quarta-feira, 26 de março de 2014

O Século das Luzes

Terminei de ler O Século da Luzes (1962) de Alejo Carpentier da Companhia das Letras. Há muito tempo o nome desse livro está em uma lista de livros a ler. É uma lista que anotei de um jornal de livros imprescindíveis para leituras e formação. Levei bastante tempo para adquirir esse livro, comprei na USP, em uma livraria que infelizmente não existe mais, por 50% de desconto. Mas aí levei bastante tempo para começar a ler. É exatamente a dessa edição da capa, achei lindíssima essa capa, atualmente a capa é laranja, eu gosto mais da branca. É simplesmente incrível!

Obra de Gina Pellón

Alejo Carpentier nasceu em Cuba, de pai francês e mãe russa. Alejo Carpentier volta da França para Cuba e descobre informações da Revolução Francesa na Guatemala e de um líder Victor Hugues, que inclusive é mencionado na Revolução Francesa. Resolve então escrever esse romance onde esse líder conduz a história. O Século das Luzes tem vários momentos. No início uma família perde o patriarca. Em uma letargia ficam de negro cerrados em sua casa dois filhos e um primo. Victor Hugues aparece com suas histórias de aventuras, sacode essa família que passa a viver intensamente. Com o início das revoltas dos negros, Victor Hugues ingressa na Revolução Francesa na Guatemala e o primo dessa família segue junto pelas lutas.

Obra Criaturas surrealistas no fundo verde de Jorge Camacho

Os detalhes da Revolução Francesa na Guatemala são impressionantes. Alejo Carpentier relata vários conflitos, como um espectador. Percebemos que não foi diferente como no Brasil, na Guerra dos Farrapos. Os negros eram unidos a luta armada, mas depois eram igualmente traídos e novamente escravizados ou vendidos. Foi Victor Hugues que levou a guilhotina a Guatemala. Essa obra é incrível.

Os dois pintores e o compositor são cubanos como o escritor.

Beijos,
Pedrita

8 comentários:

  1. Ontem vi um filme e lembrei de vc. No MAX. O nome: Laurence sempre.
    Não entendi nada vezes nada.
    O filme era europeu.
    Fazer o que se assisto, não entendo e, logicamente, não gosto?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. liliane, esse eu não vi. eu até gosto de filmes enigmáticos, mas detesto filmes que fingem que são profundos e não vão a lugar algum.

      Excluir
  2. Importante livro, básico para o "realismo mágico" que lhe sucedeu. Mas você é a primeira pessoa que o lê entre meus conhecidos. Acho que isto é bem comum por aqui, livros muito citados e pouco lidos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. enaldo, eu sou bem disciplinada. mas esse livro é fantástico. quem ainda não enveredou por suas tramas não tem a mínima ideia do que perdeu.

      Excluir
  3. Nunca tinha ouvido falar nem do escritor nem da obra, talvez por que a listas de obras importantes a ler que consulto sejam mais influenciadas pela cultura europeísta e anglo-saxónica, enquanto o escritor latino-americano tem de ser mais que genial para ter um tratamento igual aos reconhecidos como bons na Europa e nos EUA... uma injustiça cultural que perdura.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. carlos, é mais difícil mesmo as obras latino-americanas transitarem além desse continente. aqui mesmo ficam às vezes escondidas.

      Excluir
  4. O século das luzes não aparece disponível em Portugal, mas em 2013 publicaram este livro de nome muito musical do mesmo escritor: http://www.wook.pt/ficha/concerto-barroco/a/id/15270968

    ResponderExcluir
  5. Não conhecia esse livro.
    big beijos
    Lulu
    http://www.luluonthesky.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Bons comentários!