segunda-feira, 6 de abril de 2009

Os Noivos

Terminei de ler Os Noivos (1840) de Alessandro Manzoni. Eu comprei esse livro em um sebo há uns anos por R$ 2,00. É daquela edição da capa vermelha da Editora Abril e o sebo que costumo ir tinha colocado vários há R$ 2,00. Liguei para a minha irmã e vi pra nós duas aqueles que não tínhamos. Esse é absolutamente maravilhoso! É um livro dentro da cultura cristã, ambientado em 1628, mas nem por isso deixa de fazer algumas críticas a pessoas, entre eles um padre, e não a instituições, que cometem abusos e atos de covardia. Esse livro foi transformado em ópera e teve várias versões para o cinema.

Obra Sansão e Dalila de Francesco Furini

Fica clara a visão cristã onde aquele que pratica o bem será recompensado. Quem pratica o mal sofre com a própria vida. Uma visão menos realista e mais romântica. Seria muito bom se o bem sempre vencesse e o mal pagasse pelos seus pecados. Mas a vida raramente é justa.

Dois fatores quero descobrir se ainda existem na religião católica nos dias de hoje. Uma é que disseram que se um casal chega em frente a um cura com testemunhas e diz "essa é minha mulher" e a mulher diz, " esse é o meu marido", eles são considerados casados imediatamente. E que esse fato não é divulgado pela igreja porque eles não gostam de casamentos dessa forma.

Outra questão é a que um Frei disse, que não é válida uma promessa que é feita em nome de outra pessoa. Que outra pessoa pague a promessa. Se for verdade é algo que pode ajudar muito a jovens se livrarem de promessas de suas mães onde eles precisam se tornar religiosas porque a mãe prometeu em seu nome.


Obra Venus Attended by Nymphs and Cupids de Francesco Albani

Anotei alguns poucos trechos de Os Noivos de Alessandro Manzoni:



“O ramo do lago de Como, que se estende para o sul, entre duas cordilheiras, recortado em enseadas e golfos, segundo a linha sinuosa das montanhas, assume de súbito aspecto de rio, entre um promontório à direita e uma larga ribanceira à esquerda.”

“-O Senhor, filha, aceita os sacrifícios e as ofertas quando são só nossos, quando partem do nosso coração, da nossa vontade. Você não pode oferecer a vontade de outra pessoa com quem já estava comprometida.”



As pintoras e a composição são italianas realizadas na época em que o livro é ambientado.



Música do post: 20 Palestrina - Alla riva del Tebro



Beijos,

Pedrita

7 comentários:

  1. Peço desculpas por me desviar do tema do seu post mas senti a necessidade de lhe indicar um filme: Em Paris, que acabei de assistir no Telecine Cult pela quarta vez. Já assistiu à alguma coisa de Christophe Honoré?
    Acompanho seu blog e considero bastante suas resenhas. Espero que dê uma chance à ele.
    T'+

    ResponderExcluir
  2. Pedrita me pareceu um livro super interessante.

    Até porque gosto muito de ler livros de época.

    Bom dia querida!!!

    Bjus

    ResponderExcluir
  3. Olá Pedrita
    Gostámos de ler o texto e icámos com curiosidade em ler o livro.
    Beijinhos
    Paula e Rui Lima

    ResponderExcluir
  4. Pedrita,
    Venho agradecer e retribuir sua visita ao Luzes da Cidade. Vejo que você gosta muito de cinema.O cinema é um dos meus amores, ao lado da literatura, da música popular, entre outros. Um beijo.

    ResponderExcluir
  5. Olá!
    Fico pensando em como eu conseguiria trabalhar, cozinhar, viver enfim se vivesse em uma cidade onde se encontra livros em sebos a 2,00 reais.Ou 10,00 que seja!
    Iria viver para ler...
    Sabe inveja boa? Então...
    Beijos, querida.

    ResponderExcluir
  6. magnus, anotei.

    georgia, paula e rui, acho que vão gostar.

    quintela, obrigada.

    francisco, obrigada. eu adoro cultura. é que cinema é o mais tranquilo de ver e mais ao alcance.

    elaine, no dia que terminava o livro eu não sabia se terminava, se via o filme que tinha anotado. se lia o capítulo de outro livro. nossa, foi uma agitação. nem sempre é assim. mas que é bom se perder em tanta cultura, ah é.

    ResponderExcluir

Bons comentários!