quinta-feira, 23 de outubro de 2014

Concerto do Centro de Música Brasileira

Assisti ao concerto do Centro de Música Brasileira no Centro Britânico Brasileiro. Foi um belíssimo concerto. Os músicos interpretaram 15 compositores diferentes, que riqueza de repertório. Inicialmente se apresentou o Duo Abumrad-Reis com o baixo Eduardo Janho-Abumrad e o pianista João Moreira Reis. Muito impactantes as obras de Osvaldo Lacerda que eles interpretaram. A primeira Cantiga Para Ninar Escrava era até difícil aplaudir no final tal a dramaticidade do texto de Antonio Rangel Bandeira. Muito linda também a Felicidade com texto de Manuel Bandeira. Conhecia do Jayme Ovalle só a mais tradicional, Azulão, gostei muito da Três Pontos de Santo. Tinham várias canções afros no repertório, a Canto de Negros do Mignone, Abaluaiê de Waldemar Henrique. Genial a Azulão de Achille Picchi. Adoro Alberto Nepomuceno, linda a canção Jangada. Bela também a Lenda do Bôto de Wilson Fonseca.

Programa do Duo:

Carlos Gomes (1836-1896) - (texto de Bitencourt Sampaio) - Quem Sabe?
Jayme Ovalle (1894-1955) - Três Pontos de Santo:
                           - Chariô
                           -Aruanda
                    -Estrella do Mar
Edmundo Villani Côrtes (1930) - (texto de Marilia Freidenson) - Sequência
Bruno Kiefer (1923-1987) - (texto de Mário Quintana) - Canção para uma Valsa Lenta
Achille Picchi (1952) - (texto de Manuel Bandeira) - Azulão
Achille Picchi (1952) - (texto de Roberto Betti ) - Lugar Comum
Francisco Mignone (1897-1986) - (texto de Sybica) - Canto de Negros
Oscar Lorenzo Fernandez (1897-1948) - (texto de Ronald De Carvalho) - Noite de Junho
Osvaldo Lacerda (1927-2011) - (texto de Antonio Rangel Bandeira ) - Cantiga para ninar escrava
 Osvaldo Lacerda ( 1927 – 2011 ) - (texto de Manuel Bandeira) - Felicidade
Alberto Nepomuceno (1864-1920) - (texto de Juvenal Galeno) - Jangada
Wilson Fonseca (1912-2002)- (texto de Wilson Fonseca) - Lenda do Bôto

Waldemar Henrique (1905-1995) - Abaluaiê

Depois a Orquestra de Cordas Laetare, regida pela Muriel Waldman, se apresentou. E mais um rico e diversificado repertório foi apresentado. Queria muito ouvir a obra de Savino de Benedictis. Tinha ouvido falar nesse compositor, queria conhecer um pouco mais de sua obra. Muito bonitas as Chant Elegiaque e a La Girouette. Linda a Dança Brasileira de Camargo Guarnieri. A orquestra tocou três peças modais de Osvaldo Lacerda. Gostei muito da proposta dessa obra. Divertida a Panela de Pressão e Tô Afinando do Victor Nunes, parecia mesmo que uma panela de pressão em atividade. Adoro Ernani Aguiar, bela a Rasqueado, e adoro as obras de Edino Krieger, bela a Marcha Rancho da Suíte para Cordas.

Programa da orquestra:

Francisco Braga:.......................Madrigal-Pavana       
Edmundo Villani-Côrtes:..........Miniaturas Brasileiras:
                                                        1. Choro
                                                        2. Cantiga de ninar
                                                        3. Baião
Osvaldo Lacerda:.......................Quatro Peças Modais
Victor Nunes:..............................Dois Chorinhos:
                                                  - Panela de Pressão
                                                  - Tô Afinando
Savino de Benedictis:....................- Chant Elegiaque
Savino de Benedictis:...................- La Girouette ( Scène de Ballet)
Camargo Guarnieri:......................Dança Brasileira
Ernani Aguiar:...............................Rasqueado
Edino Krieger:...............................Da Suite para Cordas:
                                                        Marcha-Rancho


Beijos,
Pedrita

9 comentários:

  1. Foi extremamente prazeroso participarmos desse recital. Um bravo ao Centro de Música Brasileira, pela excelência na divulgação e manutenção da memória do extenso e maravilhoso repertório dos compositores brasileiros.
    Eduardo Janho-Abumrad e João Moreira Reis

    ResponderExcluir
  2. Adoro recitais Pedrita.
    Eu fui criada no meio de instrumentos musicais.
    Minha mãe trabalhava para a Miriam Dauelsberg, que é afilhada de Villa lobos e dona da Dell'Artes.
    Imagina, música por todos os lados.
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Olá, tudo bem? Assisti Thérèse Desqueyroux no Espaço Itaú. Gostei muito desse filme. Sobre os 45 anos da TV Cultura: estava lá e o show foi incrível. Preferi ñ acompanhar pela TV. A emoção é diferente transmitida pela televisão. Bjs, Fabio www.fabiotv.zip.net

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. fabio, é maravilhoso, como o livro. eu tinha ouvido falar na festa da tv cultura, qd vi q estava passando assisti.

      Excluir
  4. Não conheço nada dessas músicas. Nem Azulão.
    De Jaime Ovalle li muito pouca coisa a respeito dele.

    ResponderExcluir

Bons comentários!