terça-feira, 21 de abril de 2015

Cores do Destino

Assisti Cores do Destino (2013) de Shane Carruth no Max. Eu nunca tinha ouvido falar nesse filme. Estava olhando no site o que ia passar, vi esse nome, é um filme americano, fui pesquisar. Achei duas matérias falando do filme, uma do próprio Max. E as duas falavam o quando o filme é estranho, pouco convencional. Resolvi ver. Não sei se fiz bem, não foi uma boa hora pra ver esse filme difícil, mas a curiosidade era muito maior que o desconforto provocou.

Upstream Color é o nome original. Não é um filme fácil. Não indicaria pra ninguém. Só se alguém tivesse uma curiosidade tão forte quanto a minha. É um filme indigesto, cruel. O começo é dificílimo, depois fica um pouco melhor. Não dá pra catalogar o filme, se é romance, ficção científica, drama, terror, acho que o termo fantástico é realmente o que se encaixa melhor. O Max montou uma série de filmes fantásticos, quero ver outros. O diretor é responsável pelo roteiro e está no elenco. Contracena com ele a bela Amy Seimetz. Não é um filme fácil de interpretar. São cenas muito difíceis de realização. Alguns outros do elenco são: Andrew Sensenig, Thiago Martins e Myles McGee.

Eu não sei se eu saberia explicar Uspstream Color e acho que qualquer explicação o banalizaria. São muitas interpretações. A que vinha mais pra mim é sobre a crueldade humana. Para criar o azul nas plantas, nas flores, o ser humano é capaz de qualquer coisa. Mas podem ser muitas outras leituras. Upstream Color ganhou muitos prêmios: Melhor Filme de Drama no Festival de Sundance, Diretor Revelação no Festival da Catalônia e Prêmio Cidadão Kane para Diretor Revelação em um festival de cinema fantástico.

Beijos,
Pedrita

8 comentários:

  1. Foi bom você ter avisado, assim não assistirei. Alguns filmes são ótimos, mas difíceis de assistir. Uma vez quis ver um sobre crianças numa guerra e foram vários dias sem conseguir dormir.

    ResponderExcluir
  2. O diretor Shane Carruth é especialista em filmes complexos. Ele ficou conhecido ao dirigir e protagonizar a ficção "Primer", que tem uma história que é um verdadeiro quebra-cabeças.

    Bjos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. hugo, se ele lançar algum outro filme terei que pensar muito se quero ver e arranjar coragem.

      Excluir
  3. Oi, Pedrita,

    Geralmente evito filmes assim - como você já deve estar sabendo - rsrs. Mas agora fiquei curiosa, pois as coisas que são inerentes aos seres humanos, a
    crueldade inclusive, sempre me instigam.

    Beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. marly, assista em um dia que estiver com coragem e nunca perto da hora de dormr.

      Excluir
  4. Pedrita, já vi que esse não assistiria.
    Se vc não entendeu, imagina eu(risos) que só gosto de filmes com começo, meio e fim.
    Assisti no Canal Paramont Channel: Poderosa Afrodite e Todos dizem eu te amo de Woody Allen, maravilhosos.
    E vi no Netflix White Reindeer e O funeral do nosso melhor amigo.
    .

    ResponderExcluir

Bons comentários!