sexta-feira, 10 de abril de 2009

BBB9

Assisti ao Big Brother Brasil 9 na TV Globo e no PPV. Esse ano acompanhar o Big Brother teve um canal a mais, o PPV. Em um sábado à noite de festa a Marion toda animada falava dos brothers na festa e o Multishow já tinha parado a exibição. Ela comentou que tinha sido muito fácil já que ela tem também o telefone da NET. Eu não tenho, resolvi tentar pelo telefone da Telefonica e já me imaginei pendurada esperando atendentes me entenderem e que eu ia desistir. Mas a NET está impressionante. Parabéns! Eles já têm o meu telefone no cadastro. Foi tudo eletrônico e se demorou 5 minutos foi muito. Cliquei em PPV, depois qual programa queria. Cliquei no sim e no parcelamento e pronto. Fui lá e o canal já estava liberado. Como a Marion achei meio enganação o Mosaico. Só passavam dois ambientes, mesmo a tela dividida por quatro e não era possível escolher uma dos quatro e assistir por inteiro. Mas amei o PPV. Normalmente eu aproveito mais o BBB nos dois primeiros meses, janeiro e fevereiro. E fico frustrada de pouco acompanhar em março. Na edição do Alemão eu perdi a final e se não fosse a Marion gravar, eu não teria conseguido ver. Com a crise essa edição ajudou a ocupar meu tempo, a me divertir e vi tudo, até o final.


Um dos motivos que mais queria o PPV era a animação do Lado B. Enquanto nos outros anos não ter o PPV me fazia perder brigas, nesse eu perdia momentos de muita, mas muita diversão. O BBB teve muitas novidades esse ano. Logo no início os brothers foram divididos em 3 grupos. Casa de Vidro dentro de um shopping. E dois lados na casa. O A que tinha a piscina, mais quartos e confortos e um muro que separava o Lado B, sem camas pra todos sem pouca área que não morressem de calor. E foi esse Lado B que me conquistou e provavelmente também o Brasil. Era uma animação só, brincavam, se vestiam de mulher, faziam caricaturas, dançavam, criavam coreografias hilárias, uma diversão só.


E logo no início que já escolhi a minha favorita, a Francine. Assim que ela estava morrendo de calor, mesmo tendo concorrido há vários concursos de miss, mesmo parecendo de porcelana, resolveu tomar banho de bacia. Colocou um biquini e não pensou duas vezes em se esparramar em uma bacia que mal dava pra ela. Não se preocupou em ficar ridícula. Atitude que levou até o fim do programa. Ela dançava engraçado, fazia piadas engraçadas, nunca me diverti tanto. Adorava as meias da Francine, as roupas, ora bonitas, ora engraçadas, as calcinhas, muito fofas. Ela acabou tendo um relacionamento com o Max. Foi uma edição de controvérsias. Várias vezes duvidamos de resultados. Quando o Ralf saiu, nas enquetes era a Ana que sairia. Quando a Ana saiu, nas enquetes era o Max que sairia. E outros paredões. Mesmo o final há quem duvide. Eu confesso que fiquei com o pé atrás. Mas li que a torcida do Max era muito grande. Também li que o telefone tinha um peso muito maior. E o Brasil todo votava, não é tão informatizado como imaginamos, pode ser que foi verdade. Vai saber. Eu não morri de amores que o Max ganhou, mas não me aborreceu. Amei que no final ficaram três do Lado B. Mesmo a Naná tendo apontado o dedo na cara do Lado B e dizer que ia delirar quando eles começassem a votar neles mesmos. O que quase não aconteceu. Os laços de amizade eram tão fortes, que prevaleciam na maioria dos votos. Na final ficaram Francine, Max e Priscila. Nas enquetes a Francine era a que menos ganharia. Depois vinha o Max com uma pequena distância da Francine. E disparado na frente a Priscila. Ganhou o Max.


Nessa edição a TV Globo queria acabar com a colônia de férias que tanto derrubou o ibope no ano passado. Agora todos conhecem o jogo e no ano passado fugiam de conflitos para apagadinhos chegarem ao final. Então a Globo dividiu a casa em três partes, depois tirou o muro mas já haviam rivalidades e grupos. Criou o quarto branco, o telefone funcionou e aterrorizou muito. Fizeram muitos joguinhos ingênuos com plaquinhas de quem é o mais invejoso, preguiçoso, que gerou muitas discussões entre eles. Nessa edição também foi constante a divisão entre quem comia na Xepa e quem comia na casa. O que ajudou aos Brothers não engordarem. Toda semana tinha a prova da comida. Uma semana ainda o Video Game fez o programa dentro da casa. Com isso o jogo não ficou monótono. Foi o ano que o Pedro Bial mais apareceu, quase todo dia ele aparecia. Tanto que mostrava no final muita exaustão. A seleção também foi muito diferente. Os candidatos podiam ainda se inscrever no site, falar entre si e inclusive vários se conheceram do lado de fora da casa antes do jogo, o que não comprometeu a edição. Como sempre a edição dos programas, as brincadeiras, foram impecáveis. E muito divertidas. Adorava as formiguinhas com bolinhas de sabão cantando para a Ana.



