domingo, 31 de março de 2013

Bricando com a Morte

Assisti a peça Brincando com a Morte no Teatro Cultura Artística - Itaim. Eu e minha mãe nos divertimos muito. A direção é de Alexandre Tenório. Com um texto excelente do dramaturgo inglês Joe Orton, escrita em 1966, a peça fala com humor negro da fé. Fiquei pensando se eles infringem todos os mandamentos, alguns consegui numerar. A adaptação é de Eduardo Muniz.

Um homem, criador de uma irmandade, recebe uma carta anônima de que sua mulher o está traindo. Um faz tudo aparece e pede para investigar. Esse personagem do faz tudo é muito engraçado, ele aceita qualquer coisa pra trabalhar e negocia com todos para aumentar o seu faturamento. Brincando com a Morte fala muito da utilização e manipulação de interesses dúbios para o enriquecimento ou prazer usando a fé dos outros como instrumento. O texto é inteligente e ácido. O gostoso é descobrir as peripécias deles. O elenco é todo excelente: Fernanda Couto, Edu Guimarães, Kiko Vianello, Tadeu Di Pyetro e Rodrigo Sanches. Toda a ambientação é ótima, os cenários são de Chris Aizner, a iluminação de Caetano Vilela, a trilha sonora de Dr. Morris e os figurinos de Theodoro Chocrane. Bricando com a Morte fica em cartaz até  2 de junho.

As fotos são de Alexandre Catan
Beijos,
Pedrita

2 comentários:

Bons comentários!