quinta-feira, 16 de outubro de 2008

O Castelo Branco


Terminei de ler O Castelo Branco (1985) de Orhan Pamuk pela Companhia das Letras. É o primeiro livro que esse autor publicou. Eu tinha lido Neve (2002) e gostado muito, havia comprado em uma promoção no Submarino. Aí esse apareceu em promoção no mesmo site, resolvi comprar e ler também. Muito bom! Me lembrou bastante A Obra em Negro da Marguerite Yourcenar. O Castelo Branco é ambientado no século XVI, mesmo período que é abordado o livro da Yourcenar. Enquanto o personagem da Yourcenar tenta desvendar os mistérios da medicina, o protagonista de O Castelo Branco concentra seus estudos na astronomia. Mas como todos na época, há várias reflexões sobre diversas áreas medicina, filosofia, astronomia, geografia. Então os personagens acabam se parecendo. Orhan Pamuk é ganhador do Prêmio Nobel de Literatura em 2006. Neve é bem diferente de O Castelo Branco. Gostei muito de O Castelo Branco, mas ainda sou mais fascinada por Neve, maravilhoso!

Obra The Academy of Baccio Bandinelli (1550) de Enea Vico
Nosso protagonista é italiano, ele é preso em um barco e vai parar na prisão de Istambul. Pelos seus poucos conhecimentos médicos e um bocado de sorte torna-se protegido de um Paxá. Depois um sósia turco consegue tê-lo como seu escravo e pede que ele lhe ensine tudo o que sabe. Começam então debates e debates sobre o pouquíssimo conhecimento que os dois têm. E uma complexa teia de questionamentos astronômicos e sobre a nossa existência. Como nessa época sabia-se muito pouco de ciência e há muito obscurantismo, Pamuk consegue ir a fundo em questões milenares que eternamente nos perguntamos, quem somos, fé, religiões. É um texto intenso e complexo. Gostei muito! Acabamos nós mesmos nos questionando como é possível dois homens nascerem absolutamente iguais em continentes tão diferentes. Além dessas questões existenciais o autor ainda debate religião, ciência, medicina, poder e vários outros temas nas discussões dos dois personagens principais.
Obra Pearl Fishers (1570-71) de Alessandro Allori

Trechos de O Castelo Branco de Orhan Pamuk:
“Navegávamos de Veneza para Nápoles quando e esquadra turca apareceu.”

“Era o tédio. Não respondi nada, porque ele estava muito agitado, mas, para falar com franqueza, foi o que pensei: eu sabia, com base não só na minha própria experiência mas também na dos meus irmãos e das minhas irmãs, que o tédio, observado sobretudo nas pessoas egoístas, pode levar a resultados muito produtivos quando não se redunda apenas em coisas sem sentido.”

Música do post: Dufay - La belle se siet au pied de la tour
Get this widget Track details eSnips Social DNA



Procurei pintores e músicos do período que se passa a ação do livro. Alessandro Allori (1535-1607) e Enea Vico (1523-1567) foram pintores italianos. A música do post é do compositor belga Guillaume Dufay que viveu entre 1397 e 1474.



Beijos,


Pedrita

7 comentários:

  1. O escritor turco Orhan Pamuk é um dos meus escritores preferidos. Nao, por causa do Prémio Nobel. Eu já tinha lido alguns livros dele antes do Prémio Nobel.
    Ele encontra-se neste momento em Frankfurt am Main, onde se realiza a 60a Feira do Livro. Foi ele que abriu essa Feira com um discurso, onde críticou a Turquia.
    Estive esta noite a ouvir uma entrevista com ele. Ele apresentou o seu novo livro "Das Museum der Unschuld" ou traduziria "Museu da Inocencia".

    O que muito admiro no seu blogue é que, as palavras, a música e as imagens estao sempre em simbiose.

    ResponderExcluir
  2. Pedrita, adoro histórias assim de épocas. Olha, manda para o que elas estao lendo sempre que vc tiver lido um livro. O processo é o mesmo e vc já tem as perguntas. Nos envie, porque demora até que possamos colocar no ar. No momento estamos contactando os leitores para Dezembro. Entao nos envie logo.

    Beijao

    ResponderExcluir
  3. Depois que eu terminar de ler os outros livros que você me emprestou, você me empresta esse, tá? Ainda não consegui colocar a leitura em dia.
    Denise

    ResponderExcluir
  4. Pois vou recomeçar a ler livros de literaruta fora dos dois domínios a que me restringi nos últimos anos: canada e portugal/lusofonia... tenho de voltar descobrir mais mundos.

    ResponderExcluir
  5. Oi Pedrita.

    Esse autor é famoso mas eu nunca li nada dele.

    Bjs.
    Elvira

    ResponderExcluir
  6. ematejoca, eu tinha adorado as matérias sobre neve, e foi o que me impulsionou a lê-lo. e obrigada pelos elogios. eu gosto de relacionar as imagens com o período e o país que foi escrito o livro. eu mesma fico impressionada com as semelhanças das artes. esse, por ser ambientado há muito tempo, não localizei pintores turcos do período, escolhi do outro personagem, a itália. é época do renascimento. foi difícil localizar obras que não tivessem imagens da religião cristã, que não aparece no livro do pamuk. não achei que ilustrariam bem o post.

    georgia, eu já enviei emma da jane austen. mais pra frente envio esse.

    dê, vc vai gostar, eu agora tb ando sem tempo pra ler.

    geocrusoe, eu gosto de ler livros de países e culturas muito diferentes. é um dos meus prazeres diversifica época e países.

    elvira, é bárbaro.

    ResponderExcluir
  7. Pedrita,
    bonito comentário.
    A leitura de Pamuk é sempre muito boa, muito prazerosa.
    Beijos,
    Júlio

    ResponderExcluir

Bons comentários!