sábado, 2 de maio de 2015

Edelton Gloeden

Fui ao recital de Edelton Gloeden na Universidade de São Paulo. Foi um recital palestra, onde outro violonista, o Luciano Cesar Morais falou do compositor Frederic Mompou. Depois Edelton Gloeden interpretou dele a Suíte Compostelana (1962/63). O repertório continuou depois com outros compositores. Gostei do formato da apresentação, recital e palestra, mas a palestra não era extensa, era suficiente. Muito bem equilibrado ficando muito interessante.

foto de Gal Oppido
Eu já tinha ouvido algumas obras de Mompou (1893-1987) interpretadas pelo próprio Edelton Gloeden que comentei em três posts aqui, mas conhecia pouco da história desse compositor. Eu não sabia que Mompou compôs mais para piano, o seu instrumento. E que só recentemente passou a ser resgatado por músicos. Gostei de conhecer um pouco de seu temperamento recluso, reservado, sempre tenho fascínio por pessoas que gostam de ficar fechadas em seus mundos e me surpreendo ainda mais quando são pessoas públicas, que precisam do mundo para que o seu trabalho seja conhecido. Mompou era catalão e Luciano falou um pouco do estilo musical e de artistas catalãs. Mompou também gostava muito de ir a Paris e estudou no Liceu onde teve contato com a efervescência cultural da época e Poulenc. Em Paris conheceu muitos artistas. Na busca por Mompou achei outra grafia para o seu nome. Federico.

Depois Edelton Gloeden intepretadou obras de Federico Moreno Torroba (1891-1982) que gosto muito. Foram executadas Nocturno (1926), Serenata Burlesca (1928) e Madroños (1929). Torroba é mais conhecido por suas zarzuelas. Desse compositor já mencionei em outros posts aqui. No repertório ainda tinha Segovia e Castelnuovo-Tedesco. Edelton Gloeden tocou em dois violões, inicialmente com um de David Hirschy e depois com um de Sérgio Abreu. Esse recital maravilhoso foi gratuito, segunda-feira quem vem tem outro diferente.

Programa completo:

Frederic Mompou – Suite Compostelana (1962/63)                                     
(1893 – 1987)           Preludio / Coral / Cuna / Recitativo / Cancion / Muiñeira
Andrés Segovia – Estudio sin luz (ed. 1954)
(1893 – 1987)
Federico Moreno Torroba – Nocturno (ed. 1926)
(1891 – 1982)                       Serenata burlesca (ed. 1928)
                                             Madroños (1929)                            
Mario Castelnuovo-Tedesco Sonata Op. 77 (1934)                   
(1895 – 1968)                           (Omaggio a Boccherini)
                                                      I – Allegro con spirito
                                                     II – Andantino, quasi canzone
                                                    III – Tempo di Minuetto
                                                    IV – Vivo ed energico





Beijos,
Pedrita

4 comentários:

  1. Não conheço nada ou alguém desse seu texto.
    Acho que meu ouvido nem tem mais "apuração" para ouvir essas coisas bonitas, delicadas, serenas.

    Grande Hotel Budapest passa amanhã.
    Vou gravar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. liliane, esses compositores são interpretados em núcleos restritos porque infelizmente não há interesse comercial em propagá-los. mas tenho quase certeza que se ouvisse ia gostar de várias dessas obras.

      Excluir
  2. boa noite.... como foi de feriado? bjo www.anaherminiapaulino.blog.uol.com.br

    ResponderExcluir

Bons comentários!