sexta-feira, 16 de outubro de 2009

Savage Grace

Assisti Savage Grace (2007) de Tom Kalin no Telecine Cult. Vi no site que o filme era espanhol e com a Julianne Moore, resolvi assistir. Na verdade é uma co-produção entre Espanha, Estados Unidos e França. Depois de ver o filme li um comentário do Merten onde ele dizia que achava melhor que quem fosse assistir, fosse puro, sem informações do filme e concordo, eu fui dessa forma e desarmados acabamos penetrando nessa complexa história, com sentimentos tão controversos. No Telecine Cult está como Pecados Inocentes, mas nas buscas já vi com outras traduções, preferi manter o nome original. Savage Grace é um filme para adultos.

Vou falar detalhes do filme: Savage Grace fala da vida conturbada de uma família. O narrador é o filho. A mãe é afetiva e impulsiva, o pai é mais frio e distante. A relação do casal é sempre muito agressiva e só piora com o tempo. A mãe dedica então todo o seu afeto a seu filho. Tudo é complexo. Mas esse casal vive de forma intempestiva. Por terem uma situação financeira tranquila, rica mesmo, não trabalham. Ela é tudo um pouco e nada. Tentou ser atriz, tentou ser pintora, tentou ser escritora. Aos poucos vamos percebendo que apesar desse ambiente ter potencializado os desequilíbrios do filho, ele é muito mais perturbado do que imaginamos. Eu mesma me surpreendi com os desajustes dele. Aos poucos esse rapaz vai dando sinais de perturbação, mas inicialmente eu só o via como alguém mimado. Só no final que comecei a unir todos os desequilíbrios, obsessões e depressão desse rapaz.


Julianne Moore está mais linda que nunca. Gostei demais do rapaz que interpreta o filho dela adulto: Eddie Redmayne. O marido é inter-pretado por Stephen Dillane. Alguns outros do elenco são: Elena Anaya, Unax Ugalbe, Barney Clark e Martin Huber. Há o envelhecimento dos personagens com o passar dos anos. Escolheram fazer mais na mudança dos cabelos e dos figurinos, o que ficou bem definido, mas sutil. Gostei muito do olhar do diretor e do desempenho dos dois protagonistas. São cenas difíceis, mas muitas vezes ele só mostrava e seguia para outra, como disse, aos poucos vamos compreendendo esse universo tão diferente.

Beijos,
Pedrita

5 comentários:

  1. Eu penso que vi este filme, mas tenho que pesquisar nas minhas memórias, se sim depois digo algo mais.

    ResponderExcluir
  2. Confirmo, um filme complexo, sobre uma família complexa com um final chocante e complexo. Por acaso gostei muito do filme como obra cinematográfica, embora não me tenha marcado como história.

    ResponderExcluir
  3. Adoro Julianne Moore!!! Ela é linda (sem ser convencional) e talentosa!
    Fiquei perturbada com sua descrição do filme....sou meio avessa à filmes tristes, fico contaminada pelo clima....
    Estou empolgada com o café!!!
    Bj

    ResponderExcluir
  4. Pedrita, não vi este filme, mas adoro a Julianne, ela transmite uma doçura com o olhar, não acha?
    Bem, aqui em casa não são os filhos que estão me tirando do sério, é o excesso de trabalho!

    Beijos

    ResponderExcluir
  5. geocrusoe, eu gostei da complexidade do roteiro e da família amoral. não acho que foi o q desencadeou a perturbação do rapaz, mas não minimizou os seus conflitos.

    la socière, esse filme não é fácil de assistir.

    sheila, nesse filme ela parece mais uma mulher marcante q meiga.

    ResponderExcluir

Bons comentários!