terça-feira, 7 de abril de 2009

No Calor da Hora

Terminei de ler No Calor da Hora (2008) de João Marcos Coelho. Esse livro é da Algol Editora e traz entrevistas do autor que ele escreveu para os jornais O Estado de S.Paulo, Folha de S.Paulo, Valor Econômico e para a revista Veja. Muitas entrevistas foram realizadas com grandes músicos e intelectuais nas décadas de 70 e 80. Gostei muito! Mapeia bastante o pensamento dessa época. Alguns trechos são datados, mas mostram historicamente aquele período. O subtítulo do livro é Música & Cultura nos Anos de Chumbo.

São entrevistas com Gilberto Mendes (foto), Willy Corrêa de Oliveira e Almeida Prado. No bloco de entrevistas com personalidades do jazz estão Sarah Vaugham e Betty Carter. Entre os intelectuais entrevistados alguns são: Antonio Candido, Alfredo Bosi, Sérgio Buarque de Holanda (foto abaixo), Florestan Fernandes e Antonio Callado.


Eu anotei vários trechos de No Calor da Hora de João Marcos Coelho, vou selecionar alguns:
“A marginalizada, frequentemente atacada e sempre desconhecida música nova – a que está sendo criada em alguns poucos centros com muito esforço e quase sem apoio algum de qualquer ordem – saiu de seus subterrâneos nesses últimos dois meses, para um confronto de resultados imprevisíveis com o público.”

“A ideia deste livro é apenas documentar a resistência tal como praticada nos anos de chumbo pelos músicos e compositores brasileiros contemporâneos.”

Caio Pagano: “A partir de 1972, entendi que o único caminho para o músico atual está em praticar a música contemporânea.”


Gilberto Mendes: “Inclusive, eu não me canso de repetir, a gente não faz esse negócio com o objetivo de conquistar o público, de encher salas. Esse é sempre o problema quando vamos buscar patrocinadores, seja a Secretaria de Cultura de Santos ou a Funarte. Esses patrocinadores querem público. Então a gente tem que explicar que este é um festival de uma música muito reservada, uma música muito impopular. Se a música erudita em si não tem o grande público que possui a música popular, imagine então a música erudita nova, de pesquisa, que está no estágio mais atual do processo de linguagem da música do Ocidente. Essa música não pretende atingir o público. Por isso não nos desaponta ver uma sala vazia.”

Youtube: ÚltimoTango em Vila Parisi - Gilberto Mendes



Beijos,

Pedrita

4 comentários:

  1. Fiquei curioso, gosto de ler entrevistas, mesmo datadas: na minha volta ao Rio, vou procurá-lo.

    Um beijo.

    ResponderExcluir
  2. Olá Pedrita

    Hoje é só para lhe desejar uma Páscoa muito feliz e com muitas amêndoas.
    Tenho um ovinho de Páscoa para si:)

    Beijinho
    Isabel

    ResponderExcluir
  3. gostei,
    mas agora to lendo
    que eh filosofia? de um filosofo espanhol.

    ResponderExcluir
  4. moacy, eu tb gosto de livros históricos.

    isabel, obrigada querida.

    olho de pombo, esse livro deve ser bacana.

    ResponderExcluir

Bons comentários!