sexta-feira, 20 de março de 2009

Ponto de Leitura Olido

Fui ao Ponto de Leitura Olido na Galeria Olido. Descobri esse espaço por um acaso e fiquei encantada. É um projeto da Secretaria Municipal de Bibliotecas de São Paulo. Lá eu li uma revista Bravo de fevereiro que perdi nas bancas e alguns jornais. Peguei um folheto e descobri que há vários em São Paulo e que também é possível fazer empréstimo de livros adultos e infanto-juvenis. Não descobri como funciona esse serviço porque não utilizei. No folheto que peguei há vários Pontos de Leitura em São Paulo, três na Cidade Tiradentes e outros individuais na M´Boi Mirim, Parelheiros, Perus e São Miguel Paulista. Os endereços estão no site da Prefeitura de São Paulo.

É possível fazer uma pesquisa detalhada do acervo no site, em qual Ponto de Leitura encontrar e ainda saber os livros que estão nas bibliotecas dos CEUs, na Biblioteca Alceu Amoroso Lima, entre outros espaços. Dá para saber se o livro está emprestado. Fica mais fácil procurar se você colocar o local específico que deseja, porque o catálogo é muito grande. Nesse Ponto de Leitura que fui há um único livro do Saramago disponível pra leitura, Evangelho Segundo Jesus Cristo que nesse momento não está emprestado. O acervo de livros desse Ponto de Leitura que fui, na Galeria Olido, não é muito grande. Para procurar por Machado de Assis, coloque Assis na busca, senão você não encontra. O Ponto de Leitura Olido tem alguns Dom Casmurro e um está emprestado. Portanto o sistema de controle dos livros dos Pontos de Leitura e de todas as bibliotecas municipais públicas de São Paulo é totalmente informatizado. Eles também tem O Alienista e agora todos estão livres para o empréstimo. O Ponto de Leitura Olido tem alguns exemplares do Fernando Pessoa com poemas do Alberto Caieiro. Nessa unidade, há ainda umas 5 obras do Monteiro Lobato, dois da Maria Clara Machado, cinco do Graciliano Ramos, 2 Fagin, o Judeu do Charles Dickens, 1 Lolita do Vladmir Nabokov e 4 Meu Nome Não é Johnny do Guilherme Fiuza, sendo que um está emprestado. E muitos outros, é só pesquisar. Diversão garantida! Grátis! Adorei!
Música do post: Fiz a cama na varanda




Beijos,

Pedrita

7 comentários:

  1. Olá Pedrita

    Este espaço assemelha-se muito ao que no Porto temos no Palácio de Cristal. Têm biblioteca e galeria e é frequentado por pessoas de todas as idades.

    E Viva a Primavera!

    Pelas colinas sorriem as mimosas
    Tal me dizem das suas cores viçosas
    Um jardim de estrelas ardentes
    Onde na relva a luz da aurora
    Perfuma os cabelos em boa hora
    E a Primavera de flores a deslumbra.

    Beijinhos
    Isabel

    ResponderExcluir
  2. É uma idéia que deveveria ser copiada por outras cidades deste Brasil que lê muito pouco. São iniciativas como essa que devem ser parabenizadas e divulgadas. Fizeste a sua parte, parabéns. Quanto ao post abaixo em seu artigo sobre o filme "De Olhos Bem Fechados" do grande diretor Kubrick, é um filme que gosto e acho muito reflexivo. Como você bem diz, ele permite muitas leituras. Um abraço, Armando.

    ResponderExcluir
  3. Pedrita, vc e suas descobertas sobre livros mirabolantes, rs.
    Se eu morasse no Brasil iria aproveitar cada dica sua.

    Bjus

    ResponderExcluir
  4. Esses pontos de leitura são muito importantes numa cidade com regiões tão carentes. E eu que tenho andado por bairros distantes posso dizer que esses lugares de leitura fazem a diferença para muita criança e adolescente. Você precisa visitar o CEU Cidade Dutra para ver. É de dar inveja a qualquer escola particular!
    Algumas dessas bibliotecas aceitam doações de livros.
    Denise

    ResponderExcluir
  5. Olá Pedrita!

    Afinal não fui eu a única a esquecer, que a Pedrita vive no Brasil, e que aí começou o Outono e não a Primavera.

    Mil desculpas!

    Também conheço e sou sócia dessa Biblioteca no Porto no Palácio de Cristal de que o Artista Maldito fala.

    Bom fim-de-semana, Pedrita!

    ResponderExcluir
  6. esse tipo de espaços são muito bons para divulgar livros e criar ou manter leitores. Em países onde há dificuldades económicas para comprar livros e carências culturais, tais locais deveriam ser muito comuns, mas pelo que tenho visto, são mais abundantes precisamente nos países mais cultos.

    ResponderExcluir
  7. isabel, em são paulo temos várias bibliotecas públicas, mas alguns bairros estavam defazados. esse projeto veio levar leitura pra essas regiões.

    georgia, obrigada.

    dê, eu fui ao ceu cidade dutra. falaram que lá é um ceu modelo. os mais antigos eram maiores, teatros maiores. os mais recentes são um pouco menores.

    ematejoca, imagina.

    geocrusoe, as bibliotecas foram muito importantes em um período que comprar livros, até em sebos, era inviável.

    ResponderExcluir

Bons comentários!