quinta-feira, 3 de setembro de 2009

Humano, Demasiadamente Humano

Assisti ao documentário Humano, Demasiadamente Humano (1973) de Louis Malle no festival É Tudo Verdade na Cinemateca Brasileira. Esse e o curta passaram na mesma sessão. Mostra a produção de automóveis, os movimentos mecânicos, a quantidade de funcionários. Hoje vemos em alguns comerciais a automação, tudo é mais automatizado. Em 1973 já era, mas obviamente com outra tecnologia. Me impressionou a quantidade de mulheres na fábrica. Elas cuidavam dos estofamentos, dos fios e várias de grandes máquinas. Os cabelos e roupas dessa época também são ótimos. Quantas vezes me perguntei o que era humano e o que era máquina. E quantas vezes me perguntei se o funcionário era mais máquina ou mais humano. Os movimentos são tão repetitivos que eu já estava cansada de ver. E fiquei pensando como seriam aquelas pessoas dia após dia naquela aparente monotonia de movimentos.

O documen-tário mostra alguns processos de montagem até o carro ficar pronto. Depois uma feira lotadíssima onde todos dão palpites. E como criticam cada detalhe, e como dão palpites. Aí volta para a fábrica do final da produção retornando para o começo, com toda a genialidade do olhar de Louis Malle.



Beijos,


Pedrita

8 comentários:

  1. Oi Pedrita, trabalhei numa automotiva e os movimentos eram iguais, sempre repetitivos, mas ainda sim os montadores e montadoras alegavam que era melhor trabalhar na produção do que no administrativo, pois ao final do dia, um descanso e um bom sono curava o corpo cansado, já o administrativo tem um cansaço mental difícil de curar...
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Deve ser muito interessante esse documentário!
    Sempre fui apaixonado pelos carros, então qualquer hora vou ver se consigo assistir.

    Um convite de última hora: hoje haverá um mega-recital em Campinas, a partir das 19h na Sala Carlos Gomes (Centro de Convivência).
    Se puder, apareça! :-D

    (Coloquei o blog da ABAL-Campinas como meu endereço caso você queri ver mais detalhes!)

    ResponderExcluir
  3. Oi Pedrita.

    Sabe que nunca fui à Cinemateca ? Acho que preciso tomar vergonha na cara ...

    Bjs.
    Elvira

    ResponderExcluir
  4. imagino que deve ser meio sacal esse documentário, não? Acho que eu ia sentir um mega sono...hauhauhaua

    Beijos!

    ResponderExcluir
  5. Deve ser impressionante, ainda mais realizado por um diretor tão genial.

    ResponderExcluir
  6. sheila, acho q pra quem faz o movimento repetitivo deve ser menos monótono do que ver alguém fazendo. corajosa vc. o q me preocupa é q acaba dando um certo sono e isso gera acidentes.

    josé luiz, eu sou fascinada por história. acho q vc vai gostar. quem gosta de moda tb vai adorar esse filme.

    elvira, eu fui a primeira vez na cinemateca só no ano passado. sempre falavam que era longe e ficava receosa de ir. qd descobri q o acesso é fácil, é fácil de estacionar. me empolguei e agora vou sem sustos. acho que só de condução é q o acesso deve ser difícil.

    carla, não achei muito sacal não. mas um pouco cansativo sim.

    ana maria, definiu bem, impressionante.

    ResponderExcluir
  7. Deve ser muito bom esse documentario.

    Bjus

    ResponderExcluir
  8. Olá Pedrita
    Louis Malle é um dos nomes grandes do cinema francês e um cineasta sempre a redescobrir, nunca deixou de ser um autor, mesmo quando trocou a França pelos States, assinando obras que vale mesmo a pena descobrir. Por aí estão de parabéns com esta retrospectiva.
    Beijinhos
    Paula e Rui Lima

    ResponderExcluir

Bons comentários!