segunda-feira, 26 de setembro de 2016

Águas do Alto Tietê

Fui ao lançamento do livro Águas do Alto Tietê na Biblioteca Mário de Andrade. Inicialmente os autores Arnaldo Sérgio Kutner, Marco Antonio Palermo e Renato Mattos Zuccolo deram uma palestra sobre o livro que é escrito por engenheiros e geólogos que estudaram por anos as questões hídricas do Alto Tietê. Falaram do tamanho, que corta todo o estado de São Paulo, da complexidade.

Também participou da palestra o compositor brasileiro Ronaldo Miranda que falou do recital que aconteceu em seguida. O grupo pediu que Ronaldo Miranda compusesse uma obra sobre o Tietê baseado no texto de Mário de Andrade. Miranda falou da complexidade que é compor uma obra com base em um texto de natureza modernista. Eu gostei demais. Os músicos foram Luciana Bueno, canto, Ricardo Ballestero, piano, Luís Afonso Montanha, clarineta e Ricardo Bologna, vibrafone. Eu adoro esses músicos, a obra é linda. No livro há o CD com essa obra. Montanha e Bologna interpretaram ainda a Bachianas Brasileiras nº 5 de Villa-Lobos para clarineta e vibrafone, muito linda essa versão.

Luciana Bueno e Ricardo Ballestero ainda interpretaram algumas canções de Villa-Lobos, Lorenzo Fernandez, Camargo Guarnieri e Francisco Mignone. Músicas com textos de Mário de Andrade, Cecília Meireles, Vinícius de Moraes e Manuel Bandeira. O recital foi gratuito. Lindo demais!

Os vídeos não são da apresentação. São com músicos, composições relacionados ao recital.


Beijos,
Pedrita

12 comentários:

  1. Olá Pedrita!
    Deve ser um livro rico e interessante, quem sabe depois
    dessa obra os governantes façam um projeto e colocam em
    prática para despoluir o rio.

    Beijinhos ♥

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. andréa, durante a palestra disseram que leva uns 10 anos para a conclusão da obra para transformar o tietê em um rio habitável. por isso os governos atuais, todos. e os seguintes, precisam se empenhar. o problema é q são várias gestões, e aí ninguém quer dar o mérito ao que realizar a conclusão. os políticos são imediatistas porque visam, na maioria, o seu próprio bolso, não a cidadania e um melhor lugar para viver.

      Excluir
  2. É incrível a capacidade do homem em destruir a natureza.

    A Rio Tietê é um triste exemplo.

    Bjos

    ResponderExcluir
  3. Incrível é a capacidade dos brasileiros destruir tudo que tem na sua frente.
    Não é só o Rio Tietê. São todos os Rios, os lagos, as praias.
    Eita povo podre!
    E o evento cultural deve ter sido muito bom.

    ResponderExcluir
  4. Deve ter sido um momento especialmente interessante para quem conhece de perto o caso, mesmo à distância é um assunto de que gosto sempre de ler e leio em paralelo com a literatura de ficção.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. carlos, verdade, vc ia gostar muito do livro. mas acho que vai ter distribuição reduzida por aqui.

      Excluir
  5. Cultura e conhecimento geográfico. Muito bom.

    ResponderExcluir
  6. Olá Pedrita!
    Estou encantada <3
    Sempre que assisto algum filme sobre rios no exterior com aquelas mesas de restaurantes e bancos nas pontes ou sobre Veneza por exemplo, penso que o Tietê poderia ser assim.
    Claro que é uma utopia, surreal, mas imagine que uns 100 anos atrás o transporte era feito por meio de barcos e se pescava nele!
    A sua nascente é belíssima, um tiquitito de água cristalina e pura que avança para se contaminar e se degradar na grande capital.
    Falta de investimento? Sim.
    Falta de cidadania, onde se joga lixo sem pensar uma única vez? Sim.
    Falta de consciência ecológica? Também.
    Mas não é o planeta nossa segunda casa? Ou pelo menos deveria ser. Será que está tudo mesmo perdido?
    Pense em compor uma obra sobre o Tietê, que delicadeza e ao mesmo tempo que monumental!
    Geografia, história, literatura, música, cultura, ecologia, cidadania, poesia, esperança e futuro.
    E ainda tem CD acompanhando o livro.
    Perfeito!
    Bjs Luli
    Café com Leitura na Rede


    ResponderExcluir
    Respostas
    1. luli, como disse para a andréa, os políticos são imediatistas. por isso não se empenham no rio tietê.

      Excluir

Bons comentários!