sexta-feira, 2 de novembro de 2012

A Ninfa Inconstante

Terminei de ler A Ninfa Inconstante (2008) de Guillermo Cabrera Infante. Comprei esse livro da Coleção Literatura Ibero-Americana da Folha de S.Paulo. Os livros saíam aos domingos no jornal e custam somente R$ 16,90. Ainda é possível comprar a coleção toda pelo site ou mesmo comprar os livros avulsos e pedir pra entregar. Eu gostei muito dessa coleção porque trazia livros de países que pouco conhecemos, principalmente que pouco conhecemos de sua literatura. Guillermo Cabrera Infante é cubano, acho que nunca li um livro cubano, pelo menos esse autor eu não conhecia. A Ninfa Inconstante foi publicada postumamente.
Obra de Jorge Luis Vega

Um jornalista vê uma moça, ele é mais velho, ela jovem, vai falar com ela, acaba se relacionando e fugindo. Ela tem 16 anos. Vários fatores eu gostei. Eles não tem uma paixão avassaladora, parece mesmo que queriam um motivo para fugir de suas vidas. Ela vivia com a madrasta, mas seu pai não é mais vivo e a madrasta casou de novo. A relação não é boa. Ele é casado. Ele faz muitas citações de autores, fala de música, ela não conhece nenhum dos nomes que menciona. Os diálogos são uma preciosidade.A falta de comunicação dos dois. Gostei muito também da facilidade na construção dos diálogos. Acho fascinante quem escreve diálogos com tanta fluidez.

Obra de Nestor Alejandro Chávez Lavín

Trechos de A Ninfa Inconstante de Guillermo Cabrera Infante:

“O passado é um fantasma que não se deve convocar com médiuns ou invocar com abra-essa-obra.”

“- Eu não. Um amigo que se chama Ovídio.
- Ovídio? Que raio de nome é esse?
- É um nome latino.
- Latino-americano?
- Não diria tanto.”

“- O amor é assim. Cego como Bach, surdo como Beethoven, mutilado como Van Gogh.
- Ui. Quanta gente.”

Tanto os pintores, bem como o compositor, são cubanos como o autor.



Beijos,
Pedrita

21 comentários:

  1. Também não lembro de ter lido nenhum livro de algum autor cubano. Mas adoro um bom dialogo mesmo. Deixa o livro mais leve, eu acho. Gostei da história, não conhecia. Vai ter a bienal do livro aqui e se eu vir comprarei
    beijos
    adriana

    ResponderExcluir
  2. Eu desconheço de todo a literatura cubana, mas reconheço que pode ser um mundo a explorar.
    Já agora, como obra literária eu gostei da minha estreia com Kerouac e apesar de tentador e arriscado para uma mente menos madura, é um bom livro aquele que li.

    ResponderExcluir
  3. Muito booommm.FIquei super a fim de ler esse livro, na fila.... Li de Cuba, uma trilogia "O Rei de Cuba" sobre a vida crua de um menino que foge de uma espécie de FEBEM de lá. Cuba é vendida por seu govierno como uma ilha fofa e aprazivel, poderia ser, quem foi diz que é lindo. Mas nem imaginamos a pobreza, a exploraçao infantil, a prostituição, a tristeza daquela sociedade sem liberdade e por isso mesmo, tão produtora de marginalidade. Tambem vale esse livro.
    Esse que voce descreve, parece muito interessante por essas ligaçoes que o autor faz da cultura com a vida. Adorei essa historia de como Bach, Bethoven e Van Gogh. É a sua cara, tudo junto reunido. Bjos

    ResponderExcluir
  4. Olá, tudo bem? Essa é uma super dica: Coco Antes de Chanel. Fiquei com vontade de assistir. Indico que acompanhe Boca de Ouro, lá no Teatro do Sesi (FIESP). Excelente! Bjs, Fabio www.fabiotv.zip.net

    ResponderExcluir
  5. Te enviei um email hoje, da uma lida e me diz?
    Bjos

    ResponderExcluir
  6. Ai quero ler esse livro, só de ler o q vc escreveu me interessei beijos

    ResponderExcluir
  7. adriana, boa bienal, acho q vai gostar.

    carlos, eu gosto de explorar livros, ou qq arte, de culturas diferentes da minha.

    camille, não conheço esse livro de cuba. respondi o seu email.

    fabio, vc vai gostar de coco antes de chanel. obrigada pela indicação da peça. queria ter visto algo das satyranas, mas não deu.

    ana paulino, acho q vai gostar.

    ResponderExcluir
  8. Até conheço alguns autores cubanos, já vi entrevistas e resenhas, mas também não cheguei a ler os seus livros. Achei o tema bem interessante, vou procurar.

    ResponderExcluir
  9. bruxa, eu já não conhecia. conheço mais a música cubana.

    ResponderExcluir
  10. Eu li quatro livros cubanos que de gostei imensamente: os de Juan Pablo Gutierrez (Trilogia suja de Havana e O homem aranha).

    Também há outro escritor de romances policiais interessante: Leonardo Padura Fuentes.

    Todos da Cia. das Letras.

    ResponderExcluir
  11. enaldo, não li nenhum desses autores.

    ResponderExcluir
  12. Pedrita, tb nunca li algo no gênero e fiquei curiosa;)


    Parabéns, o post bombou por aqui;)

    Bjos

    ResponderExcluir
  13. georgia, eu pensava isso ontem. esse post bombou e nem é um assunto muito conhecido ou popular.

    ResponderExcluir
  14. Literatura cubana? Procurem os livros do escritor cubano Alejo Carpentier: O Recurso do Método, A Harpa e a Sombra, o Século das Luzes, Concerto Barroco. Todos editados no Brasil.
    Esse escritor é maravilhoso!

    ResponderExcluir
  15. obrigada, eu tenho o século das luzes aqui. sempre tive esse autor na minha lista. não sabia q era cubano. obrigada por me informar.

    ResponderExcluir
  16. Não precisa agradecer, sempre leio o seu blog.
    Mas voltando ao Alejo Carpentier, ele nasceu em Havana e era adido cultural de Cuba em Paris. No livro "O Recurso do Método" existe um personagem que foi inspirado no nosso Aleijadinho.

    ResponderExcluir
  17. obrigada por me informar. primeiro vou mesmo ler o século das luzes q está na fila aqui.

    ResponderExcluir
  18. eu conheço a literatura cubana e tem muita coisa boa. quero ler este. vou procurar na estante virtual. bjs
    são sempre muito boas as suas dicas....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. fatima, obrigada, esse é fácil de achar pq era vendido em bancas.

      Excluir
  19. Afinal já cá tinha comentado na altura da publicação do post.
    Não são 3 volumes, é apenas um único livro, dividido em várias partes sendo que a 1.ª, 2.ª e 3.ª são como que 3 romances completos, mas que se cruzam numa obra única e complementam a saga e ainda há um 4.º mas é como que um epílogo do segundo cujo essencial já estava anteriormente mas acrescentou informações históricas de um genocídio que então ocorreu.

    ResponderExcluir

Bons comentários!