãe parece muito moderna em um momento q o filho vê sacanagem. incoerente os filhos serem tão atrasados.

    gammelo e fabio, eu gosto muito do trabalho da laís bodansky, queria muito ver.

    geocrusoe, a influência africana no brasil é muito forte.

    ResponderExcluir
  7. Pedrita,
    isso pode ser dificil de engolir, mas não so nos interires que a conservação se mantem acirrada. o povo brasileiro desde a classe A ate a Z é extremamente conservador e critico!

    ResponderExcluir

Bons comentários!