quarta-feira, 2 de março de 2016

Difret

Assisti Difret (2014) de Zeresenay Mehari no TelecinePlay. Não conhecia esse filme, só no final que vi que é produzido pela Angelina Jolie e lembrei que ela andava produzindo e apoiando produções que contassem as violências de países do continente africano. Esse é da Etiópia e é baseado em uma história real.

Hirut é uma menina de 14 anos que é sequestrada saindo da escola por vários homens armados. Ela é levada a um cativeiro, um deles a espanca e a estupra. Quem a espanca e a estupra irá casar com ela, o grupo o parabeniza por ser uma menina de boa família, bons genes. Em uma oportunidade que fica sozinha, Hirut  pega a arma esquecida pelo "noivo", foge correndo. Eles vão atrás, ela pede que eles deixem ela ir senão atira, atira para o alto, mas eles continuam avançando, ela atira e mata o "noivo". Ia ser morta ali mesmo, a polícia a prende. É costume que a mulher nesse caso seja condenada a morte.

A polícia faz o que pode e o que não pode para dizer que a menina é maior de idade. Uma advogada de uma associação de apoio as mulheres pega o caso e tenta a todo custo provar que a menina tem 14 anos. Consegue um comprovante de batismo, mas a polícia não aceita e pede identidade. Um modo claro de violentar mais a menina, porque nenhuma criança da aldeia tem identidade. A advogada consegue apoio de um ex-patrão importante e consegue levar a menina sob custódia pagando a fiança. A menina tem muita dificuldade de adaptação. Não conhece eletrodomésticos, dorme no chão. Hirut, por pouco estudo, tem dificuldade de compreender o que acontece. Gostei do filme colocar ela rebelde, com dificuldade de aceitar ajuda. Segue para um orfanato até o julgamento. Gostei de mostrar a advogada compreendendo a dificuldade da menina de gostar dela e aceitar ajuda. A advogada também avisa sempre a imprensa para que as notícias protejam a menina e a mantenham viva até o julgamento. Os homens da aldeia se reúnem para conversar sobre o caso, querem a menina para manterem os seus costumes de a matarem. Os homens estão revoltados que a polícia interferiu no caso e ficou contrária aos costumes do povo. Nas aldeias da Etiópia é costume sequestrar e estuprar as meninas que escolhem para casar. E acham um absurdo as leis interferirem nos costumes da aldeia.

Apesar da lei dizer que o caso  de Hirut configurava que ela matou por legítima defesa, os homens da Etiópia queriam condenar a menina à morte. A advogada revoltada, abre um processo contra o Ministério da Justiça que vem continuamente não cumprindo a lei e exige o cumprimento da lei. O caso dá muito problema, ela perde a custódia da menina, não pode mais advogar. Mas há uma reviravolta, o Ministro da Justiça é demitido, mentem que ele que abandonou o cargo, a menina é julgada inocente. É o primeiro caso na Etiópia onde uma mulher vence um caso como esse. No final contam que a advogada continuou lutando por causas como essa e Hirut passou a ajudar mulheres sequestradas e trabalhar nesse segmento. Hirut fica muito triste porque não pode mais ficar com a família porque corre risco de vida e teme por sua irmã mais nova que será sequestrada e estuprada como ela quando um pretendente a quiser. Muito triste.

As atrizes estão ótimas. Hirut é interpretada por Tizita Hargere. A advogada por Meron Getnet. Não é um filme de fácil realização por falar de muitos temas tabus naquelas culturas. Difret ganhou Melhor Filme de Ficção no Festival de Berlim e Melhor Filme Dramático no Sundance Festival.

Beijos,
Pedrita

15 comentários:

  1. Olá Pedrita!
    Gostei da resenha, é um filme dramático, porém imperdível!

    Bjs ♥

    ResponderExcluir
  2. Pedrita,
    Esse filme deve ser muito pesado! Mas a temática é bem atual mesmo. Boa dica.
    Beijos
    Adriana

    ResponderExcluir
  3. Eu já tinha colocado este filme na minha lista de "a ver" porque ele mostra um assunto que sempre está na minha pauta de interesse, que é o abuso contra as mulheres.
    Ah, assisti finalmente ao Carol e gostei, não o achei de modo algum raso, como insinuou certa revista.

    Beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. marly, não é um filme fácil. carol realmente é muito bom.

      Excluir
  4. Não conhecia. Que história impressionante! E pensar que coisas assim ainda acontecem em tantos lugares. Vou começar a prestar mais atenção nas produções da Angelina Jolie.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. bruxa, tb não conhecia. muito terrível alguns costumes tribais. tb vou prestar atenção nas produções dela.

      Excluir
  5. Olá!!
    Apresento grande rede social à escala mundial, em inglês, português, etc, que introduz uma mais valia: Divide alguma da receita de publicidade gerada com o utilizador, em função da sua atividade!
    Faço o convite aqui: www.tsu.co/samgom

    Esclarecimento de dúvidas pela revista Forbes:
    http://www.forbes.com/sites/paularmstrongtech/2016/02/08/everything-you-need-know-about-tsu-and-four-reasons-your-brand-should-be-using-it/#6376b36f2c47

    ResponderExcluir
  6. Olá, tudo bem? Retornarei aos teatros em breve.. Estava envolvido com a Maratona Oscar Rs... Pretendo ir ao Teatro Gazeta. É importante... Sobre Carol: gostei do filme, mas não o considero melhor da relação do Oscar. Preferi A Garota Dinamarquesa nesse filão (poderia ter sido indicado como melhor filme...). Bjs, Fabio www.tvfabio.zip.net

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. fabio, tem muita peça bacana que quero ver. amo carol. quero ver a garota dinamarquesa.

      Excluir
  7. Nossa, o filme trás uma história forte e comum, infelizmente.

    Beijos, Pri
    vintage.blogspot.com

    ResponderExcluir
  8. Ainda é difícil imaginar que o mundo todo antenado, possa existir países em atraso total.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. liliane, eu fico sempre chocada com esses atrasos. agora a lei já condena o ato, mas dificilmente chega a polícia, fica na tribo. deve continuar acontecendo. pelo menos hirut participa de uma associação que tenta acabar com esse costume.

      Excluir

Bons comentários!