quarta-feira, 20 de novembro de 2013

Rodolfo Coelho de Souza - Música Contemporânea Brasileira

Ouvi o CD Rodolfo Coelho de Souza (2006) da coleção Música Contemporânea Brasileira da Discoteca Oneyda Alvarenga do Centro Cultural São Paulo. É mais um projeto dessa coleção que registra parte da obra de um compositor brasileiro, grava um CD e traz algumas partituras. Eu conhecia algumas obras de Rodolfo Coelho de Souza, mas gostei muito de conhecer várias outras. São vários textos que contam um pouco da trajetória do músico por Tatiana Cantazaro e João Marcos Coelho, análise musical feita por Lutero Rodrigues que caracteriza a obra de Rodolfo Coelho de Souza em três fases Serialista, Minimalista e atual.

Como boa parte dos compositores brasileiros, recebeu influência de Koellreutter que culminou nas composições dodecafônicas. Mas como a maioria, depois foi desenvolvendo outras técnicas, tendo outras referências e interagindo com compositores como Gilberto Mendes, Maurício Kagel, Cláudio Santoro com quem teve aulas. No período que estudou nos Estados Unidos recebeu influência de Harold Bloom. Rodolfo Coelho de Souza teve contato com eletroacústica. Ótimos músicos que interpretam suas obras no CD. Começa com os Tristes Tópicos para Piano (1990-1991) interpretado por Fernando Corvisier.

Adorei Chiaroscuro (1996) que tem na percussão Joaquim Abreu (foto), Eduardo Gianeselle e Rodolfo Coelho de Souza na eletrônica. O Estudo nº 1 para violão em quartos de tom (1977) interpretada pela violonista Terezinha Prada, essa obra é da primeira fase do compositor, a Serialista.A quarta faixa é Diálogo para marimba e vibrafone (1988). Eu adoro esses instrumentos que são tocados por Joaquim Abreu (foto) na marimba e Eduardo Gianesella no vibrafone. Essa obra teve a primeira audição nesse projeto. A quinta obra do CD é Divertimento para flauta e piano com Valentina Daldegan na flauta e Beatriz Furlaneto ao piano. As faixas seguintes são para a Serenata para flauta e quarteto de cordas com a Camerata Ademus com Rogério Wolf na flauta, Eliane Tokeshi e Luiz Amato nos violinos, Ricardo Kubala, na viola e Julian Tryczynski no violoncelo. Só grandes intérpretes. Essa obra ficou em segundo lugar no prêmio de composição do Festival Aspeckte de Salzburg em 2005. Várias obras pareciam de filmes de ficção, suspense, policiais, algumas composições de Rodolfo Coelho de Souza seriam excelentes para o cinema.

Fiquei muito emocionada de ouvir a Sinfonia Cultura, sob regência de Lutero Rodrigues na faixa 9, Invenções sobre um tema de Gilberto Mendes para Orquestra Sinfônica. Essa orquestra era da Fundação Padre Anchieta que apesar dos concertos lotados, da pressão popular, foi desativada pela fundação. A Sinfonia Cultura realizava primordialmente concertos com música erudita brasileira. Foi uma grande perda para a música, principalmente a brasileira. A última faixa é O Círculo Mágico para Percussão e Sons Eletrônicos com o Grupo de Percussão da UFPR - Universidade Federal do Paraná: Mariana Cardoso Puchivailo, Mariana Kowalczuk Cioffi, Ariel Gilson Mendes, Juliana Carla Bastos, sob direção de Paulo Demarchi. Belíssimo CD, incrível projeto. As partituras do projeto são Serenata para flauta e quarteto de cordas e Diálogos para marimba e vibrafone. Esse projeto pode ser encontrado para comprar nas livrarias virtuais.

Beijos,
Pedrita

10 comentários:

  1. Oi Pedrita,
    Quanta coisa boa você andou ouvindo.
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Oi flor!! Estou passando para te desejar uma linda quarta-feira!!!
    Meninas, Participem do SORTEIO no meu blog com esmaltes da nova coleção da Avon e cuidado para suas unhas!
    Beijinhos
    Participe do Sorteio|Blog Jana Nogueira| Fanpage| Twitter| Youtube

    ResponderExcluir
  3. Pedrita,
    Parece bem bacana!
    Removi os slides do blog, verifica por gentileza se melhorou agora para vc acessar o blog. Obrigada.
    Big beijos

    ResponderExcluir
  4. Te respondi la no blog http://abrkdbra-coisasdavida.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Nunca ouvira falar de Rodolfo Coelho de Sousa, nem sempre gosto de música contemporânea, mas assumo que há alguns compositores de que gosto e este agradou-me.
    Eu conheço apenas um livro de Cardoso Pires com o nome "de profundis" onde ele relata um enfarte cardíaco que então teve.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. carlos, eu adoro música erudita que não conheço, adoro experimentar. esse filme não é sobre um cardíaco, é sobre um pintor que desenha os pescadores e vai para o fundo do mar.

      Excluir
  6. Oi, Pedrita,

    Este CD deve ser mesmo muito bom e o post me fez pensar nos rumos que a música tem tomado. Longe de mim a idéia de que a música clássica seja superior à popular, ainda que seja exatamente isso que me ocorra, quando penso nas diferenças existentes entre uma obra de Mozart, por exemplo (com toda a sua complexidade, história e tudo o mais), e um (Deus me livre! rsrs) rap, só para citar um gênero extremo.
    Contudo, embora me esforce para fugir do elitismo, ainda me lembro das aulas de música que tínhamos na infância (na escola pública, que fique claro), em que aprendíamos coisas como a linguagem musical, a harmonia, a sublimidade da música etc. Éramos então levados a participar de corais e a desejar aprender a tocar um instrumento (eram dadas aulas de violão, para os que desejassem).
    É uma pena que a música erudita esteja hoje sendo dirigida a um grupo pequeno de pessoas, ou relegada a figurar num segundo plano, como música de cinema ou - o que é ainda pior - de elevador, rsrs. O maestro Cláudio Santoro foi uma figura muito presente na vida cultural de todos nós, que moramos em Brasília, já que era professor na UnB, universidade em que estudei, e regente da orquestra sinfônica do teatro que hoje leva o nome dele.

    Beijoca.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. marly, o q me entristece é o quanto a música erudita fica escondida. até para quem faz música, é difícil conseguir apoio, patrocínio para executá-la já que a mídia praticamente a ignora, então alguns lugares nem querem ter programações eruditas pq não dá mídia.

      Excluir
  7. Nem tenho muito acesso a música erudita.
    Talvez porque eu mesma não procure.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. liliane, é bem difícil ouvir algumas obras e ter acesso a elas pelo desinteresse da mídia.

      Excluir

Bons comentários!