sábado, 4 de abril de 2015

Gonzaga De Pai para Filho

Assisti Gonzaga De Pai para Filho (2012) de Breno Silveira no Telecine Touch. Gostei muito! O foco foi a conturbada relação entre Luiz Gonzaga e seu filho Gonzaguinha. Mas como como mostram as relações familiares, fica claro os desacertos e as dificuldades familiares em várias gerações.

É compreensível a dificuldade do pai criar um filho tendo que viajar em turnê, mas a ausência é quase insuportável. Fatos também dificultaram ainda mais a solidão e a rejeição do filho. A mãe morre de tuberculose, ele é criado por uns amigos de Luiz Gonzaga. Após um tempo o pai casa novamente e a nova esposa não aceita o filho e o maltrata. Foram ausências demais, difícil não ser revoltado. Gonzaga De Pai Para Filho é muito bem realizado, editado, excelente fotografia e elenco. E não teve medo de desmistificar Luiz Gonzaga. Os atores estão excelentes. Luiz Gonzaga é interpretado na maior parte do tempo por Adelio Lima, Gonzaguinha por Júlio Andrade que arrasa.

A base do filme surgiu das gravações em fita cassete de uma entrevista entre pai e filho. O elenco todo é muito bom: Nanda Costa, Roberta Gualda, Nivaldo Expedito de Carvalho, Land Vieira, Silvia Buarque, Cyria Coentro e Claudio Jaborandhy. Fazem participações João Miguel, Cecília Dassi, Zezé Motta, Cássio Scapin e Domingos Montagner. Gonzaga de Pai Para Filho ganhou vários prêmios como o Grande Prêmio do Cinema Brasileiro de Melhor Filme, Melhor Diretor, Melhor Ator para Júlio Andrade e Melhor Som.

Beijos,
Pedrita

9 comentários:

  1. Eu acho bom que desmistificaram o Gonzagão como você bem observou, mas isto tem muito a ver com a militância partidária do pai (Arena/PDS) e do filho (PT). Se Gonzagão fosse um típico ícone da MPB de esquerda o diretor teria pegado leve.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. enaldo, não acho. contar uma história de um artista costuma realmente desmistificar. e eu acho que o gonzaguinha sofreu uma sucessão de infortúnios e que o fato do pai ser músico e ter que viajar o brasil todo só piorava. mas o pai não tinha escolha. o gonzaguinha teve uma mãe tísica que mal conheceu. os pais no sertão. o gonzagão nunca ia querer o filho lá no sertão para não ter oportunidades. pelo jeito a mãe não tinha parentes que pudessem assumir o garoto. depois a madrasta que o rejeita. o colégio omisso que permite um aluno ficar tuberculoso no seu internato. foram muitos problemas. e não acho que o filme chegou a esconder todos os fatores. não acho que tenha a ver com a polarização esquerda direita.

      Excluir
  2. Ainda não vi.
    Madrasta maltratar enteado é um terror.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. liliane, infelizmente é muito comum. essa cultura de um único amor, do amor romântico, faz muitas mulheres maltratarem o passado dos seus amores.

      Excluir
  3. O meu desejo é que o seu Domingo seja muito feliz e abençoado!
    E que eu possa continuar
    tendo uma amizade tão especial como a sua!
    Uma Santa Páscoa!
    Beijos e meu eterno carinho.
    Evanir.

    ResponderExcluir
  4. Oi, Pedrita,

    Vi também este filme, pois cresci ouvindo o Gonzagão, cujos discos eram tocados - nas alturas - por nossos vizinhos, rsrs. Desse modo aprendi a gostar deste artista. Posteriormente me tornei fã do Gonzaguinha. Não senti a menor simpatia pela esposa do Gonzagão.

    Beijo, boa noite e ótima semana!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. marly, dois músicos incríveis. e é compreensível a mágoa do filho em relação ao pai. embora o pai não tivesse tido escolha.

      Excluir
  5. Eu tenho a honra de lhe dizer que as ultimas fotos dos dois juntos em público foram fotografadas por mim. Numa missa do vaqueiro lá em Serrita, perto de Exú a cidade natal do Gonzagão no sertão de Pernambuco; mais ou menos cinco meses depois dessa apresentação o Gonzagão faleceu, um ano depois o Gonzaguinha. As imagens foram compradas pelo Banco de imagens do Jornal A Folha de São Paulo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. que emoção fatima. eu vi umas fotos, agora vou procurar pra ver melhor.

      Excluir

Bons comentários!