segunda-feira, 11 de julho de 2016

Lágrimas de Mãe

Assisti a peça Lágrimas de Mãe do Maravilhoso Teatro Ambulante da Academia de Palhaços no Centro Cultural São Paulo. O texto é de José Soares e a direção de Fernando Neves. O palco é uma kombi. É um drama sobre uma mãe que sofre com as desavenças dos seus dois filhos, um bom e um mal. O espetáculo é lindo. O texto é bem tradicional onde o bem é recompensado e o mal castigado. É bom ter contato com uma obra nesses moldes, fica nostálgico. O irmão bom e a mãe vivem as custas dos trambiques do irmão mal. Cansado de não conseguir trabalho, o irmão bom atravessa fronteira em busca de emprego. A mãe fica a mercê das maldades do outro filho. Adoro as trocas de painéis em tecidos para transformar os cenários de Breno Tavares e Os Demolidor e as Pantera. A iluminação é de Guilherme Bonfanti e Paula Hemsi. Lindos os painéis e remetem muito bem ao teatro mambembe, aspecto muito agradável dessa trupe. No elenco estão Bruno Garcia, Laíza Dantas, Maurício Schineider, Paula Hemsi e Rodrigo Pocidônio. Os atores também cantam e são muito lindas as músicas. A locução é de Eduardo Reyes. Gosto demais do trabalho da Academia de Palhaços, já tinha assistido a outro espetáculo e comentado aqui.
Beijos,
Pedrita

6 comentários:

  1. Acho que faz um ano que não vou a teatro.
    E tem teatro aqui próximo, no bairro.
    Nem sempre tem espetáculos, mas tem.

    Vi um filme do OldFlix e falei em vc e Hugo.

    ResponderExcluir
  2. Olá Pedrita
    Que lindo deve ser!
    Amei esse negócio de painéis em tecido, adoro essa coisa intimista do mambembe
    e tem os papeis bem definidos de bem e mal.
    Vlw a dica
    Bjs Luli

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. luli, tb adoro painéis em tecido. ficam muito mágicos.

      Excluir
  3. Oi, Pedrita,

    Dei uma escapada para vir aqui dar uma espiada no que rolou nos últimos dias. Achei interessante a proposta de se fazer teatro numa kombi, se ela for móvel é ainda melhor, porque pode se deslocar e fazer apresentações em locais sem espaço próprio.
    Eu também estou sentindo muita falta de espetáculos que deixem 'bem' e 'mal' bem definidos, rsrs.

    Beijoca

    (P.S: Meus sentimentos pela sua perda)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. marly, é essa a proposta. a kombi é nova mas foi transformada para parecer mais velha e mambembe. e tem ido em vários bairros da periferia pq tudo vai nela, o cenário, o palco. é uma proposta muito bacana. adoro esse caráter mambembe. obrigada.

      Excluir

Bons comentários!