quinta-feira, 9 de julho de 2009

O Cônsul Honorário

Terminei de ler O Cônsul Honorário (1973) de Graham Greene. Eu adoro esse autor e ele é fácil de achar em sebos. Eu comprei esse, exatamente dessa capa, por R$ 6,00. É uma edição do Círculo do Livro. É fácil achar em sebos virtuais e reais. Eu particularmente não gostei dessa capa, é de 1973 e é do Círculo do Livro, então eles podem ter exigido ao responsável que fizesse algo chamativo, apelativo mesmo. E ficou feia, desculpe a quem fez, sei que deve produzir capas melhores. Mas essa capa tem sim, tudo a ver. eu gosto muito do Graham Greene porque ele ambienta seus livros em geral em regiões degradas, com problemas políticos. Ele sempre me impressiona com o olhar que ele tem aos conflitos de liberdade em países. Dessa vez a trama é ambientada na Argentina, na época da ditadura.
Obra "Me quedo con Ustedes" (1979) de Raul Schurjin

Vou falar detalhes do livro: No começo é bastante confuso porque a ordem não é cronológica, mas depois engrena. Um homem é sequestrado por engano. O grupo político queria sequestrar o embaixador para pedir a libertação de presos políticos em troca, mas eles se confundem e sequestram não somente um consul, mas um Cônsul Honorário. E pior, que só dava problemas, era alcóolatra, casou com uma moça muito jovem e prostituta e já tinha tido desavenças com várias pessoas. Enfim, alguém que ninguém estava muito a fim de salvar, que dirá de trocar por presos políticos. Fiquei impressionada com os diálogos sobre revolução, ditadura, família e religião entre um médico, um ex-padre ou ainda padre, e um revolucionário. De uma profundidade avassaladora. Achei O Cônsul Honorário um livro muito triste.

Obra La Vitrorela de Carlos Torrallardona

Anotei só a frase inicial de O Cônsul Honorário de Graham Greene. O livro é tão emocio-nante que eu acabava não querendo parar para anotar. E os textos finais são bons para ler depois de conhecer toda a obra e na íntegra:

“O Dr. Edurado Plarr permaneceu de pé no pequeno porto do Paraná, entre os trilhos e guindastes amarelos, fixando a vista no ponto onde um penacho horizontal de fumaça alongava-se sobre o Chaco.”

Escolhi colocar as pinturas de autores onde foi ambientada a obra, na Argentina e o músico também é argentino.
Música: luis alberto spinetta - durazno sangrando

Get this widget Track details eSnips Social DNA



Beijos,

Pedrita

11 comentários:

  1. Não sabia sobre esse livro, vou incluir na próxima compra. Tenho bastante interesse por filmes e livros ambientados em épocas de ditaduras.

    Adoro as músicas do Spinetta.

    ResponderExcluir
  2. Graham Greene também é um de meus autores prediletos, ao menos no século XX. Não conheço ironia mais fina que a dele!

    ResponderExcluir
  3. Adorei a dica, Pedrita. Nunca li nada sobre esse autor.

    beijos

    ResponderExcluir
  4. Olá Pedrita

    Graham Greene e o "Cônsul Honorário" é imperdível, assim como o "Oriente Expresso". Sempre gostei deste autor.

    Beijinhos
    Isabel

    ResponderExcluir
  5. Gostei da dica... já esta anotada...

    bjs

    ResponderExcluir
  6. li este autor na minha adolescencia, lembro que adorava, porque eu era engajadanas historias das politicas da epoca, mas ja faz um bom tempo que não leio nada dele.
    adoro as suas visitas ao meu blog de livros.
    e respondi ao seu ultimo comentario....
    no momento ando dividida com
    Os Mestres da Verdade na Grecia Arcaica(vou fazer provad eFilosofia com o tema deste livro)do Marcel Detienne e com
    ENSAIOS, do Montaigne,,,,
    e certamente o Italo Calvino esta certissimo quando recomenda a leitura dos Classicos....

    ResponderExcluir
  7. Nossa, é assim t~ao bom?? E de olhar pra ele a gente n~ao diz nada, né?

    Beijos!

    ResponderExcluir
  8. Olá, tudo bem? Assisti ao filme Jean Charles.. Vale um comentário seu aqui no blog! Bjs, Fabio www.fabiotv.zip.net

    ResponderExcluir
  9. Oi Pedrita.

    Nunca li nada desse autor.
    Vou procurar.

    Bjs.
    Elvira

    ResponderExcluir
  10. ana maria, pelo q conheço de vc acho que vai gostar de quase todos os livros do greene.

    georgia, anotado q nao leu nada desse autor.

    diego, eu adoro o greene tb.

    ionah, que bom que gosta das visitas, vou lá ler o q respondeu. os livros do greene são fáceis e baratos de achar em sebos. como virei fã dele, semrpe que acho um q não li, compro.

    carla, eu gosto desse autor, nem prestei atenção na capa qd comprei, só qd fui ler.

    fabio, não penso em ver jean charles no cinema. talvez na tv a cabo.

    elvira, acho q vai adorar.

    ResponderExcluir
  11. Li "O Cônsul Honorário" (1973) de Graham Greene. Antigamente gostava muito de ler esse autor, mas há muito tempo, que não o leio. Depois de ler este texto da Pedrita apetece-me ler mais uma vez algum livro de Graham Greene.

    A saudação habitual de Düsseldorf!

    ResponderExcluir

Bons comentários!