sexta-feira, 31 de outubro de 2014

À Procura de Sana

Terminei de ler À Procura de Sana - Duas palestinas, dois deuses (2012) de Richard Zimler da Relume Damará. Foi a Fátima Pombo que me apresentou esse autor e eu li dele Trevas da Luz, que gostei muito. Aí ela me presenteou com esse. Logo no início quase pensei em ler primeiro O Último Cabalista de Lisboa que adquiri recentemente, mas resolvi antecipar esse já que o presente já estava aqui há um tempinho. Eu tinha uma enorme curiosidade de saber porque a Fátima Pombo queria me presentear com esse livro. Durante a leitura volte e meia achava que era por aquele trecho, ou mesmo aquele. Mas a arte é isso, posso ter imaginado algo totalmente diferente do que fez ela me presentear. As possibilidades da arte são tantas, que qualquer suposição pode ser totalmente diferente do que aconteceu. Interessante é que a obra dá essa sensação de que tudo pode ter sido muito diferente, já que são muitos segredos, alguns por proteção, que podem ser bem diferente como relataram.

Obra de Ismail Shammut

Quando Richard Zimler vai participar de um evento conhece uma mulher que se mata no dia seguinte. Ele conhece ela muito rapidamente e ela diz ter lido o livro dele O Último Cabalista de Lisboa. Ele fica muito chocado com o suicídio, ele não tem certeza, mas tudo indica que foi um suicídio e começa e tentar saber um pouco mais dessa mulher. Desse fato então começa À Procura de Sana e uma mistura de ficção e realidade. Conhece então Helena, e é ela que começa a contar um pouco a história dessa mulher. São histórias cheias de mistérios e segredos já que elas nasceram em uma região de muitos conflitos. O tempo todo ficamos na dúvida se realmente o que contam a ele é como aconteceu, porque os segredos é que protegem as pessoas. O fato do Richard Zimler ser judeu, dá muita propriedade a obra. É um judeu falando de palestinos, de violência, contando a história dessas duas mulheres pelo olhos de quem procura. Ele não conta como um judeu, e sim como o relatam, mas o fato dele ser judeu, fortalece a narrativa, já que o interesse dele é tentar entender um pouco o que pode ter acontecido e não de fazer uma apologia a qualquer conflito. Em meio as investigações acontece o ataque a 11 de setembro, o que dificulta muito obter informações, já que aqueles com quem Zimler falava precisam sumir por uns tempos por segurança, mesmo que não estivessem envolvidos, só por serem palestinos.

Obra Paisagem sobre a Lua de Jumana El Husseini

À Procura de Sana é um livro muito triste e dramático. Essas duas amigas passaram maus bocados com a violência a seu povo. Helena, amiga de Sana, acha que não é possível acordos de paz, e com a leitura do livro essa sensação fica bem forte. Há muita intolerância em todos, muito ódio. O que a família de Sana passa é aterrorizador. A violência com a sua mãe e com o seu irmão especial é assustador. Raramente e família é avisada que algum parente foi preso, ele simplesmente desaparece. Basta alguma denúncia, com fundamento ou não, para uma pessoa ser presa, torturada e massacrada. E o ódio vai se expandindo. Os judeus também sofrem com os ataques e a violência, mas o ódio que alguns policiais usam contra palestinos suspeitos é revoltante.

Obra de Sliman Mansour

Em vários relatos fica clara a angústia dos palestinos de não poderem viver em suas terras. Na infância a família dessas mulheres precisa sair de onde vivem. E voltam clandestinamente. Uma família consegue os documentos para se fixar, a outra não. Depois, por questões de segurança, alguns precisam viver em outros países, mas sempre falam do desejo de voltar, de viver entre os seus.

Todos os pintores do post são palestinos.


Beijos,
Pedrita

18 comentários:

  1. A mim deu a impressão que ele delega aos palestinos uma coisa que eu não sei se é bem assim.

    ResponderExcluir
  2. Respostas
    1. na verdade ele relata como ficção como poderia ter sido a história dessas mulheres. isso não significa que represente um povo.

      Excluir
  3. Deve ser um livro muito interessante, a historia desses dois povos entrelaçados sempre me deixam curiosa! Gosto desse tipo de livro. Não conhecia esse autor.
    Beijos
    Adriana

    ResponderExcluir
  4. Oi, Pedrita,

    Estes dois livros já haviam entrado na minha lista, pois o assunto judaísmo e a questão do conflito entre estes dois povos sempre me interessou.

    Beijo e bom fim de semana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. marly, eu tb sempre quero entender povos, crenças e conflitos.

      Excluir
  5. Deve ser interessante, mas pela capa parece ser triste.

    ResponderExcluir
  6. Dele só li O último cabalista de Lisboa e vi vários filmes de curtas-metragem com argumentos de contos dele. O livro gostei muito e recomendo, igualmente a questão da perseguição dos judeus em Portugal e onde os lusitanos fazem o papel de maus.

    ResponderExcluir
  7. Olá, Pedrita !

    Vim desejar ótimo final de semana pra vc.
    Big beijos

    Lulu on the Sky

    ResponderExcluir
  8. Não conhecia o livro e nem o autor. É exatamente por isso que adoro o seu blog: você sempre tem livros interessantes e que, na maior parte das vezes, desconheço por completo.
    Esse foi um excelente presente, com certeza.

    M&N | Desbrava(dores) de livros - Participe do nosso top comentarista de outubro

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. eu tb não conhecia o autor, foi minha amiga blogueira, a fatima pombo, que me apresentou as obras dele.

      Excluir
  9. pois é Pedrita. para mim nem 8 e nem 88.

    ResponderExcluir
  10. O livro não parece ser meu estilo de leitura. E estou cheia de livros da Agatha Christie para ler e acho até que reler(alguns).

    Nesse conflito árabe e judeus, torço pelos judeus. Sem explicação, mas minha torcida é para eles.

    Essa entrevista achei interessante(adoro entrevistas). Mas que canal é esse, na Sky?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. liliane, acho difícil torcer para alguém. acho que só estudando muito as relações, a história, é que dá para no minimo entender um pouco. sou contra a violência e todos praticam uns com os outros nessas regiões. a paz seria o melhor. mas acho q está longe de existir. eu achei o vídeo no youtube, parece um canal do rj. em são paulo o programa shalom passa acho que na tv aberta.

      Excluir

Bons comentários!