quarta-feira, 10 de julho de 2013

A Terra Ultrajada

Assisti A Terra Ultrajada (2011) de Michale Boganim no Max. Criei coragem para ver esse filme, é sobre o acidente de Chernobyl. Quando fui buscar informações depois de ver o filme descobri que a diretora é israelense. Achei o filme tão verídico que tinha quase ideia que fosse de alguém que viveu perto ou pelo menos no país. Li que a diretora também ajudou a escrever o roteiro, que entrevistou várias pessoas que tinham parentes em Chernobyl, ou histórias de lá.

Em 1986 as pessoas não percebem as mudanças na cidade de Pripyat. Há um casamento perto da usina, um lindo lugar com um lago. Um lugar lindo, com uma natureza exuberante. O noivo é convocado para apagar um incêndio. Um engenheiro é avisado por telefone do acidente, mas é proibido de avisar as pessoas. Dá uma agonia ver que ninguém é avisado, embora não sei se isso mudaria algo. Uma chuva espalha a radiação. A Terra Ultrajada é construído de forma irônica o tempo todo. 

A forma como a autora e diretora conta essa trágica história é agoniante. Enquanto todos aguardam a inauguração do parque de diversões, há pôsteres com o Gorbachev e com o Lênin, elogiando a cidade de Priyat, que era considerada a cidade mais evoluída do país e elogiando o sistema de governo. Hoje é uma cidade fantasma. Outra ironia é que todos foram levados pra perto, para uma zona, e a protagonista brinca se eles acreditam realmente que a radiação não passa pelo arame enfarpado. Dez anos depois as pessoas visitam em ônibus a região. A noiva é interpretada por Olga Kurylenko. O engenheiro por Andrzeh Chyra. Alguns outros do elenco são: Sergei Strelnikov, Vyacheslav Slanko e Nicolas Wancztcki.
Beijos,
Pedrita

14 comentários:

  1. Pedrita,
    Eu agora quase surtei. Tenho que ver esse filme. Amo tudo que se relaciona a antiga URSS. E lembro desse acidente e de como eram as coisas naquela época. Aliás, Prypiat era mesmo uma cidade modelo. Li um dia desses que lá o salário era o mais alto pago na URSS, e tinham lojas que vendiam produtos importados. E no restante do país não tinham. Lógico que tudo isso era por conta do risco que a população tinha por estarem tão próximos a Chernobyl. Amei e tenho que ver. Vou agora mesmo no site da Max ver se vão passar novamente.
    Beijos
    Adriana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. adriana, obviamente esse filme é bem pesado, mas achei muito interessante que tenha sido dirigido por uma mulher e israelense. esse olhar foi muito determinante para o filme.

      Excluir
  2. Oi Pedrita,
    Interessante! Vou ver se o marido topa assistir comigo!
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Oi Florzinha,
    Esse filme parece bem interessante :)
    Tenha um lindo dia!!!
    Super beijinho no coração.
    www.jananogueira.com


    ResponderExcluir
  4. Olá, tudo bem? Não assisti ao filme. Confesso que ainda não tinha lido algo a respeito do longa. Bjs, Fabio www.fabiotv.zip.net

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. gosto de tv a cabo por esses filmes raros.

      Excluir
  5. Deve ser bem tenso esse filme.
    Ótima quinta!
    Big Beijos
    Lulu
    http://luluonthesky.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  6. oii amore!!
    adorei. visite lá no blog
    me encantei aqui,visita lá deixe seu comentário.
    ficaria honrada com seu comentário!!
    gostaria que voce sempre visita lá
    seguindo! segue de volta? por favor

    dicasdesole.blogspot.com.br

    beijokass diva e deus te abençoe mais e mais

    ResponderExcluir
  7. Olá! Onde posso encontrar esse filme? já procurei pela internet, e não achei! se alguem tiver algum link eu agradeço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. eu vi no canal max da hbo, essa semana inclusive passou novamente.

      Excluir

Bons comentários!