quinta-feira, 25 de junho de 2009

Estamira

Assisti Estamira (2006) de Marcos Prado no Canal Brasil. Esse documentário premiadíssimo mostra um pouco da vida de Estamira, uma senhora com problemas mentais. Eu achei muito interessante que apesar dela viver no lixão, dormir lá algumas vezes, ela tem uma casa muito asseada, anda sempre vestida com dignidade. Ela tem vários filhos, alguns têm dificuldade de aceitar as loucuras da mãe. Para nós que estamos de fora não parece muito complicado compreender e aceitar essa mulher e o seu universo próprio. Ela guarda com cuidado a carteirinha com os retornos ao posto de saúde, que faz regularmente e toma regularmente os remédios. Mais equilibrada e lúcida que muitos. Quem convive com ela deve ser mais difícil respeitar as escolhas dela, mas no lixão ela tem amigos, um grupo ao qual pertence, se sente incluída, já que muitos lá tem perturbações parecidas com as dela.

São muito impressio-nantes as cenas no lixão. A formação dos gases e a com-preensão de Estamira sobre essas questões. Claro que em vários momentos ela parece mais lúcida que todos nós, mas um dos filhos, que mostrou fotos da Estamira jovem com marido e filhos, disse que a Estamira foi muito religiosa. Portanto é possível perceber no discurso da Estamira os sermões que religiosos fazem, principalmente aqueles que não sabem muito bem o que dizem, mas que utilizam palavras de efeito, trechos da Bíblia para parecer que é algo realmente profundo.

Alguns dos prêmios que Estamira ganhou foram: Melhor Documentário - Júri Oficial no Festival do Rio, Melhor Documentário na Mostra Internacional de São Paulo, Menção Especial no Festival de Londres, Melhor Documentário no Festival de Karlovy Vary, Grande Prêmio do FIDMarseille, no Festival Internacional do Documentário de Marseille, Melhor Filme - FIPRESCI, no Festival de Viena, 3º Prêmio Coral de Documentário e o prêmio de Melhor Documentário em Memória a Pablo de la Torriente Brau, no Festival de Havana, Grande Prêmio de Cinema de Direitos Humanos de Nuremberg, Prêmio SIGNIS de Melhor Documenário, no 18º Reencontro de Cinema Latino-Americano de Toulouse.





Beijos,

Pedrita

7 comentários:

  1. foi a primeira vez que um filme brasileiro ganhou todos os grandes premios do festival de Marselhe....
    e eu fico orgulhosa disso ja que a minha filha Moema Pombo estava assistente de edição deste filme e foi quem foi a Cuba levando o filme junto como Marcos Prado....

    ResponderExcluir
  2. Assisti a este documentário só não me lembro quando nem onde. Muito bom. Aliás, os documentários brasileiros têm se mostrado extremamente bons e com muita qualidade técnica.
    Denise

    ResponderExcluir
  3. Gostei muito de "Estamira", quando o vi: um documentário feito com seriedade e sensibilidade.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  4. Preciso assistir. Gosto muito de documentários.

    ResponderExcluir
  5. Você acredita que já passou aqui. Assistimos já tem um tempo, ficamos fascinados com esse documentário.

    Bjus e bom fim de semana

    ResponderExcluir
  6. Vi no cinema, há muito tempo, e lembro que o documentário mexeu muito comigo....achei maravilhoso o jeito com que a história foi conduzida.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  7. olho de pombo, eu que fico orgulhosa de conhecer via blog.

    georgia, esse documentário foi premiado no mundo todo, isso deve ter ajudado na exibição. fico orgulhosa de um produto brasileiro ter passado em outros países.

    ResponderExcluir

Bons comentários!