sábado, 4 de março de 2017

Sacrifício

Assisti Sacrifício (2016) de Peter A. Dowling no TelecinePlay. Eu gosto bastante desse gênero. É bom. O fato de ser ambientado nos dias de hoje atrapalha um pouco, mas de qualquer forma é um bom roteiro. É  baseado no livro de Sharon Bolton.

Uma médica obstetra está indo fazer um parto quando perde o bebê que estava esperando. Passa um tempo e ela segue com o marido para uma ilha na Escócia, onde vive a família dele. Lá ela irá adotar uma criança.  Engraçado que ela é médica mas não desconfia que uma ilha tenha tanta criança disponível para adoção. E que muitas grávidas morassem em um hospital isolado até darem a luz. Ela consegue emprego no hospital da cidade, ajudada pelo pai do rapaz que é de uma família rica e tradicional do lugar.

Por um mero acaso ela acha um corpo enterrado sem o coração. Ela acaba vendo o raio-x e descobre que a morta estava com o útero aumentado porque tinha dado a luz pouco antes de morrer. Todos querem fazer ela acreditar que o cadáver era de séculos atrás, que o musgo da região não permite a decomposição. Mas ela começa a investigar. Ela é muito inteligente e vai começando a desconfiar. Há uns riscos em vários lugares e ela descobre que são escritas inspiradas em rituais antigos, mas as escritas são recentes. Toda a trama da investigação inicial é muito interessante. Ela acha uma artigo de uma universidade americana que fala desses rituais, vê que a moça foi morta da mesma forma.
A médica acha uma família que aceitou ajuda para tratar uma irmã com câncer e começa a descobrir toda a farsa. Mas a ilha fabrica um culpado, que assume todos os erros. É daí que o filme desanda um pouco. Primeiro, ela tinha acesso a internet, bons celulares, porque nunca avisou alguém de outra cidade? Porque não entrou em contato com o universitário pelos rituais? Por que não avisou a imprensa de outras cidades? Ela aceita com muita facilidade o culpado criado, 8 meses passam e ela consegue adotar o bebê e nem desconfia. Fica burra de repente. Na festa para comemorar a adoção ela começa a investigar a casa do sogro e descobre tudo. Há um grande corre corre, muitas mortes. E o fim acaba bem de supetão. Mas pelo menos explicam bem. A médica é interpretada Radha Mitchell. O marido por Rupert Graves. Outros do elenco são: David Robb, Liam Carney e Joanne Crawford.

Beijos,
Pedrita

14 comentários:

  1. Este eu também não vi. Na vida real, a gente muitas vezes não responde às evidências dos fatos em tempo hábil, pois o nosso desejo de acreditar em certas coisas, meio que nos cega, rsrs.

    Beijoca

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. marly, pode ser, mas ela estava inteligente demais para não perceber depois. mas enfim, gostei da temática do filme.

      Excluir
  2. Tem muitos filmes em que o personagem fica muito burro. Mas acho que vale a pena ver. Abraços.

    ResponderExcluir
  3. Pedrita,
    Pela resenha é um filme imperdível, obrigada por mais essa dica!

    Beijinhos ♥

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. andréa, eu gostei. não é perfeito. mas é bom.

      Excluir
  4. Adorei a dica, é o tipo de filme que eu gosto de assistir

    Beijos,
    Pri
    www.vintagepri.com.br

    ResponderExcluir
  5. Olááááá Pedrita!
    Nossa quero assistir o filme, eu li essa edição em espanhol, um amigo me emprestou o dele, o da capa azul, porque não encontrei em português, e pela sua resenha deve ser bem fiel à narrativa do livro.
    Achei o argumento e ambiente bastante angustiantes, dá uma aflição.
    Por outro lado tem a pegada dos mistérios, lendas, segredos e crimes com base surreal, mas que fecha redondinho com a lógica.
    Fiquei super curiosa com o filme *_*
    Bjs Luli
    Café com Leitura na Rede

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. luli, o filme não amarra muito bem não. mas é interessante.

      Excluir
  6. Parece muito cheio de mentiras e de erros.
    Acho que não gostaria.
    Mas, nem ouvi falar.
    Os atores acho que nem conheço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. liliane, acho q esse vc até gostaria.

      Excluir

Bons comentários!