Adorei ainda as provas. Foi o ano de maior assinatura do PPV, também eles parcelaram em três vezes e ficou razoável. E com muitos merchandising. E funcionou muito bem. Parabéns a Antarctica que fez um carrossel maravilhoso! E a banheira lilás da Listerine, que provas bonitas. Gostei ainda das provas da Doriana, Fiat, Ponto Frio e da Super Bonder. Só esse ano a prova da Duracell não foi nem bonita nem inteligente. Gostei muito também da Garoto levar dois Brothers para conhecer a fábrica e dois Brothers foram para o Carnaval da Bahia. Que eu me lembre foi a primeira vez que os brothers foram tão longe. Eu amei essa edição e acho que esses recursos ajudaram muito.

Música do post: Beyonce - If i were a Boy

Youtube: BBBClipe: Max e Fran
Youtube: BBBClipe: O Lado B do BBB

From Mata Hari e 007


Beijos,

Pedrita

7 comentários:

  1. Pedrita, eu também adorei ver pelo ppv. Foi a minha primeira vez acompanhando um BBB assim. Gostei muito ver os participantes sem edição, deu para perceber bem como era cada um deles.
    A Fran foi a minha preferida também. Me encantei por ela e torci e votei muito na final nela. Eu gostei do resultado, na verdade na hora fiquei com raiva, pois peguei uma implicância braba com o Max, mas depois fiquei contente com a vitória dele. Venceu o cara que foi lá para jogar e que foi ele mesmo. E o Lado B venceu! :) Ah e adorei a edição do último programa ter colocado a cena em que a Maíra chamou a Fran de burra, finalmente a versão da Fran sobre a briga foi mostrada para todos, pois ninguém nunca acreidtou nela.

    Foi um BBB marcante mesmo. E já estou com saudades da Fran!

    Beijos e agora é esperar pelo próximo!

    ResponderExcluir
  2. Você está falando sério, minha cara? Meio por acaso, vi cerca de dois minutos (nos anteriores, nem isso!) e me pareceu o suficiente para fugir do programa. Mas, caso você esteja falando sério, respeito a sua opinião, embora me pareça algo estranho...

    Um beijo.

    ResponderExcluir
  3. Pedrita, acho BBB a tragédia do gosto nacional...rs mas não me furto a dar umas espiadas, embora tenha "perido" a final..por aí vc vê...rs
    Mas vim mesmo te desejar uma doce Páscoa, com muito colehinhos e chocolates!!!Um beijo!!

    ResponderExcluir
  4. corrigindo aí em cima: "perdido a final" e "coelhinhos" rss, meus dedos teimam em errar...sorry, outro bj!

    ResponderExcluir
  5. marion, o ppv dá pra ver melhor os participantes, mas acho que as edições são bem feitas tb. a fran nunca explicou as agressoes da maíra, nunca falou q a maíra tinha chamado ela de burra e a maíra se aproveitou dessa omissão. tb gostei q todos viram o q realmente aconteceu. pena que não mostraram a infinidade de vezes a maíra disse que a fran era maluca, desequilibrada e tinha que se tratar.

    moacy, eu não acho estranho gostar de uma gama variadas de ações culturais.

    celia, não acho uma tragédia o bbb. os bbb proporcionam muitas discussões familiares, conversas. toda ação cultural provoca reações e são as reações que devemos pensar, não as ações. eu tb qd escrevo rápido troco tudo. era o hortolino troca letra né? não era o coelhinho troca letra. hehe.

    ResponderExcluir
  6. Minha cara: Meu gosto é bastante variado, e vai de Oscarito a Charles Chaplin, de forró pé-de-serra à música barroca, de poesia de cordel a João Cabral de Melo Neto, e assim por diante. Já o BBB, pelo menos para mim, insere-se numa categoria difícil de ser consumida. Com todo o respeito, continuo achando estranho, como acho estranho, por exemplo, alguém preferir axé music à sonoridade mágica do frevo. Aliás, por isso mesmo, fujo do carnaval da Bahia como o diabo foge da cruz. Já o carnaval do Recife antigo...
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  7. desde que foi criado este programa nunca consegui assistir,,,

    ResponderExcluir

Bons comentários!