quarta-feira, 10 de janeiro de 2018

Imperium

Assisti Imperium (2016) de Daniel Ragussis no TelecinePlay. Nunca tinha ouvido falar desse filme, soube que foi feito mais para ser visto na televisão. É um filme muito, mas muito desconfortável sobre neonazismo, preconceito, violência e inspirado em fatos reais.

Daniel Radcliffe faz esse policial da FBI que é escolhido para se infiltrar em um grupo neonazista para tentar descobrir onde está o césio que foi roubado e será usado em ataques. Ele é um policial que sofre bullying, todo certinho e precisa se caracterizar para parecer que é um ex-soldado que lutou no Iraque.  Achei muito estranho ele ficar tão seguro de repente. Inicialmente ele se infiltra entre jovens e vai aos poucos mudando de grupos organizados para investigar. O primeiro grupo é daqueles que atacam pessoas em ruas, batem em negros nas ruas, são violentos, depredam. É insuportável ver o rapaz tendo que fingir, indo a passeatas, sendo hostilizado nas ruas, nós sabendo que aquilo o incomoda também, mas tendo que se passar por neonazista também.

Depois ele segue para um grupo armado até os dentes que se prepara para ataques em massa. Um palestrante riquíssimo e escritor de livros racistas muito bem sucedido, que se diz somente simpatizante dos grupos e não atuante na violência. Inclusive ele diz que não é proibido nos Estados Unidos fazer discursos de ódio. E por último, o policial se identifica com uma família racista, mas mais tranquila. O pai não raspa o cabelo, eles tem dois filhos lindos sendo criados como racistas, mas são informados, gostam de música clássica, vivem confortáveis, são afetivos. Aparentemente mais pacatos que os outros. Gostei do filme mostrar que nem sempre é o que parece. Imediatamente identificamos os neonazistas jovens que ele se une, mas embora violentos e perigosos no cotidiano, há outros grupos bem mais disfarçados, que planejam grandes ataques.
No elenco estão Toni Collette, Tracy Letts, Sam Trammel, Nestor Carbonell e Chris Sullivan. Eu particularmente não gostei do discurso final da policial que rotula o agente que se infiltrou. Muito simplista! Interessante que o filme não é simplista, mostra os vários lados dos personagens.

Beijos,
Pedrita

12 comentários:

  1. O tema é forte e poderia render um filme melhor.

    Achei o roteiro um pouco confuso.

    Bjos

    ResponderExcluir
  2. Hello, Pedrita!
    Deve ser um filme forte e cruel, é triste saber que foi baseado em fatos reais. Muita gente sofre com preconceitos e violências.

    Beijinhos

    ResponderExcluir
  3. feliz 2018 td de melhor bjs http://anaherminiapaulino.blog.uol.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Olá Pedrita
    Não conhecia o filme, como Radcliffe tem se despido do bruxinho não é mesmo?
    Um papel difícil em um filme difícil de atuar/interpretar e sem parecer redundante em um tema difícil de abordar.
    Vai para a lista dos que quero assistir.
    Bjs Luli
    Café com Leitura na Rede

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. luli, confesso que radcliffe tem exagerado em radicalizar e esse personagem é bem isso mesmo. confesso que acho q ele não precisava se preocupar tanto. ele ficando adulto tudo vai mudando naturalmente. papel muito difícil.

      Excluir
  5. Devo assisti-lo. O tema eh atual (desculpe, estou no notebook do meu marido, que nao tem acentos, rsrs). Vou morrer sem entender certos odios, o racismo eh de uma estupidez incrivel!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. marly, eu não ligo por precisão ortográfica. acho que deve ver sim. incomoda.

      Excluir

Bons comentários!