sábado, 22 de janeiro de 2011

Rio das Flores

Terminei de ler Rio das Flores (2007) de Miguel Sousa Tavares da Companhia das Letras. Comprei esse livro por um acaso. Eu tinha ido na Livraria João Alexandre Barbosa na USP e descobri que duas editoras estavam com vários livros há 50% de desconto. Esse foi um deles. É fascinante! Esse autor português relata a história de dois irmãos que nasceram em uma grande fazenda em Portugal. A vida deles é permeada de vários fatos históricos, no final há uma extensa biografia de pesquisa. Eles passam pela ditadura de Salazar, Segunda Guerra Mundial, Hitler, Mussolini, o Estado Novo de Getúlio Vargas, Coluna Prestes. Nos agradecimentos no final o autor menciona uma pessoa que contou a história de um português que trocou Portugal pelo Brasil e que viajava de zeppelin. Com essa história na cabeça ele criou esse livro.

Obra Ponte (1914) de Amadeo Souza-Cardoso (esse pintor é mecionado na obra)

Na capa está escrito: "Do autor de Equador". Obra que é muito elogiada e que agora quero ler.

Trechos de Rio das Flores de Miguel Sousa Tavares:

“Diogo Ascêncio Cortes Ribera Flores – conforme constava do seu registro de baptismo – tinha quinze anos de idade quando o pai o levou pela primeira vez a ver uma tourada.”

“Os Jesuítas, ao menos, dedicavam-se ao ensino, à instrução pública, às missões nas colônias. Não ficavam aí, pelas aldeias, a fornicar e a fazer filhos sem pai às beatas de sacristia, pregando virtudes vãs, enquanto enchiam a barriga do bom e do melhor e fingiam seguir os mandamentos do Evangelho.”

“Espero bem que tu, que és tão igualitário, o venhas a perceber por ti, porque, se o não perceberes, não vais pertencer a mundo nenhum: os iguais a ti desprezar-te-ão como um renegado e os de baixo não te reconhecerão como um dos seus.”


Coloquei a interpretação da fadista Amália Rodrigues porque ela é mencionada na obra, inclusive um dos irmãos vê uma apresentação dela no Rio de Janeiro.




Beijos,
Pedrita

6 comentários:

  1. Miguel de Sousa Tavares é jornalista e comentador político nas televisões portuguesas, filho de um dos grandes jornalistas nacionais do século XX e de uma das maiores poetisas de Portugal: Sofia de Mello Breyner.
    A escrita dele é clara, mas relativamente corrida, talvez influência da sua profissão. O seu livro mais conhecido é "Equador", passado no fim da monarquia portuguesa e tem como cenário principal as ilhas de São Tomé e Príncipe.

    ResponderExcluir
  2. Que interessante!! mas um livro pra lista vamo ver qd eu começo a ler todos esses...
    Eu tenho o proposito de terminar de ler os Miseraveis ate o fim do ano vamos ver se consigo
    Bjo

    ResponderExcluir
  3. Nossa deve ser muito bom. Adorei essa citaçao do reconhecer onde se pertence para poder pertenceer.
    Bjos

    ResponderExcluir
  4. geocrusoe, até acho o texto bastante extenso para um jornalista, mais parece um jornalista de revistas e eu gostei bastante do estilo. quero ler agora equador.

    gammelo, acho q vai gostar.

    camille, o livro é fantástico!

    ResponderExcluir
  5. Valeu a dica.Não conhecia este livro. O seu blog é muito bom. Por que não abre lista de seguidores? Eu seria um deles.

    ResponderExcluir

Bons comentários!