terça-feira, 29 de novembro de 2016

A Dama Dourada

Assisti A Dama Dourada (2015) de Simon Curtis na HBO On Demand. Eu queria muito ver esse filme depois que assisti a uma chamada sobre a estreia no canal. Não conhecia. E concordo com uma crítica que diz que o filme vale ser visto pela história que é muito triste, mas fundamental.

Começa nos Estados Unidos com uma mulher procurando um advogado indicado por amigos, para que ele tente resgatar para a família a obra A Dama Dourada de Gustav Klint. A obra foi roubada por nazistas na Segunda Guerra Mundial quando a família dela foi presa. A Dama Dourada era sua tia. O jovem advogado acabou de conseguir um bom emprego em uma grande empresa e inicialmente não aceita a tarefa. Mas aos poucos vai se envolvendo. Enquanto eles vão processando a Áustria, a história da Dama Dourada, Adele Bloch-Bauer, e da sobrinha vai sendo contada.

Obra A Dama Dourada (1907) de Gustav Klimt

A Dama Dourada passou a ser símbolo da Áustria, ficava em um museu importante e ninguém queria devolvê-la. A Áustria promove eventos para homenagear judeus e familiares, mas na hora de realmente se preocupar com os judeus devolvendo os seus bens roubados, aí a conversa é outra, passa a ser judicial e austera. Na hora de dar medalhinhas de falso consolo, discursos emocionais, são solidários, mas na hora de devolver o que foi roubado, aí viram monstros. Fiquei muito feliz que o quadro não está mais na Áustria. Agora pode ser visto nos Estados Unidos.


A parente que teve que fugir e largar os pais para trás comenta que muitos austríacos gostaram da chegada de Hitler no país e os receberam de braços abertos e com palmas. Mesmo vendo inúmeros judeus sendo humilhados nas ruas e depois arrancados de suas casas para campos de concentração. Inclusive o caríssimo colar que aparece no quadro foi dado a essa parente, outra peça que foi roubada. O advogado é interpretado por Ryan Reynolds. O rapaz que ajuda na Áustria por Daniel Brühl. Klint por Moritz Bleibtreu

Ainda no elenco: Katie Holmes, Tatiana Maslany, Charles Dance, Max Irons, Antje Traue, Jonathan Price, Frances Fisher e Allan Corduner.  



Beijos,
Pedrita

14 comentários:

  1. Hello, Pedrita!
    Ainda não assisti esse filme, pela resenha é interessante.

    Beijinhos ♥

    ResponderExcluir
  2. É mais um filme que não está na minha lista.

    Bjos

    ResponderExcluir
  3. Respostas
    1. bruxa, eu tb. fui no seu blog mas não há busca.

      Excluir
  4. Olá Pedrita!
    Eu amei esse filme! Especialmente pela contextualização da História <3
    As cenas antigas estão mara inseridas e Helen Mirrem atuou com maestria.
    Uma perspectiva atual para a polêmica das obras de arte que foram roubadas pelos nazis durante o Holocausto.
    É matéria de direito internacional público.
    E o filme ainda tem um trabalho investigativo, instrutivo e com emoção na medida exata.
    O livro tb chama-se A dama dourada - autora Anne-Marie O'Connor
    O primeira parte do livro é focado na história de Gustav Klint e Adele.
    O retrato é considerado o Mona Lisa da Áustria!
    Fico feliz que agora esteja em NY!
    Aahhh sua resenha como sempre arrasou!
    Bjs Luli
    Café com Leitura na Rede

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. luli, obrigada, achei lindíssima a atriz que fez a adele. acho um filme fundamental para mostrar a hipocrisia de muitos. enquanto é só dar tapinhas nas costas e ler discursos afetivos e solidários com a tragédia, todos estão dispostos. quando é apra realmente diminuir os horrores, aí tudo muda.

      Excluir
  5. Este eu vi na época do lançamento. Gustav Klimt é um dos artistas favoritos de minha filha Lili, rsrs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. marly, klimt é demais. trágica história.

      Excluir
  6. Está gravado.
    Vou vê quando tiver tempo.

    ResponderExcluir

Bons comentários!