segunda-feira, 15 de agosto de 2016

Síria em Fuga

Assisti ao documentário Síria em Fuga de Gabriel Chaim na GloboNews. O jornalista viaja a Síria para mostrar a devastação da guerra. Começa com a história do menino que aparece morto na praia e o pai pedindo perdão a família. O pai diz que todos os dias pede perdão. A mulher e seus dois filhos morreram no mar.

Depois vem o jornalista e um câmera nas cidades devastadas pela guerra, as poucas crianças que ainda moram lá, o médico que já morreu socorrendo feridos de combates. Sempre me surpreendo com esses heróis que vão a zonas de guerra fazer matérias. Ele consegue ir disfarçado para regiões perigosas, entrevistar pessoas que ainda resistem em ficar lá.

Mostra as precárias condições dos campos de refugiados com muito frio, lama e fome. Síria em Fuga concorre ao Emmy Internacional. Dá pra assistir no Now, GloboNews, Documentário.
Beijos,
Pedrita

18 comentários:

  1. A COMUNIDADE internacional é que tem que pressionar para acabarem de matar os povos que vivem nos seus proprios paises e não brigar para dar abrigo ruim nos paises outros! Tem que fechar as fabricas de armas. E acabar a cobiça pelo petroleo e gas natural que existe em abundancia por baixo desses paises em eternas guerras...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. fatima, por enquanto as pessoas precisam ser integradas a sociedade. se a comunidade conseguir parar a guerra, reconstruir, pode começar a apoiar a volta dos sírios a sua terra. negar acolhê-los é cruel demais.

      Excluir
  2. Uma das vergonhas dos tempos atuais e será difícil inocentar muitos povos e governantes por esse mundo fora nas causas desta catástrofe humanitária que prossegue nos nossos dias.

    ResponderExcluir
  3. Gosto bastante deste tema, até porque basta olharmos à nossa volta e estamos completamente rodeado dele. Vou ver se consigo ver esta noite o documentário, depois digo se gostei. Beijinho.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. maria, eu fico tentando entender pq é muito trágico. me diga sim.

      Excluir
  4. Olá Pedrita
    Gosto de assistir a documentários assim, para sempre lembrar de como somos felizardos por não viver nesta perseguição.
    Bjs

    http://eueminhasplantinhas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. simone, fiquei exatamente com essa sensação, de que meus problemas são pequenos.

      Excluir
  5. Infelizmente é um ciclo que se repete. Desde criança, lembro da fome na Somália e na Etiópia causada por conflitos, depois as sangrenta guerra no Sudão, o massacre em Ruanda, a guerra dosa Balcãs e assim por diante, sem contar Iraque e Afeganistão.

    Bjos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. hugo, é verdade, o ser humano está sempre matando outro individualmente ou coletivamente.

      Excluir
  6. Pedrita,
    A imagem daquela criança morta na praia, não saiu da minha cabeça. Outra imagem marcante é de um pai dando banho na banheira em suas crianças diante os escombros.

    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. andréa, nunca sai e foi desolador ver novamente no documentário. pensei em até colocar no post, mas emocionalmente não consegui.

      Excluir
  7. Oi Pedrita,
    Deve ter sido ótimo esse documentário. Triste relato da realidade.
    big beijos

    ResponderExcluir
  8. Olá Pedrita
    Não assisti o documentário, vou programar para ver. É tão triste a situação dos refugiados.
    Li uma matéria essa semana que os governantes dos países para onde eles se dirigem querem providências "mais" rigorosas para impedir que entrem por desestruturarem econômica e socialmente os países!
    Diálogo, apresentação de soluções e solidariedade cadê??
    Bjs Luli Café com Leitura na Rede

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. luli, eu entendo q refugiados demais desestabiliza a economia. mas a questão não é econômica e sim social. triste mesmo.

      Excluir
  9. Vi esse documentário e fiquei chocada com o Jornalista Gabriel Chaim, se dizendo-se assustado de está naquele local.
    Acho que ele até teve medo de desistir porque não tinha como sair.
    Terrível.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. liliane, acho que ele está acostumado a fazer matérias em áreas de risco. mas pelo o que eu vi no documentário ele foi em áreas proibidas, como sírio. e aí ficou muito tenso.

      Excluir

Bons comentários!