sábado, 5 de setembro de 2009

Ecos

Assisti ao documentário Ecos (2009) de Pedro Henrique França e Guilherme Manechini no festival É Tudo Verdade na Cinemateca Brasileira. Eu queria ver esse documentário, apesar de triste, porque tinha admiração pelo Toninho do PT. Não conhecia muitos detalhes da carreira dele, mas sabia do seu carisma e do quanto era respeitado em Campinas. Tinha ficado muito triste quando soube do seu assassinato e desconfiado que poderia ter sido um crime político. Um dia apareceu por email um texto da viúva sobre um abaixo assinado, contando as confusões das investigações e pedindo que assinássemos para que as investigações continuassem. Quando soube que tinha um documentário sobre esse triste episódio do nosso país quis apoiar e assistir. Gostei que o documentário não foi pelo caminho fácil do melodrama e sensacionalismo, foi pelo caminho da informação e do jornalismo. Então conheci bastante do Toninho e da sua carreira.

Gostei de conhecer um pouco da carreira do Toninho. Não sabia que ele tinha se formado arquiteto pela FAU na USP. E que tinha escolhido o Urbanismo como profissão. Foi isso que fez o arquiteto criar projetos de urbanização em favelas na década de 70. Com o projeto, ele se comprometeu a todos os fins de semana ir ajudar os moradores nos mutirões dos projetos de urbanização. Passou 15 anos indo todos os fins de semanas ajudar nos projetos de urbanização. Isso provavelmente foi o que mais lhe trouxe popularidade. Na sua trajetória, Toninho ganhou muitos amigos e alguns inimigos. Fiquei triste com esse Brasil confuso e tão pouco transparente. É absolutamente confusa a investigação. Me incomoda esse contracenso nesse país. Enquanto o Collor foi inocentado por falta de provas, e o que não faltavam eram provas. Os argumentos frágeis da morte do Toninho foram dados como conclusivos, msmo as argumentações terem sido baseadas em suposições e não em provas. Eu sabia que as investigações tinham sido obscuras, só não tinha ideia do tamanho da dimensão das confusões e infelizmente o documentário conseguiu mostrar a teia de incongruências. Inclusive a morte de três bandidos em outra cidade, por policiais de Campinas, que alegaram terem sido em um confronto. Tudo estranho, irregular e muito triste. Apesar de achar que mesmo que esse caso seja melhor apurado, é possível que o que realmente aconteceu nunca apareça. Mais triste ainda. A viúva estava presente na sessão e disse que esse documentário vai passar em Campinas no dia 11 no Museu da Imagem e do Som. E depois em mais 6 bairros de Campinas onde as pessoas deram os depoimentos. Também há um site.

Youtube: Documentário ECOS discute o assassinato de Toninho do PT



Bejios,

Pedrita

6 comentários:

  1. Pedrita, eu acho que nunca saberemos a verdade, pois a verdade deve incomodar muitos neste caso. Triste mesmo que coisas assim ainda aconteçam por aqui.

    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Oi Pedrita.

    Concordo com a Marion. Certas coisas nã vamos ter certeza do que aconteceu, nunca ...

    O mesmo caso é o do prefeito de Santo André.

    Bjs.
    Elvira

    ResponderExcluir
  3. Mais cedo ou mais,
    verei o documentário.
    Mas os meandros obscuros da política brasileira veem de longe.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  4. Fiquei com vontade de ver o documentário.
    Ótimo post.
    Bj

    ResponderExcluir
  5. Obrigada pela dica do site.
    Entrei e gostei
    Beijos!

    ResponderExcluir
  6. O que mais dói, é que isso acontece todos os dias.

    Um beijao

    ResponderExcluir

Bons comentários!