quinta-feira, 21 de novembro de 2013

Mulheres Africanas - A Rede Invisível

Assisti ao documentário Mulheres Africanas - A Rede Invisível (2012) de Carlos Nascimbeni no Canal Brasil.  Vi no site que ia passar esse documentário e quis ver. O diretor é brasileiro, a narração é de Zezé Motta, mas o filme é todo realizado no Continente Africano. A trilha sonora é do brasileiro Celso Delneri. O documentário é do acervo do É Tudo Verdade e foi apresentado por Amir Labaki. Ele fala que uma das entrevistadas diz que não é possível ver a África como o Continente Africano, como uma unidade, como não é possível ver a Europa como o Continente Europeu. Eu nunca vi a África como uma unidade. Há muitas particularidades. Além da diferença das civilizações de cada país africano, há também a diferença dos colonizadores e as diferenças religiosas. Além dos inúmeros dialetos dos povos, há países que falam o português, outros o inglês, já que a colonização foi diferente. Há um tempo que eu já tento ler obras de autores de vários lugares do Continente Africano, além de filmes, e são visíveis as inúmeras diferenças.

O documentário mostra costumes de algumas regiões e entrevista várias líderes em vários segmentos do continente africano como Luísa Diogo, Ministra de Moçambique, Graça Machel, ativista de direitos humanos e esposa de Nelson Mandela, Mama Sara Masari, empresária da Tanzânia, Leymah Gbowee, da Libéria, vencedora do Prêmio Nobel da Paz; Luisa Diogo, ex-Primeira Ministra de Moçambique e Nadine Gordimer, vencedora do Prêmio Nobel de Literatura.

O documentário fala de vários países. Eu conheço um pouco da África do Sul e de Moçambique de livros e filmes. Mas conheço pouco demais da Libéria, Gana e a Tanzânia. Alguns países tentam se reconstruir depois de anos de Guerra Civil. Os relatos das violências nas guerras é assustador. Leymah Gbowee conta que a cada ano eles desejavam ultrapassar os outros nas atrocidades, na forma de matar tirando mais dor. 

Nadine Gordimer fala da colonização com a imposição das suas crenças e religiões. Que ignoravam que os nativos da terra eram uma civilização. Como aconteceu no Brasil com a chegada dos portugueses que ignoraram a cultura e civilização indígena existente e impuseram a religião católica e os costumes portugueses. A empresária Sara Masasi fala um pouco da Tanzânia que não conheço. Que tem um dos maiores portos do continente onde chegam as mercadorias. Em um país são as mulheres que cuidam das pequenas roças, vendem a mercadoria para outras mulheres, tudo no mercado informal, portanto as entrevistadas falam que a economia devia contabilizar esse intenso trabalho informal, ou formalizá-los. Excelente documentário!

Beijos,
Pedrita

18 comentários:

  1. Pedrita,
    Deve ser mesmo um documentário ótimo. Sabemos muito pouco do continente africano. E como existe tanta diferenças entres os povos e culturas dos países. Tantas colonizações diferentes, tantos dialetos e povos diferentes! Só pode ser mesmo muito complexo o continente! Não vi esse documentário, vou procurar saber se vai passar novamente e ver.
    Beijos
    Adriana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. adriana, acho q vai gostar, é muito bom.

      Excluir
  2. A gente sempre aprende vendo esses documentários. Obrigada por me avisar sobre o blog, aparentemente o problema foi resolvida, qq alteração me avise ok?
    Big Beijos

    ResponderExcluir
  3. Pedrita, eu fico impressionada coma Garra da mulher africana, ao mesmo tempo de uma submissão ao homem, lamentável!
    como explicar essa dualidade?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. fatima, essas mulheres que são entrevistadas são vencedoras, não vê resquícios de submissão. nem das que vi trabalhando na roça, embora só vi as mulheres sozinhas.

      Excluir
  4. tambem te respondi no abrkdbra-coisasdavida.

    ResponderExcluir
  5. Olá, tudo bem? Li sua dica sobre a peça no Sesc Santana. Moro meio afastado desse Sesc... Bjs, Fabio www.fabiotv.zip.net

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. fabio, eu tb moro bem longe de lá, mas achei fácil chegar.

      Excluir
  6. Documentário com pessoas do próprio meio dando testemunho e depoimentos é enriquecedor e bem verídico, a gente pode ver com outros olhos aquilo que pensamos sobre um lugar e que possivelmente seja diferente.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ruby, é verdade. esse documentário é muito bom.

      Excluir
  7. Pedrita, deve ser bem legal. Eu gosto de saber sobre realidades diferentes da minha. Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. patry, eu tb. fico sempre procurando algo que desconheço pra ver.

      Excluir
  8. Eu gosto muito de documentários. Gosto mesmo.
    Hoje revi um feito num Lixão.
    Acho que é de Eduardo Coutinho que fez tb Edf. Master.
    Não conheço nada do Continente Africano.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. liliane, eu tb gosto muito de documentários. não sei se está falando de lixo extraordinário baseado nos trabalhos de vik muniz. eu falei dele aqui http://mataharie007.blogspot.com.br/2013/07/lixo-extraordinario.html é incrível.

      Excluir
  9. Também gosto de documentários. Não conhecia esse. Até dá para dizer continente africano, continente europeu, porém sempre considerando a diversidade. Também gosto de conhecer e aprender sobre a África, suas culturas, idiomas e riqueza cultural.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. bruxa, eu tb gosto de conhecer um pouco mais, mas acabo me fixando em um país e cultura por vez.

      Excluir

Bons comentários!