sexta-feira, 24 de maio de 2019

Privacidade Violada

Assisti Privacidade Violada (2018) de George Ratliff no TelecinePlay. Gosto desse gênero, esse é bem mais ou menos, mas dá pra ver porque tem algumas questões interessantes, mas desde que não se tenha expectativas.

Um casal resolve passar uns dias em uma casa entre vinícolas na Itália. A namorada que resolveu ir a uma casa em vez de hotel. É lindo demais o lugar! Aos poucos vemos que o casal está em crise e que ele viu ela fazendo sexo com outro homem, traindo-o, então a convivência dos dois na casa não é muito amistosa. Ele é muito chato, se resolveu ficar com ela, deveria aproveitar a vida e o lugar. No meio do filme ele conta que foi embora da festa que ela ficou com o outro porque eles tinham discutido. Daqueles homens que passam a vida discutindo. Ele parece bem agressivo, ela devia era se livrar dele. Muito grosseiro e machão.

Tem hora que parece que vai ser um filme pornô de tão ensaiadinhas as preliminares, mas tem aquele tom cafona dos filmes eróticos que estão na moda atualmente. O final é excelente! Os segundos finais! A parte tecnológica, apesar de rasa, gera alguns debates. O quanto hoje não temos mais privacidade. Lindíssima, a modelo Emily Ratajkowski, que faz a protagonista, pena que esteja exagerando nas intervenções estéticas. O namorado é um canastrão de dar dó, Aaron Paul. O vilão compõe bem as interpretações canastras, o italiano Riccardo Sccamarcio.
Beijos,
Pedrita

10 comentários:

  1. Achei que já tivesse visto este filme por causa do título, mas vi agora que não (deve ter outra obra com nome parecido). Deve ser bom entretenimento, pelo que você diz.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. marly, o filme e o título remetem mesmo a uma infinidade de filmes. é razoável.

      Excluir
  2. Olá, tudo bem? Neste sábado, fui ao Cine Bristol - PlayArte Center 3. Assisti Kardec com Leonardo Medeiros e grande elenco. Confesso que esperava muito mais do filme. Ritmo truncado...Fiquei com sono.... Bjs, Fabio www.blogfabiotv.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. fabio, é muito estranho q o bristol deixe de chamar bristol. não sou religiosa, não verei esse filme do kardec.

      Excluir
  3. Sabe que gostei do filme?
    No começo achei meio estranha a película, pensei em uma crítica a locações feitas pela net por intermediários.
    Depois pensei vai ser DR de casal.
    Errei outra vez quando chutei é sobre o stalker que fica obsessivo pela garota. Era sim, mas tinha mais enredo que isso.
    A reviravolta surpreendeu e o final foi redondinho, com alerta de deep web, eles mostram o anão de jardim lá no começo quando eles estão na piscina.
    Aaaaaahhhhhh eu amooo o Paul Aaron desde Breaking Bad rsrs
    Bjs Luli
    https://cafecomleituranarede.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. luli, o começo tem muito cara de filme erótico da moda, fetiches sexuais quase filme pornô de má qualidade. mas melhora bem mesmo. é bem mais ou menos. mas os segundos finais valem todo o filme. ai, o rapaz tá tão canastrão. as fotos, todas, ele está com caras de bocas de susto combinado hahahahahaha. beijos, pedrita

      Excluir
  4. A premissa se mostra bem interessante mesmo.

    ResponderExcluir
  5. Eu também assisti e amei, é o tipo de filme que me atrai.
    No findes passado fiquei em casa só para assistir filmes.

    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. andréa, eu fiz isso domingo. é bom demais. eu gostei, não amei, mas tem umas questões interessantes.

      Excluir

Bons comentários!