quinta-feira, 30 de março de 2017

Tudo é Cópia

Assisti ao documentário Tudo é Cópia (2015) de Jacob Bernstein no Max. Faz tempo que a Liliane do Paulamar me falou desse filme e coloquei para gravar na época. Muito obrigada pela indicação, gostei muito! É sobre Nora Ephron, é o filho que faz o documentário após a sua morte.

Logo que começou achei que aproveitaria muito pouco porque não lembrava de Nora Ephron, nem de seus filmes, muito menos de seus livros. Realmente acho que nunca li nada dela, mas aos poucos vi que assisti alguns filmes baseados em seus roteiros. Que eu me lembre que vi com roteiros dela foram os fofos Sintonia de Amor e Mensagem para Você. Tanto que Meg Ryan e Tom Hanks falam de Nora Ephron. Meg Ryan lê ainda um trecho de seus textos, outros atores também. Outros filmes não sei se vi, não lembro.

Nora Ephron era filha de Henry e Phoebe Ephron, dois dramaturgos. Eles foram autores de roteiros de grandes filmes como Carrossel e Papai Pernilongo. O documentário conta que depois de um tempo eles se tornaram alcoólatras. 

Fiquei surpresa em saber que Nora Ephron foi casada com o jornalista do caso Watergate, Carl Bernstein, pai do diretor desse documentário. Aos poucos o documentário foi desconstruindo a escritora. Ela gostava de falar de sua vida em seus livros que viravam filmes depois. Eu teria pavor de ser parente de uma pessoa que vivia expondo publicamente a vida das pessoas em livros e filmes. Ainda mais que muitos de seus filmes eram comédias, e colocava cenas de modo cômico. Difícil rir de sua própria história. É uma coragem vendo de fora, mas ser a pessoa retratada devia ser quase insuportável. Não sei se lidaria bem com isso. Carl Bernstein também falou de Nora Ephron, algumas de suas irmãs e ainda Meryl Streep, Steven Spielberg, Gay Talese, Myke Nichols, Bob Balaban e Reese Whiterspoon. Entre tantos outros. E trechos de entrevistas antigas com a própria Nora Ephron.
Nora Ephron morreu aos 71 anos de leucemia. Ironicamente não quis que ninguém soubesse de sua doença. 



Beijos,
Pedrita

13 comentários:

  1. Eu amei esse Documentário. Vi 2 vezes.
    Tenho os 3 livros que ela escreveu. Ela é formidável.
    É dela também: Harry e Sally feitos um para o outro e A difícil arte de amar.
    Sofreu muito com a traição do Carl Bernstein. Ela estava grávida do 2º filho.
    Entendo ela não falar da doença dela.
    E o pior para mim é vê que Leucemia continua matando.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. liliane, um pouco depois de ter começado entendi pq vc viu mais de uma vez. é muito informação. que vida rica dessa autora. então, não lembro se vi esses filmes que mencionou. por ter ouvido falar muito não sei se é dos q acho q vi mas não. eu entendo dela não falar da doença. mas muito estranho ela expor tanto a família. pimenta nos olhos dos outros....

      Excluir
  2. Que maximo amei a dica vou assisti, obrigado pela visita.
    Blog:https://arrasandonobatomvermelho.blogspot.com.br
    Canal:https://www.youtube.com/watch?v=DmO8csZDARM

    ResponderExcluir
  3. Olááááááá Pedrita
    Num primeiro momento não liguei a pessoa ao nome, mas depois que vc disse dos roteiros de Sintonia de Amor e Mensagem para Você (esse é um dos meus favoritos da vida, eu sabia de cor quase todas a sfalas, e era apaixonada pelas livrarias rsrsrs), lembrei também de Julie & Julia, é bem interessante tb tem a pegada dos livros de maneira diferente.
    Deve mesmo ser desconfortável ter a vida exposta num roteiro :/
    Gostei demais da indicação, quero assistir o doc :)
    Bjs Luli

    Café com Leitura na Rede


    ResponderExcluir
    Respostas
    1. luli, então vai adorar o documentário. eu odiaria q colocassem minha vida exatamente em um roteiro. q lembrasse, com uma certa sutileza, mas exatamente, desconfortável no mínimo.

      Excluir
  4. Hello, Pedrita!
    Eu agradeço o seu cantinho por tantas indicações boas.
    Aqui me sinto bem e mais culta, obrigada pelas dicas preciosas.

    Beijinhos ♥

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ai, andrea, obrigada, não é pra tanto. mas tb gosto de ir em blogs q me dão sugestões de eventos culturais. é bom somar.

      Excluir
  5. Olá, tudo bem? Eu assisti Lion.. Que filme maravilhoso!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! Assista.. Ainda dá tempo no cinema. Ficou ao lado de A Chegada entre os meus melhores do ano até aqui. Para gravar na NET, é preciso pagar mais. Eu não pretendo fazer isso... Bjs, Fabio www.tvfabio.zip.net

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. fabio, vou ver. não devo ir no cinema tão cedo. eu preciso gravar, volte e meia preciso gravar um programa para o trabalho, então tenho o recurso. aí é bom pq gravo filmes e vejo com tranquilidade. podendo parar e voltar qd quiser.

      Excluir
  6. Assisti a este documentário já faz algum tempo. Nora Ephron foi uma mulher de vanguarda e uma das frases dela (que já publiquei em meu blog) tornou-se um dos meus lemas.

    Beijoca

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. marly, eu gostei do documentário. da nora não tanto.

      Excluir
    2. Pedrita,

      Através de alguns comentários - feitos nesta obra - deu pra ver que a NE foi talvez um pouco arrivista, né? Mas, embora não haja justificativas para isso, a gente vê ali também que isso resultou dos problemas que ela teve com os pais e marido. Quanto à frase que publiquei, eu entendi a palavra 'heroína" não como princesa-rainha ou nobre, mas sim como alguém que justamente resiste, e não se entrega à dor, mas vai em frente e a supera, do melhor modo possível. Isso não deixa de ser heroísmo, rsrs.

      Excluir
    3. marly, eu tive dificuldade de gostar de nora. por ser muito reservada não gosto q as pessoas invadam a minha privacidade, ainda mais alguém muito próximo. mas foi exatamente essa coragem dela de abrir sua vida que nos proporcionou tantas obras. só não queria ser da família dela.

      Excluir

Bons comentários!