quarta-feira, 2 de janeiro de 2008

Oliver Twist

Assisti Oliver Twist (2005) de Roman Polanski no Cinemax. Uma co-produção entre Inglaterra, República Tcheca, França e Itália, baseado no livro de Charles Dickens, que li a alguns anos. É uma história clássica bastante triste sobre um menino órfão. O que mais incomoda hoje é que utilizam muitos recursos melodramáticos da história para comover e emocionar, então fica envelhecida e repetitiva. Também há várias versões do filme seja para o cinema ou para a televisão. O primeiro foi em 1948.


A produção de Robert Benmussa, Roman Polanski e Alain Sarde é impecável e o elenco é excelente. O menino, interpretado por Barney Clark, é lindo e talentoso. Outros são: Ben Kingsley (na foto), Jamie Foreman, Harry Eden, Leanne Rowe, Lewis Chase, Edward Hardwicke, Jeremy Swift, Mark Strong, Frances Cuka, Chris Overton, Michael Heath, Gillian Hanna, Alun Armstrong, Paul Brooke e Jake Curran.




O filme fala sobre exploração infantil, pessoas que utilizam crianças para pequenos delitos ou gerar piedade para sobreviverem explorando-as. Um tema muito atual sobre uma sociedade que dá esmola ou condena crianças sem dar a elas o direito da infância. Dão trocados em faróis para parecer que se preocupam, mas não tomam posturas claras que realmente ajudem essas crianças.

Música do post: Wait For Me de Rachel Portman. Não é do filme, mas é da mesma compositora.


Beijos


Pedrita

6 comentários:

  1. Lembro que vi o trailer do filme e gostei, mas nunca chegeui a assistir ao filme.

    O menino parece ser bom ator mesmo.

    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Essa versão foi muito bem feita mesmo. O mais triste é que uma história escrita há tantos anos, ainda continue tão real e atual.

    Camila
    mesmachuva.blogger.com.br

    ResponderExcluir
  3. Não vi essa versão. Assisti a versão musical OLIVER!, de Carol Reed, e a de David Lean (um de meus diretores preferidos), de 1948, com Alec Guiness no papel do velhaco Fagin. Ah! E li o livro também.
    Denise

    ResponderExcluir
  4. Na verdade tem uma versão de Oliver de 1916 eoutra de 1922. Eu não vi esta do Polanski ainda, acredita? Mas Dickens vale a pena. Sempre. Depois que ver esta versão, poderei comentar melhor :) pois gosto muito deste diretor. Beijão e espero que este ano a gente tenha muitos e muitos filmes a comentar!!!! :)

    ResponderExcluir
  5. Oi, Pedrita.

    Continuam bons seus comentários sobre filmes, como este a respeito de Oliver Twist. E o capricho do blog como um todo...

    Beijos,


    Marcelo Novaes

    ResponderExcluir
  6. É uma das mais belas histórias já escritas.Não tem como estragar. Amei esse filme.

    ResponderExcluir

Bons comentários!