terça-feira, 16 de julho de 2013

Hannah Arendt

Assisti no cinema Hannah Arendt (2012) de Margarethe Von Trotta. Eu queria muito ver esse filme ainda mais depois do post da Camélia de Pedra. E esse filme está dando um boca a boca incrível, tanto que a fila era enorme e os cinemas de São Paulo subestimaram a força do filme. Muita gente não queria comprar para outra sessão e esperar muito e foram embora. Em São Paulo está em duas pequenas salas. O ingresso custa 24 reais e a taxa de compra pelo ingresso rápido na internet é de 3 a 4 reais. Eu tenho em uma lista o livro da Hanna Arendt e sinto culpa porque até hoje não adquiri nem li nenhum, espero que agora eu corrija esse erro.

O filme Hannah Arendt relata o período que a filósofa, que não gostava de ser designada dessa forma, vai cobrir pelo New York Times o julgamento de um nazista. Esse nazista foi sequestrado e levado para Jerusalém para ser julgado. Lá ela se surpreende com um burocrata, que cumpria ordens, que aparentemente não se preocupava com os desdobramentos de seus comandos. Ele definiu que os judeus iriam em trens, mas não se sentia responsável com a forma com que foram levados, com as mortes por superlotação dos vagões. Ele cumpriu a ordem. Hannah Arendt começa a avaliar esse tipo de mal, não o mal sádico e monstruoso de muitos nazistas, mas esse mal de fazer o que mandam, não importa o quê. Além dessa análise ela escreve outros fatores sobre judeus e mesmo tendo sido uma judia que seguiu para o campo de concentração, ela é duramente julgado pelos judeus.

Eu fiquei pensando que nós brasileiros podemos compreender esse comportamento burocrata, não aceitar, mas nos ser familiar, já que há uma cultura no Brasil do pensamento de que não é comigo. De muitos não se sentirem responsáveis pelos seus atos. O individualismo atual também leva a comportamentos burocratas e que sim, é um mal, quando não nos tornamos responsáveis pelos nossos atos, mesmo que seja outro que execute o mal que começamos. Barbara Sukowa está incrível como Hannah Arendt, um pouco diferente da grande filósofa, mas a atuação é majestosa. Seu marido é interpretado por Axel Milberg. Alguns outros do elenco são: Julia Jentsch, Janet McTeer, Ulrich Noethen e Nicholas Woodeson.

Beijos,
Pedrita

18 comentários:

  1. Já vou procurar aqui em Fortaleza qual cinema está passando para eu ir ver. E agora eu fiquei admirada com o preço do cinema que vc falou! Barato! Aqui é mega caro!!!
    Beijos
    Adriana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ah, não, é a taxa para comprar pela internet. eu sou cliente da livraria cultura e paguei meia entrada, 12 reais. mas comprei na bilheteria.

      Excluir
  2. Li sobre este filme em uma revista e fiquei muito curiosa. Obrigada pelo post, ficou ótimo, cheio de informações pertinentes!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  3. Eu nem fazia ideia desse filme e simplesmente adorei. Fiquei muito interessada! Em tudo, obrigada mesmo pela indicação!

    beijos,
    Bárbara

    www.pontoemcomum.com

    ResponderExcluir
  4. Que bom que voce viu e gostou Pedrita. Vai gostar dos livros tambem. Belo post.
    Bjos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. camille, eu que agradeço o comentário.

      Excluir
  5. Oi Pedrita,
    Vou esperar sair dos cinemas, mas vou querer assistir!
    Parece bem interessante, obrigada pela dica.
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. nina, eu quero rever depois de ler alguns dos livros de hannah arendt.

      Excluir
  6. Curioso...parece interessante :)
    Muito obrigada por sua visitinha em meu blog, fiquei muito feliz:)
    beijinhos
    www.jananogueira.com

    ResponderExcluir
  7. Lembrei do post no blog da Camélia de Pedra. Ainda não vi esse filme.
    Muito obrigada pelo seu comentário no blog. Seja sempre bem-vinda.
    Big Beijos
    Lulu
    http://luluonthesky.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  8. Este post me deixou com mais vontade ainda de assistir.

    ResponderExcluir
  9. Nem sabia deste filme. Eu sou fã da Hannah Arendt deste tempos de estudante. Foi muito importante o trabalho dela sobre o totalitarismo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. enaldo, é o livro que quero ler primeiro.

      Excluir
  10. Eu li alguns capítulos do livro que baseou esse filme, chama-se "Eichman em Jerusalém", realmente o que causa espanto na Hannah é o caráter burocrático com que as mortes de judeus eram tratados. Pessoas morriam por causa de uma banal canetada num papel autorizando um genocídio. Acho que se você quiser fazer uma comparação dá para pegar o filme "O leitor" e perceber exatamente isso na cena da igreja pegando fogo. Pessoas cometendo atrocidades por causa de ordens superiores. É uma grande denúncia da falta de reflexão, do conformismo e também de pessoas que seguem fanaticamente uma ideologia. Não gosto muito da autora, mas vale a pena tirar suas prórprias conclusões.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. hannah é uma grande autora. e falar da banalidade é fundamental nos dias de hj. e muitos torturadores na ditadura foram cumpridores de ordens.

      Excluir

Bons comentários!