segunda-feira, 17 de novembro de 2008

Além da Linha Vermelha

Assisti Além da Linha Vermelha (1998) de Terrence Mallick no Telecine Action. Precisei perguntar ao 007 se esse era aquele tão elogiado. Há vários com nomes parecidos e só esse é que é sensacional! De virar do avesso, mas sensacional! Realmente é um filme lento. A previsão é que tivesse seis horas de duração, reduziram, mas mesmo assim é longo. E realmente é difícil ir até o final, mais por ser um filme difícil de administrarmos. É um filme de guerra que foca nos sentimentos e pensamentos dos soldados. Há um batalhão de combate, que por ser muito arrojado é sempre aquele que corre os maiores riscos, vai na frente. Durante a Segunda Guerra Mundial, ese grupo vai a uma ilha no Pacífico retirar os japoneses que lá estão em um lugar estratégico. Não faz muito sentido o que dizem ser um lugar estratégico, essas decisões de guerras sempre me soam muito insanas. Achar que um pedaço de terra ermo e afastado seja importante, mais que vidas humanas, não faz sentido algum pra mim. O roteiro é baseado no livro de James Jones.
O elenco é surpreendente, só grandes nomes e muito extenso: Ben Chaplin, Nick Nolte, John Cusack, Sean Penn, James Caviezel, Woody Harrelson, Adrien Brody, John C. Reilly , Travis Fine, Matt Doran. São poucas atrizes mulheres que aparecem em lembranças ou como nativas da ilha: Miranda Otto, Marina Malota e Polyn Leona. Fazem participações especiais: George Clooney, John Travolta e Kengo Hasuo.
Há uma modificação histórica no filme onde os japoneses se entregam eles na verdade continuaram lutando até o fim.
Além da Linha Vermelha ganhou o Urso de Ouro no Festival de Berlim. A direção de fotografia de John Toll é maravilhosa. As cenas de guerra são muito bem feitas. E a trilha sonora de Hans Zimmer é belíssima!
Durante todo o filme os pensamentos dos soldados vêm em narração pelo elenco e são impressionantes!

Música do post: Hans Zimmer - Main Theme - Thin Red Line



Beijos,

Pedrita

8 comentários:

  1. Esse filme é forte demais Pedrita.

    Mas vc é a primeira na minha lista que faz aniversário em julho, eba!!!

    beijao

    ResponderExcluir
  2. Olá Pdrita!
    Aqui em Portugal o filme teve o título de "Barreira Invisível" e é sem dúvida alguma uma das obras mais espantosas feitas alguma vez sobre a guerra, essa "coisa" sempre atroz que dilacera a razão dos homens.
    Beijinhos
    Paula e Rui Lima

    ResponderExcluir
  3. Comecei assistir esse filme mas não aguentei. É muito pesado. Talvez em outro momento.
    Denise

    ResponderExcluir
  4. eu gostei muito deste filme. é um filme diferente dos do género. violento mas muito belo.

    ResponderExcluir
  5. O filme já passou por cá, mas não vi.
    Face ao argumento, terá de ser necessariamente um filme "pesado".

    ResponderExcluir
  6. Sempre tem que puxar a sardinha pro lado deles, hein? Mudar a história do negócio? Rebaixar os japas???

    Revoltei!

    ResponderExcluir
  7. georgia, muito forte mesmo.

    paula e rui, como diz o personagem do sean penn, faz todos ficarem como cães (no mal sentido)

    dê, eu tive que fazer força pra não largar. terrível mesmo. padeci!

    candida, é realmente impressionante.

    quintela, vc vai gostar.

    tati, eles não rebaixam os japoneses, eles só encurtaram o resultado pq o filme estava muito extenso. o filme é impecável.

    ResponderExcluir
  8. FILMAÇO! assisti em DVD comprado pela minha tia numa coleção de DVDs que saiu pelo jornal O Globo. Como vc disse o ritmo do filme é lento, mas como o roteiro é tão bem cuidado e a direção do Mallick tão segura, vale cada fotograma. Espetacular!

    E o Nosferatu (ambos, o do Murnau e o do Herzog) também é brilhante.

    Cultura? Informação? desabafo?

    http://robertoqueiroz.wordpress.com
    http://pequenos-takes.blogspot.com

    ResponderExcluir

Bons comentários!