quinta-feira, 22 de janeiro de 2009

Calígula


Assisti Calígula (1980) de Tinto Brass e Bob Guccione em DVD. Ganhei essa edição especial de 20 anos de Natal do 007. É impressionante! O roteiro é uma adaptação de Gore Vidal. É um filme ousado, dispendioso, épico e maravilhoso! Um elenco incrível. Calígula é interpretado divinamente por Malcom McDowell. Nessa edição de comemoração há um documentário feito na época que detalha como esse épico foi construído. Uns 64 cenários gigantes feitos na Itália, onde o filme foi realizado.

Gore Vidal explica no documentário como vê Calígula, não somente o louco, mas um homem obstinado, que teve muito poder, que queria ser adorado e que provoca sempre o Senado. O produtor mostra livros que encontraram na Itália onde mostravam esculturas sexuais e o quanto a sexualidade era vista como algo que rejuvenescia, era liberada e pública. Calígula é muito ousado nas cenas de sexo.
No elenco só grandes atores: Teresa Ann Savoy, Helen Mirren, Peter O'Toole e John Gielgud. Outros são: John Steiner e Guido Mannari.
Na trilha sonora há obras de Prokofiev.


Música: Prokofiev - I



Youtube: Caligula-Nerva Commits Suicide



Beijos,


Pedrita

9 comentários:

  1. Olá Pedrita!
    Vimos esta película do Tinto Brass já lá vão largos anos, na época o realizador era conhecido pela forma descomplexada como filmava, embora nunca tenha tido grandes elogios por parte da crítica. A Teresa Ann Savoy nesses anos andou na ribalta devido a um outro filme de Tinto Brass intitulado "Saloon Kitty o Bordel dos Nazis" e da obra-prima de Miklos Jancsó "Vicíos Privados, Públicas Virtudes".
    Beijinhos
    Paula e Rui lima

    ResponderExcluir
  2. Pedrita, que poster de filme trash. Muito sangue!

    Passa no meu blog, tem uma indicação pra você lá! Tá tudo aqui: http://blogdamarion.blogspot.com/2009/01/este-e-um-blog-maneiro.html

    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Oie... quanto tempo... estava trab d+ mas estou de volta,... bjs

    ResponderExcluir
  4. oi pedrita, Gore Vidal é um autor que a meu ver sempre gostou de controvérsias;
    inclusive se olharmos pelo prisma das relações afetivo-sexuais.

    A temática sexual dos rapazes na Antigüidade, tem sido explorada por filósofos e historiadores
    como Foucault, Dover, Sergent, Boswell etc, que demonstram, em diferentes registros,
    como eram as relações homoeróticas.

    Concordo com você quando afirma que: "Calígula é muito ousado nas cenas de sexo." ,
    por sua vez acredito eu, ousadia maior existe em 'Monella', também por ele dirigido.

    Apesar de Tinto Brass ter sido assistente de Joris Ivens e Roberto Rossellini,
    e considerado um diretor de "vanguarda" , fica aqui a minha dúvida:
    Seria ele um diretor "erótico" ou "vulgar" ? bjs

    ResponderExcluir
  5. Olá Pedrita!

    Nem vi o filme, nem li o livro.

    Caso nao volte ao "ematejoca azul"-
    Voilá:
    Emma Bovary não é vítima nesse casamento com o Charles. Ele é que é a verdadeira vítima. Escrevi um trabalho em alemão sobre esta personagem, que vou traduzir e postar aqui.
    Quando digo, que ela não é vítima, não estou a acusá-la por ter "rompido os lacos sagrados do matrimónio". Esse facto não está no meu trabalho em primeiro plano. O que eu quero dizer, ela não é vítima do marido, mas sim da sua fantasia doentia.
    Não precisa de estar de acordo comigo. Adoro uma boa discussão!!!

    ResponderExcluir
  6. Olá!
    Estou repassando a você o prêmio Dardos ao qual eu fui indicada.
    As regras estão em meu blog, certo?
    Aliás, parabéns pelo seu blog, sempre acompanho.

    ResponderExcluir
  7. Este é outro filme que assisti há muito tempo. Os extras do DVD devem ser o máximo!
    Denise

    ResponderExcluir
  8. paula e rui, a superprodução é impactante. eu e o 007 nos questionávamos pela filmografia da teresa ann savoy. os outros sabíamos alguns filmes. vi no imdb, mas não consegui identificar nenhum que tenha visto. vou ficar de olho nesse que comentou.

    marion, obrigada

    ana baldner, sentimos sua falta.

    marcos, eu li uma única obra do gore vidal e gostei muito. tb gostei muito do olhar dele sobre calígula e a adaptação que fez a obra. e a direção do filme é inacreditavelmente incrível. épico de primeira qualidade.

    ematejoca, não vejo a bovary como vítima e sim uma mulher frustrada com o casamento que lhe proporcionou uma vida pacata demais do que desejava. e como não era permitido mudar as escolhas. ela encontrou caminhos complexos.

    elaine, obrigada.

    dê, te empresto o dvd pra vc ver o documentário.

    ResponderExcluir
  9. Nao, vi, mas estooooooooooooou doida prá veeeeeeeeeeeeer!!!

    Bjsu

    ResponderExcluir

Bons comentários!