quinta-feira, 26 de agosto de 2010

Adorável Desgraçada

Assisti a peça Adorável Desgraçada de Leilah Assumpção no teatro Cultura Artística Itaim. A direção é do Otávio Müller. Queria muito ver essa peça desde que vi uma matéria no Estadão falando da estreia. É um monólogo com a maravilhosa Débora Duarte que arrasou. Adorável Desgraçada comemora os 40 anos de atividade da dramaturga. Fui com minha mãe e adoramos, mas acharmos muito triste. Os cenários e o figurino maravilhoso é da incrível Bia Lessa.

Logo no início já me identifiquei e me emocionei com o texto. Nossa protagonista, a Guta, passou a sua infância e adolescência em Sertãozinho. Não que eu seja de lá, mas eu e minha família passamos momentos encantadores nessa cidade que nunca esqueci, nem eu, nem minha irmã. Minha mãe sempre mencionava  aqueles dias mágicos que passamos naquela pacata cidade. Guta é uma mulher frustrada, agora com uns 50 anos, vive sozinha mas sempre quis um destino diferente. Não se realizou emocionalmente, nem financeiramente. Ela está em um período de grande crise, televisão e rádio quebrados, esquecida por todos. Entre euforia e profunda tristeza vamos mergulhando nesse mundo opressivo que ela vive. Ela fala o tempo todo de uma amiga de infância, a Maribel, que parece mais odiar que amar, que tem muito ciúmes, porque enquanto a Maribel fez tudo o que queria, cometeu muitos pecados, a Guta foi uma mulher dedicada, afetuosa e correta. Mas é a Maribel que vive enquanto a outra fica solitária.A Guta é dessas pessoas que ajudou todo mundo, mas de quem ninguém se lembra. A personagem fala conosco, com vizinhos, amigos do passado não-presentes. É um belíssimo espetáculo que fica em cartaz até 3 de outubro. 


From Mata Hari e 007
Beijos,








Pedrita

5 comentários:

  1. As peças de teatro em que o monólogo de uma actriz ou actor são a o tema, revelam-se um verdadeiro tour de force do protagonista. A última peça em que tal vimos foi "A Apologia de Sócrates", que nos ofereceu uma interpretação inesquecível.
    Beijinhos
    Paula e Rui Lima

    ResponderExcluir
  2. deve ser bem triste mesmo. Gosto muita da Débora Duarte. Adorei as fotos da peça.

    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Cenários e figurino, pelas fotos, parecem ser incríveis mesmo.
    (minhas lembranças de Sertãozinho: varanda imensa, manjar branco e passeio com o Pocotó!)
    Denise

    ResponderExcluir
  4. paula e rui, eu gosto bastante de monólogo.

    marion, o espetáculo é lindo.

    dê, eu não lembrava do manjar, mas lembrava da gente caminhando todos juntos com uma lanterna pela fazenda.

    ResponderExcluir
  5. Eu adoro monólogos, assisti ao Coração bazar com a Regina Duarte no Cultura (antes do incêndio) e amei.
    Bacio

    ResponderExcluir

Bons comentários!