segunda-feira, 29 de maio de 2017

O Pequeno Príncipe

Assisti O Pequeno Príncipe (2015) de Mark Osborne no Telecine Pipoca. No Now esse filme só está dublado, como só vejo no som original, assisti no Pipoca. É muito lindinho. Não chega a ser a história do Pequeno Príncipe. Na verdade é a história de uma menininha que tem uma mãe alta executiva e que deseja o mesmo para a filha.

A mãe leva a menina ao bairro ao lado da melhor escola, uma instituição que cria máquinas, não seres humanos. Cria um quadro absurdo de tarefas a serem cumpridas, a menina nem comeu a maçã do café da manhã e o despertador já exige outra tarefa. Muito inteligente, muito atual, o quanto pais estão esquecendo que as crianças precisam brincar, de ter atividades culturais e liberdade para inventar. O bairro é quadrado, tudo é quadrado, as casas são iguais. 

Há um vizinho fora do padrão, com uma casa anárquica que todos fingem ignorar. Inclusive é o único idoso da região. Há várias críticas a essa sociedade consumista que ignora a criatividade, a cultura e os mais velhos. A menina fica encantada com a quantidade de objetos na casa do vizinho e ele diz que é acumulador. Sem culpa, sem exagero, mostrando que não há mal algum em gostar de objetos e ser feliz vivendo entre eles. Que a vida pode ser mágica, sem ser exageradamente arrumadinha. A menina, escondida, começa a ler o Pequeno Príncipe. Uma graça quando entra a história do livro. Muito bem feita a animação. Quando é no mundo da menina tudo parece real.

Quando entra no mundo do Pequeno Príncipe tudo parece animação. Muito lindo e bem feito. É nesse momento que aparece a história de Antoine Saint-Exupéry.

Me emocionei muitas vezes. A solidão dessa menina dói. A mãe já definiu os presentes que a menina vai ganhar de aniversário que ela passa sozinha. Que objeto é importante para cada idade e que função terá no seu aprendizado. Mas acho que o pior presente é o do pai. Eu não entendi porque ela tinha tantos globos de neve com prédios. Bom, esse é o presente anual do pai. A menina passa a festa sozinha. Tem bolo, os dois presentes, mas é totalmente ausente de afeto. 

Beijos,
Pedrita

12 comentários:

  1. Fiquei com vontade de ver esta obra, o assunto abordado tem sido tema de reflexões e discussões, na vida real. E ainda tem a 'participação' do Pequeno Príncipe na estória, rsrs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. marly, é muito psicológico e reflexivo.

      Excluir
  2. Oláááááááá Pedrita
    Ainda não assisti esse filme.
    Desde que foi lançado tenho vontade de ver, mas acaba que não dá certo.
    Eu pensei que fosse mesmo baseado em O Pequeno Príncipe, mas é uma releitura tendo a obra de Exupery como máxima e fundo!
    Fiquei ainda mais curiosa agora, gosto muito de releituras.
    Deve ser interessante eles abordarem a temática da "compra do afeto que não tem preço", da convivência entre diferentes faixas etárias e do aspecto de colecionador sem ser uma crítica.
    E essa garotinha parece tão fofurosa!
    Amei sua resenha, não vou deixar passar a oportunidade de conferir :)
    Ótima terça pra ti
    Bjs Luli
    Café com Leitura na Rede

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. luli, é a história da menina e do vizinho. e ela lê pequeno príncipe que aparece qd ela lê. realmente esse afeto exacerbado em regras é assustador.

      Excluir
  3. Olá, Pedrita!
    Que fofura de filme, fiquei com vontade de assisti-lo.
    Obrigada pela dica, não vou perder!

    Beijinhos ♥

    ResponderExcluir
  4. Como sou consumista nunca estranho quem é.
    Não vi esse filme mas gostaria de vê com a Infanta.
    Meus filhos(tiveram) e a Infanta tem o dia todo ocupado. O dia da preguiça, como ela chama é o final de semana.
    Acho ótimo ela ter oportunidades que nem tive na infância.
    Nunca consigo vê um filme com ela.
    Ela sempre já assistiu

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. liliane, não acho ruim as crianças terem a oportunidade de fazer cursos, atividades. mas ao exagero acho abominável. até pq é na brincadeira que a criatividade se desenvolve e tolher isso da criança trará sérias sequelas. mas pelo menos ela vê bastante filme.

      Excluir
  5. Gostei desse filme. Quando assisti, só tinha adulto no cinema. Realmente é tudo bonito e mágico, porém sério e realista.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. bruxa, confesso que acho essa animação mais para adulto que criança. muito profunda.

      Excluir

Bons comentários!