domingo, 8 de janeiro de 2017

Ovono

Assisti a peça Ovono (2016) da Kompanhia Centro da Terra no Centro Cultural Banco do Brasil São Paulo. Texto e direção geral de Ricardo Karman. Para tudo!!!! Para tudo!!! Vocês sabem o quanto amo ficção científica. E uma peça de teatro? Não imaginam como estava ansiosa pra ver. Só consegui ir na reestreia.

Logo que começou fizeram reverências ao maravilhoso 2001 Uma Odisseia no Espaço do Kubrick e eu comecei a ter palpitações. Que emoção!!! Parecia que eu estava em um estúdio de cinema acompanhando as filmagens. 

Os atores estão dentro de uma bolha, quase tudo acontece ali. São várias tramas incríveis entrecortadas, mas a história central é que um osso gigante, que só aumenta, irá entrar em colisão e destruir a terra. 

Antes acompanhamos a criação do Ovono. Um cientista cria uma mente, é criança ainda, e está treinando-a com princípios e valores. Mas um militar quer que ele treine Ovono para os seus propósitos. O cientista mata o militar e Ovono vê. 

Quando a terra está para ser destruída só Ovono e uma criança podem ir até o osso destruí-lo com uma bomba atômica. A criança foi treinada em países terroristas para obedecer tudo. O texto é tudo cheio de questões subliminares, absolutamente incrível. Vai demorar para todo o impacto do espetáculo sair de dentro de mim. Não paro de pensar. 

É muito incrível ver que tudo aquilo passa na nossa frente. Em filmes de ficção científica, utilizam a tecnologia, fazem várias vezes para dar o resultado, editam para ficar impecável. E no teatro? Que loucura fazer a cada sessão toda aquela magia na nossa frente, toda a tecnologia ao vivo, animação, texto, efeitos. Nunca vi nada parecido. Maravilhoso!!!!

É muita, mas muita gente trabalhando para a mágica funcionar impecavelmente. Vou colocar todos os nomes aqui para não cometer o erro de esquecer algum que seja responsável por uma ferramenta importante para tudo funcionar:

Espetáculo: OVONO 
Texto e direção geral: Ricardo Karman
Direção de animação e vídeo: Amir Admoni 
Direção de projeto multimídia: Tito Sabatini
Elenco: Gustavo Vaz, Paula Arruda, Paula Spinelli, Fábio Herford, Bruno Ribeiro e César Brasil.
Participação/vídeos: Lulu Pavarin, Vivian Bertocco, Beatriz Bianco e Vivian Vineyard.
Assistência de direção: Bernardo Galegale
Figurino: José de Anchieta
Iluminação: Domingos Quintiliano
Cenografia: Ricardo Karman
Dramaturgista: Rui Condeixa Xavier
Projeto e consultoria de inflável: Otávio Donasci
Consultoria de imagem: Hugo Mendes e ​Damian Campos
Equipe de suporte de projeção: Angelo Bag, Damian Campos e Hugo Rodrigues
Trilha sonora: Raul Teixeira e Rodrigo Florentino
Operação de som: Rodrigo Florientino
Operação de luz e vídeo: Leonardo Patrevita
Animação: Amir Admoni e Fabrício Melo
Rigging / verme: Leonardo Cadaval
Animação verme: Diego Souza
Videorreportagem: César Brasil
Assistência de luz para montagem: Marcos Rogério Fávero e Vinícius Requena 
Adereços: Marcela Donato, Paulo Galvão, Josué Torres
Consultoria de visagismo: Duda Marcondes
Contrarregragem: César Brasil, Bruno Ribeiro e Moisés Saron Lopes
Costureira: Lande Figurinos
Confecção de inflável: Juanito Cusicanki
Fabricação da calota: Marcelo Carlos da Macplast
Coordenação de produção e produção executiva: Vivian Vineyard
Administração: Norma Lyds e Emerson Mostacco
Projeto gráfico: Keren Ora Karman
Fotografia: Leekyung Kim
Assessoria de imprensa: Verbena Comunicação 
Idealização: Kompanhia do Centro da Terra
Realização: Centro Cultural Banco do Brasil
Patrocínio: Banco do Brasil
Copatrocínio: Sabesp
Só agora que vou ler as inúmeras críticas que saíram. O espetáculo Ovono fica em cartaz até 30 de janeiro. E os ingressos são baratinhos, R$ 20,00, menos que um cinema. Não deixem de ver, é muito, mas muito impressionante!
Beijos,
Pedrita

20 comentários:

  1. Parece ser muito interessante, principalmente considerando que é feito ao vivo. Feliz 2017.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. carlos, é isso, po ser ao vivo fica fascinante.

      Excluir
  2. Vendo as imagens deu pra notar que é mesmo maravilhosa essa peça.
    Só de imaginar já sinto palpitações.

    ResponderExcluir
  3. Não conhecia e já gostei! Acho difícil entender ficção científica, mas essa parece bem acessível, com temas sempre atuais.

    ResponderExcluir
  4. Pedrita, eu tinha lido na revista e fiquei curiosa, agora com o seu post fiquei realmente com vontade de ir. Beijos

    ResponderExcluir
  5. Que legal Pedrita, eu adoro teatro, mas já faz tanto tempo que fui a um, bjus.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. eu gosto de ir, vou bem menos do q gostaria. mas sampa é uma cidade repleta de bons espetáculos, vários com ingressos acessíveis.

      Excluir
  6. Respostas
    1. liliane, acho realmente que não gostaria.

      Excluir
  7. Pedrita vou tentar assistir Sete homens e um destino de 1960.
    Porque quero vê esse ator Yul Brynner,
    Só lembro que era careca. Acho que em todos os filmes eram careca.
    Danado em enfrentar outro filme dublado.

    ResponderExcluir
  8. Gostaria muito de ver esta peça. Pela resenha já percebi que ela aborda um monte de questões do momento e outras com forte viés filosófico, né? rsrs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. marly, é incrível. é isso mesmo o q disse no seu resumo.

      Excluir
  9. Pedritaaaaa que mara isso!
    Amei as imagens, me encantei <3
    É um híbrido multimídia!!!!
    teatro, mímica, vídeo, multiplural, animação e reflexivo :)
    Quero assistir *___*
    Bjs Luli
    Café com Leitura na Rede

    ResponderExcluir

Bons comentários!