domingo, 19 de fevereiro de 2017

O Quarto de Jack

Assisti O Quarto de Jack (2015) de Lenny Abrahamson no TelecinePlay. Sempre quis ver esse filme, sabia que não seria uma tarefa fácil porque é um filme muito triste e difícil. É baseado no livro da irlandesa Emma Donoghue. Começa com a mãe e o filho em um quarto. É ali que eles vivem.

É o aniversário de 5 anos de Jack. Eles tem televisão, veem o céu por uma claraboia, o quarto tem proteção contra som em todas as paredes. Com o tempo ela conta para Jack que aos 17 anos um homem pediu ajuda para um cachorro doente e ela foi sequestrada. 7 anos se passaram.

Ela combina com o filho de esquentá-lo muito para que o sequestrador o leve para um hospital e ele lá peça ajuda. Só que o sequestrador vai trazer outro remédio um dia depois. Ela então prepara o filho para fingir de morto, enrola ele em um tapete e orienta que o garoto pule quando a caminhonete parar. Tudo é muito difícil porque a única realidade que Jack conhece é o mundo do quarto. Mas ele consegue. Dois policiais vão buscá-lo. Um acha que o garoto está drogado, delirando, mas a policial começa a estranhar a conversa. É de cortar o coração quando ela pergunta pela casa e ele diz que é só um quarto, ela pergunta se tem janelas, e ele diz que não. Ela pergunta se há luz, ele fala da claraboia. Na hora ela percebe o que ocorre, avisa pra procurarem pelo satélite naquelas ruas uma claraboia e a mãe é achada.
Começa toda a dificuldade de socialização. Ele via o sequestrador que o ignorava. Jack fica escondido no armário quando o sequestrador encontrava a mãe. Como o sequestrador que levava o pouco que eles tinham, Jack tem horror a homens e ao que eles levam. Tudo é muito doloroso. A mãe da jovem se separou e vive com outro homem. São os dois que os acolhem e os ajudam a viver em sociedade de novo. Uma hora a jovem se rebela, resolve dar entrevista e uma repórter sensacionalista mau caráter faz perguntas monstruosas, responsabilizando a pobre da jovem em manter o garoto em cativeiro. Quanta crueldade. Já ouvi muito jornalista dizer que precisa perguntar, que é parte do trabalho. Incrível como justificam atrocidades. Não, não é necessário, podem ficar sem o ibope. O pior que programas como esse bombam de ibope e as outras emissoras querem o mesmo sucesso e copiam o mesmo sistema de horrores. É muito triste a cena que ela diz ao filho que não é uma boa mãe e ele diz que ela é a mãe dele. É isso, nós somos o que podemos ser, não somos perfeitos.

Os dois estão incríveis: Jacob Tremblay e Brie Larson. Ela ganhou Oscar, Bafta e Globo de Ouro de Melhor Atriz por esse filme. Os pais dela são interpretados por Joan Allen e William H. Macy. O sequestrador por Sean Bridgers. O padrasto por Tom McCamus. A policial por Amanda Brugel.
Beijos,
Pedrita

16 comentários:

  1. Um dos melhores filmes de todos os tempos. Esse menino é incrível!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. bruxa, o filme é incrível realmente. o menino está demais. difícil interpretar alguém que nada conhecia além do quarto e da televisão.

      Excluir
  2. eu gostei mt deste filme, bjo http://anaherminiapaulino.blog.uol.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Oi, Pedrita,

    Vi este filme na época do lançamento e o achei impressionante, impactante mesmo. A história me lenbrou a do pai austríaco que manteve a própria filha presa por mais de 20 anos. Ele teve 7 filhos com a filha, você ficou sabendo desse caso? Quanto ao filme em questão, a Brie Larson mereceu o Oscar que ganhou. O menino - que é uma graça - também saiu-se muito bem!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. marly, isso, achei q era alemão. um horror esse caso. estão incríveis mesmo os dois. parecem um só de tanta união.

      Excluir
  4. Eu assisti o filme e realmente é muito bonito..tudo que você diz é verdade, e aquele jornalista deu vontade de entrar na tela e bater na cara dela, enfim é o que as pessoas gostam de assistir hoje em dia né?
    O filme é sensacional!

    Beijinhoss'♥
    Blog Resenhas da Pâm➹

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. pamela, tentar respostas constrangedoras para dar ibope, sim, é o que muito veículo sensacionalista deseja e como dá ibope, outros jornais acabam seguindo pelo mesmo horrível caminho.

      Excluir
  5. É um filme duro, triste e sensível. Superar traumas é uma das situações mais duras na vida de qualquer pessoa.

    Sobre o jornalismo sensacionalista, infelizmente virou algo comum explorar a dor das pessoas.

    Bjos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. hugo, não sei se eles conseguiram superar. acho q conseguiram suportar melhor e se readaptar. mas superar acho q nunca. antes só alguns veículos eram sensacionalistas, hj por números vários estão erradamente se rendendo a essa prática criminosa.

      Excluir
  6. Pedrita,
    Esse filme é triste ao mesmo tempo emocionante. Um dos melhores filmes que eu assisti, gostei muito.
    bjs

    ResponderExcluir
  7. Não lembro de no filme ela dizer que foi enganada pelo homem do cachorro quente. Lembro dela falar isso para a mãe dela.
    A criança é filho desse psicopata.
    O filme é tenso todo instante.
    Quanto a repórter fazer pergunta sensacionalista, é porque tem quem goste. E dá Ibope sim.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ela disse q o homem falou pra ela ajudá-lo pq o cachorro estava doente.

      Excluir
  8. Olá Pedrita
    Sabe que eu não assisti esse filme ainda?
    Acho que vou desidratar de chorar, me dói o coração só de imaginar tamanha crueldade que um ser humano (desumano) é capaz de fazer com seu semelhante.
    Imagine essa mãe sem ter como proteger a si mesma, vítima de um monstro, fazendo tudo o que está ao seu alcance para proteger o filhinho.
    E pensar que ele não conhece nada além de um quarto!
    Triste e emocionante.
    As interpretações devem ser excelentes!
    Bjs Luli

    Café com Leitura na Rede

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. luli, eu me acabei de chorar tb. ainda bem q não vi no cinema. fiquei destroçada. acho que esse homem que fez isso é doente. muito doente.

      Excluir

Bons comentários!